Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


DEMOGRAFIA E ECONOMIA

Sexta-feira, 09.12.16

A Wikipédia, a enciclopédia livre da Internet, descreve assim a demografia e a economia da mais ocidental freguesia açoriana:

 

The escarpment surrounds the community composed of three nuclei: Fajã Grande (the largest population), Ponta da Fajã Grande (a narrow strip between the coast and Rocha da Fajã), and Cuada (a settlement located on a plateau bordering the parish of Fajãzinha to the south). Cuada, for many years, was a collection of uninhabited homes, but today it has been rejuvenated by rural tourism, and classified as an Area of Municipal Interest.

The port at Fajã Grande, once an important commercial port, has lost much of its importance and is now used recreationally and, only rarely, for disembarking commercial goods. The entire zone is valued for its coastal waters, attracting both swimmers and surfers from around the island.

Between 1960 and 1980, approximately 60% of the active population emigrated to the United States and Canada

Economy:

Fajã Grande had always been characterized by its land and connection to the sea, resulting in a considerable part of its population employed in the primary industries (about 50%), that included agriculture, livestock husbandry and fishing. Over time, secondary industries began to occupy a greater part of the local activities (but generally hovered around 20% of activities), and primarily tourism, commerce and complimentary services.

 

Numa tradução livre, penso que a mensagem será muito próxima da seguinte:

 

A escarpa onde se localiza a Fajã Grande é composta por três povoados: a Fajã Grande, o maior dos três lugares, a Ponta da Fajã Grande, formada por uma estreita faixa entre o litoral e a Rocha e a Cuada, a sul, situada sobre um planalto na fronteira com a freguesia de Fajãzinha. A Cuada esteve despovoada durante muitos anos, mas atualmente foi recuperada pelo turismo rural, e classificada como uma Área de Interesse Municipal.

O porto da Fajã Grande, outrora um importante porto comercial, perdeu grande parte da sua importância e atualmente é, apenas, utilizado como porto de recreio, sendo muito raramente, aproveitado para fins comerciais. Toda a zona da orla costureira é muito apreciada devido à qualidade das suas águas, atraindo tanto os nadadores como os surfistas de toda a ilha.

Entre 1960 e 1980, aproximadamente 60% da população ativa da freguesia emigrou para os Estados Unidos e Canadá.

No que à economia diz respeito, a freguesia da Fajã Grande sempre se caracterizou pela exploração da terra e pela ligação ao mar. Assim a maioria da sua população dedica-se ao setor primário, nomeadamente à agricultura, à pecuária e à pesca. Ao longo do tempo, as indústrias secundárias começaram a desenvolver-se e a ocupar uma grande parte da população, nunca ultrapassando, no entanto, 20%. Entre estas destacam-se o turismo, o comércio e alguns serviços complementares.

 

 BOAS FESTAS

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

SOLA SAPATO

Quinta-feira, 08.12.16

Sola, sapato

Rei, Rainha

Foi ao mar

Pescar cebolinha

Para o filho

Do juiz

Que está preso

Pelo nariz

Salta a pulga

Na balança

Dá um pulo

Até á França

Os cavalos a correr

As meninas a aprender

Qual será a mais bonita

Que se vai esconder

Atrás do burro da Inês

Cada um por sua vez.

 

 BOAS FESTAS

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05

O FRASCO DE PERFUME

Quarta-feira, 07.12.16

O Ângelo Mexim e o Amarelo eram irmãos de sangue. Nascidos e criados juntos, cresceram e casaram. Após a morte dos progenitores foram acumulando rixas, brigas e discussões como nunca se vira na freguesia. Um louvar a Deus! Questões de partilhas misturadas com ameaças de morte e de vinganças permanentes. Cada um havia de dar cabo do outro. Um ódio mortal recíproco!

Viviam pois como verdadeiros e eternos inimigos, os dois irmãos! Por toda a freguesia comentava-se, condenava-se e reprovava-se tão grande e profunda inimizade:

- Nunca tal se viu! Dois irmãos que, desde há muitos anos, não se falam, nem se podem ver um ou outro.

Não havia na freguesia memória de tão feroz e perpétuo ódio entre irmãos.

Envelheceram e o primeiro a falecer foi o Ângelo Mexim que herdara o apelido por, após o seu regresso da Califórnia, estar sempre a falar nos mexins que por lá existiam. Ele até tinha trabalhado com um mexim…

Decorria, durante a noite, o velório em casa do Ângelo. Duas dezenas de familiares, amigos e vizinhos prestavam-lhe, entre choros e soluços, a última homenagem. Para espanto de todos, pela noite dentro, entra o Amarelo. Aproximando-se do féretro, retirou do bolso um frasco de perfume e derramou-o sobre o cadáver do irmão.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

TROVÃO NO INVERNO

Terça-feira, 06.12.16

“Trovão no inverno, tempo moderno (bonançoso).”

 

Este era um dos adágios mais interessantes e mais utilizados, antigamente, pela população da Fajã Grande, sobretudo pelos mais velhos. Quando trovoava em pleno inverno logo diziam:

- Trovão no inverno, tempo moderno.

Por um lado, talvez, pretendessem acalmar as crianças geralmente muito sensíveis a fortes trovoadas, mas por outro estavam a impor a sua sabedoria secular. É que a trovoado de inverno, regra geral acalma as tempestades, enfraquecendo quer o vento quer a chuva. Assim a trovoada no inverno era indicativo de que se seguiria bom tempo. Aliás a trovoada no inverno era mais rara, embora, na Fajã Grande acontecesse com alguma frequência o suficiente, mas é possível. As estações do ano mais propícias a trovoadas são a chamada primavera-verão, nessa altura seguidas de fortes temporais. Por isso o povo também utilizava um outro adágio: Trovão no verão água na mão. No inverno, geralmente não se viam os relâmpagos, uma vez que o céu está coberto de nuvens, enquanto nas noites de primavera faiscavam no horizonte. O povo classificava-os como o céu a abrir, dado que só via os relâmpagos e não se ouviam os trovões. Estas manifestações atmosféricas dizia-se, eram sinal de mau tempo. Segundo a metereóloga as trovoadas podem-se formar no interior das massas de ar (a partir da elevação do ar por convecção - comum em terra nas tardes de verão - quando o aquecimento da superfície atinge o seu pico - e sobre o mar nas madrugadas de inverno, quando as águas estão relativamente quentes)...

Acrescente-se que o termo moderno, nas Flores quando se refere ao tempo significa bonançoso e quando se refere a pessoas, geralmente tratando-se de crianças, significa sossegado, moderado de maneiras.

Assim o povo da Fajã Grande apenas confirmava com este adágio um ditado popular muito conhecido: A seguir à tempestade vem a bonança, embora utilizado, sobretudo, no sentido figurado: quando uma pessoa passa dificuldade, investe e depois colhe, ou ganha.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

GUSTAVO FRAGA

Segunda-feira, 05.12.16

De acordo com o noticiado pelo Forum Ilha das Flores e pela Câmara Municipal das Lajes, a edilidade do mais ocidental município açoriano homenageou, na pretérita sexta-feira, 02 de Dezembro, o Professor Gustavo de Fraga, através da colocação de uma Placa de homenagem na casa onde nasceu, atribuindo também o seu nome a uma rua da freguesia da Fajãzinha, de onde o homenageado era natural. A cerimónia de homenagem realizou-se junto ao emblemático largo do Rossio daquela freguesa.

Filho de Eduardo Augusto de Fraga e de Maria Valadão de Fraga, o ilustre homenageado nasceu na freguesia da Fajãzinha, ilha das Flores, em 1 de Novembro de 1922, mas foi na freguesia dos Cedros da mesma ilha que passou uma pequena parte da sua infância.

O pai, professor do ensino primário, lecionou em diversas freguesias da ilha das Flores, designadamente nos Cedros e na Fajãzinha. Mais tarde foi transferido para a ilha de São Miguel, lecionando em Vila Franca do Campo.

O avô paterno, José Francisco de Fraga, de origem continental fez os seus estudos no Seminário de Angra, onde não chegou a completar o curso de Teologia. Foi secretário do Governador Geral de Angola e exerceu também as funções de professor de instrução primária na ilha das Flores. Casou com Maria Amélia Nóia Silveira, de origem açoriana e inglesa, natural do Eire, Estados Unidos da América. Conta-se que José terá ficado encantado ao vê-la quando ela passava nas Flores em viagem à vela de Inglaterra para o seu país. Por sua vez o avô materno, Manuel de Freitas Valadão, casado com Maria Avelar Valadão, de origem florentina, foi emigrante nos Estados Unidos da América e como muitos outros emigrantes percorreu a pé o caminho entre o Texas e a Califórnia à procura de trabalho.

Pelo facto dos pais terem fixado residência em Vila Franca do Campo quando tinha cerca de dois anos, Gustavo de Fraga completou instrução primária naquela vila e frequentou o Externato Vilafranquense. Aos 16 anos de idade concluiu o ensino secundário no Liceu Antero de Quental, em Ponta Delgada, matriculando-se, a seguir, na Escola do Magistério, completando o curso em 1942.

Como professor oficial do ensino primário, lecionou no distrito de Ponta Delgada, mas apesar de viver fora das Flores, manteve-se ligado à sua ilha, à qual o pai regressou depois de enviuvar, e onde veio a falecer em 1960.

Sempre na ânsia de enriquecer a sua instrução e cultura, nos anos quarenta, partiu para Lisboa onde, para além de ter sido redator do jornal Diário da Manhã e funcionário da Emissora Nacional, frequentou a Faculdade de Letras, como estudante trabalhador e pnde concluiu o curso de Ciências Histórico-Filosóficas. Mais tarde frequentou a Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, tendo-se licenciado, com distinção, dissertando Sobre o Objeto da Metafísica de Francisco Suarez.

Em 1954 emigrou para a Alemanha, sendo nomeado Leitor de Português na Universidade de Bona até 1957. Aí frequentou cursos e seminários de filosofia, alguns deles orientados pelos professores Johannes Thyssen, Gerhard Funke, Hans Heimsoeth e Ludwig Landgrebe, que fora assistente de Husserl.

No ano letivo de 1957/58, fixou-se em Paris, com bolsa concedida pelo Instituto Português de Alta Cultura. Na Sorbonne, participou em cursos de Ferdinand Alquié e de Jean Wahl, juntamente com quem se iniciou nos estudos hegelianos.

No ano seguinte voltou à Alemanha onde foi bolseiro na Universidade de Friburgo, nela frequentando seminários de Hans Reiner e de Max Muller.

Em 1960, concluiu, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, o Curso de Ciências Pedagógicas, onde exerceu o cargo de assistente de Ciências Filosóficas. Em Julho de 1967 prestou provas de doutoramento em Filosofia, com a dissertação De Husserl a Heidegger e Elementos para uma Problemática da Fenomenologia. Em 1 de Maio de 1970 passou a professor auxiliar e a seguir fez concurso para professor extraordinário de Ciências Históricas, Geográficas e Filosóficas, sendo aprovado com mérito absoluto em 8 de Maio de 1973. A sua nomeação para o lugar verificou-se em 16 de Junho de 1977.

Entretanto, face à recente criação do Instituto Universitário dos Açores, foi nele colocado, a seu pedido, em comissão de serviço, a partir de 7 de Fevereiro de 1976. Aí viria a ser nomeado, por despacho de 20 de Fevereiro de 1979, vice-reitor e vogal da Comissão Instaladora. Exerceu ainda o lugar de diretor do Departamento de Formação de Professores.

Em 28 de Dezembro de 1981 foi empossado no cargo de professor catedrático da Universidade de Coimbra, mantendo-se, em comissão de serviço na Universidade dos Açores. Nela, para além de ter sido diretor do Centro de Estudos Filosóficos, foi eleito, sucessivas vezes, presidente do Conselho Científico.

Na sua longa atividade de docente lecionou diversas disciplinas ou cursos, nomeadamente: Ontologia, Antropologia Filosófica, História da Filosofia, Axiologia, Ética, Teoria da História, Introdução à Filosofia e Teoria do Conhecimento, Problemas do Mundo de Hoje, Problemas da Sociologia da História, As Grandes Revoluções Filosóficas, História do Pensamento, História Cultural e das Mentalidades.

Os seus méritos levaram-no a receber várias menções honrosas e quatro bolsas de estudo: do Instituto Português de Alta Cultura, para investigar em Lovaina e em Paris. Aposentou-se em 27 de Abril de 1990, mantendo a sua residência na cidade de Ponta Delgada.

Para além da atividade docente a que dedicou a maior parte da sua vida, proferiu palestras, participou em muitíssimos colóquios, seminários e conferências. Gustavo de Fraga foi um dos fundadores da revista Filosofia, membro fundador do Centro de Estudos Fenomenológicos, anexo à Universidade de Coimbra, colaborador da VELBC e colaborou em diversas revistas e jornais, sobretudo com trabalhos e artigos da sua especialidade.

Das suas obras publicadas destacam-se: Horas de Ronda, Sobre Heidegger, De Husserl a Heidegger, A Fenomenologia e o Espírito do Hegelianismo, Fidelidade e Alienação, Rogai Por Nós Pecadores e ainda Balada para Joana Margarida, livro de poemas dedicado à sua neta.”.

Gustavo Fraga, agora homenageado na ilha que o viu nascer, faleceu ocorreu na cidade de Ponta Delgada, onde residia com a esposa, em 15 de Novembro de 2003.

 

NB – Dados retirados da Wikipédia, Universidade dos Açores, Câmara Municipal das Lajes das Flores e Forum Ilha das Flores

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05

ENSEADA DE CRISTAL

Domingo, 04.12.16

Açoriana de nascença emigrou muito nova para os Estados Unidos, acompanhando os pais, numa estranha e descodificada aventura, porém, não se esquecendo nunca de que os Açores eram a sua terra e as Flores a sua ilha. Nascida debaixo de rochas, embalada entre os murmúrios das brisas matinais, alimentada com a seiva dos incensos e das faias, saltitando sobre as rochas negras dos baixios, mantém-se, ainda hoje, uma verdadeira açoriana dos sete costados. Com o rosto ao vento, traz no olhar o murmúrio das ribeiras e nas veias corre-lhe o ancestral sangue dos avós. Teima em manter os cabelos soltos, ao vento e a embrenharem-se nos meandros das ribeiras e nos valados dos grotões. Mantém a alegria de viver e segura, nas palmas das mãos, a infinita ternura das manhãs de primavera. Herdou a frescura dos regatos e guardou, em silêncio, o suave vaivém das marés. Dos primórdios do povoamento da ilha houve nome e agarrou-se à vontade de crescer, de se tornar vibrantemente enternecedora, em terra alheia. Fez seu lema a vontade de mudar o mundo. Mas a sua maior herança foi a estonteante viagem que fez, atravessando mares e oceanos, balouçando-se sobre as ondas, embalando-se nos alucinantes gritos dos vulcões. Brincou com as conchinhas da praia, procurou grilos em luras, saltou à corda, rolou o arco e sujou o rosto com terra ressequida. Correu por canadas e veredas, a pé descalço, subiu montes e outeiros e espreitou, de madrugada, o nascer do Sol. Brincou com bonecas de trapo e cabeça de loiça, construiu cadeirinhas de junco, porquinhos de batata-doce e sentou-se à janela a observar o voo titubeante das gaivotas. Ao sol e à chuva foi levar os bois ao pasto, alimentar o porco no curral e juntar, na cerca, os ovos das galinhas. À tardinha, misturava o seu canto com o dos tentilhões a respigarem os trigais e sentava-se, ao serão, no escuro da cozinha a ouvir as estórias da avó. No fim dava-lhe as boas noites e adormecia no seu regaço.

Voltava ao mar sempre que queria e banhava-se nas suas águas, transformando-se numa espécie de sereia reluzente. O bafo das marés acariciava-lhe o corpo e os caranguejos lambiam-lhe o suco das feridas. O mar era de lã e a água tinha perfume de alecrim. Deitou-se em praia deserta e, numa manhã de bruma cerrada partiu. Partiu para uma terra longe e distante mas que decidiu nunca ser sua.

Tornou-se mulher, senhora e dona. Recheou-se de poucas palavras e fez do silêncio o baluarte da sua defesa. Mas o que nunca se apagou e jamais se apagará da sua memória é apenas o mar e aquela pequena enseada mítica e de cristal, onde, em criança, misturava o seu corpo, meigo e doce, com a doçura fresca da água.

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

PENUMBRA DE NATAL

Sábado, 03.12.16

 

Este dezembro,

Gélido e cruel,

Avança assustadoramente.

 

O Natal aproxima-se!

 

Quando chegar

Todas as luzes se hão-se acender

E todas as estrelas brilharão com fulgor…

 

Mas haverá uma penumbra,

Uma espécie de sombra ténue,

Malfazeja,

A impedir

Que a humanidade

Tenha as prendas mais desejadas:

 - A paz, o amor e a felicidade. 

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

A CRUZ DO OUTEIRO

Sexta-feira, 02.12.16

Uma das mais emblemáticas construções edificadas na Fajã Grande foi, inequivocamente a Cruz. Construída bem lá no alto do Outeiro, precisamente no local em que este mais se prolonga sobre o povoado, como que a separar a Assomada da Fontinha, a Cruz impunha-se e debruçava-se sobre as casas campos, num abraço gigantesco, a abençoar, pessoas, animais, lares, terras, maroiços, ruas, vielas e até o mar. Branca, ingente, altiva e gigantesca a Cruz como que se assemelhava ao Cristo Redentor do Corcovado, apresentando-se como verdadeiro símbolo do cristianismo e da fé do povo da mais ocidental freguesia açoriana, apresentando-se de forma semelhante à da gigantesca estátua brasileira, como um ícone da Fajã Grande e até das Flores, postando-se ainda como marco abençoado de dezenas e dezenas de embarcações que, emergindo no horizonte, aproavam à ilha, na demanda das rotas marítimas entre a América, a Europa e a África.

Não se sabe ao certo quando surgiu a ideia de construir uma grande cruz no alto do Outeiro, nem sequer altura em que foi construída, uma vez que o monumento não revela a data de construção. Sabe-se, no entanto que ela é um verdadeiro símbolo da fé e da crença dos nossos antepassados que assim desejavam ver a sua terra permanentemente abençoada pelos braços da cruz redentora.

Durante muitos anos e até à década de cinquenta do século passado realizava-se, anualmente junto à Cruz, uma festa com missa campal precedida de romaria que tinha lugar no dia 14 de setembro, dia em que a Igreja Católica, liturgicamente, celebra e comemora a Exaltação da Santa Cruz ou seja o madeiro em que Cristo foi crucificado. Era também junto a esta Cruz que nas terças e sextas-feiras quaresmais, um grupo de homens, quer chovesse quer ventasse, ajoelhava entoando cânticos e orações diversas e prolongadas. As suas vozes, ecoando nas encostas dos montes, ressoavam e repercutiam-se sobre os velhos telhados dos casebres. Simultaneamente, em todos os lares, famílias inteiras ajoelhavam também e, em convicta e comunitária oração, uniam-se às preces dos cantores, suplicando perdão para os delituosos e pecadores e beneficência para os infelizes e sofredores.

O Outeiro e mais concretamente o lugar da Cruz era também um enigmático local para passeios, uma vez que sobranceiro à freguesia, a que se tinha acesso por uma ingreme e sinuosa vereda, de lá se desfrutava duma vista fantástica e deslumbrantemente bela. Ao perto, os telhados e frontispícios do casario, mais ao longe os campos verdes e amarelados de couves e milho e, além, separado pela mancha negra do baixio, o oceano azulado e infinito, contrastando com a tímida pequenez da ilha. Era, inclusivamente um lugar de visitas turísticas, dada a sua rara e invulgar beleza. Ao iniciar-se a subida, o espetáculo excedia-se em pulcritude, em cores, em luzes e em sons. Mas era sobretudo no dia da festa, durante a romaria, em que o povo subia em fila empunhando as velas, entoando cânticos, ao mesmo tempo que as luzes se iam alongando na subida, formando um cordão luminoso e colorido, uma espécie de colar que se ia prolongando pela encosta até se enroscar ao redor da cruz. Visto de longe, o espetáculo era magnífico.

Emblemática e mítica era ainda a Cruz do Outeiro, por quanto na imaginação da pequenada, era lá que na passagem do ano, à meia-noite, o Ano Velho e o Ano Novo travavam uma árdua luta, com o objetivo de decidirem entre si quem ficaria a mandar no próximo ano: se o Ano Velho se o Ano Novo. Nessa noite mágica todas as crianças da freguesia adormeciam nas suas camas ou berços de palha e casca de milho, uns agarrados aos outros, muito bem cobertos e caladinhos, com os olhitos muito arregalados por fora dos cobertores, com os ouvidos à escuta, a tentar descortinar algum ruído ou barulho indicador da luta e a desejar que fosse o Ano Novo a vencer. Mas só no dia seguinte de manhã, ao indagar junto dos adultos quem teria sido o vencedor, ficavam a saber que tinha sido o Ano Novo a vencer a contenda

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

AS ARSAS DAS CORDAS

Quinta-feira, 01.12.16

Na Fajã Grande acarretavam-se dos campos para casa todos os tipos de produtos. Por um lado carregavam-se os produtos destinados à alimentação dos bovinos, como incensos, erva, rama de batata-doce, erva-santa, rama seca, couves e muitos outros e ainda os que lhes haviam de servir de cama, como fetos, cana roca, bracéu, junco, etc. Era também necessário acarretar muitos outros produtos necessários ao governo de casa, com destaque para a lenha. A maioria destes produtos quase sempre eram transportados às costas em molhos, pelo que tinham que ser bem amarrados, para o que geralmente eram utilizadas cordas de tamanhos, feitios e qualidade diferentes. Mas o que todas as cordas tinham em comum eram as arsas, ou seja, pequenos objetos, geralmente de madeira que permitiam ligar com firmeza e segurança uma ponta da corda à outra, permitindo assim segurar muito bem amarrado o que se pretendia acarretar. As arsas serviam pois para substituir os nós, uma vez que estes, para além de exigiram uma operação bem mais demorada, obrigavam a um uso de cordas maiores e não permitiam um aperto ou arrocho tão firme e seguro como o das arsas.

As arsas, regra geral, eram feitas de maneira e muito simples de fabricar. Obtinha-se um pequeno retângulo de madeira da mais rija e resistente possível. Davam-se, com um trade, dois furos, simétricos, um em cada metade do pequeno retângulo e estava a arsa feita. Depois alisavam-se os bordos dos furos com um canivete, a fim de que, ao ser enfiado, a corda deslizasse mais facilmente. Num dos furos enfiava-se uma das extremidades da corda e entrançava-se a ponta de maneira a que a arsa, deste lado, ficasse sempre presa à corda. Estava a operação consumada.

As cordas eram enroladas, levadas ao ombro ou enfiadas num bordão. Ao recolher o produto que se pretendia acarretar, estendia-se a corda no chão, sobre a qual se iam colocando os produtos. No fim enfiava-se a ponta livre da corda no outro buraco da arsa e puxava-se até apertar ao máximo o molho. A ponta solta por sua vez era presa de forma segura na própria corda, de maneira a não se soltar.

Curiosamente também se faziam arsas de osso de baleia e, por vezes, até era a própria corda que, devidamente dobrada numa das pontas, formava a arsa,

As cordas e as respetivas arsas tinham uma importância tão grande na vida quotidiana dos fajãgrandenses que até se havia criado um ditado muito peculiar. Quando alguém tinha que resolver um problema de difícil solução ou quando se defrontava com uma situação da qual se sentia impotente ou incapaz de resolver, dizia-se: Estamos no mato sem cordas, o que, obviamente, queria significar: Estamos perdidos ou desgraçados.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

NOVEMBRO (DIÁRIO DE TI ANTONHO)

Quarta-feira, 30.11.16

Para mim este mês de novembro é um dos mais tristes do ano. Nunca me agradou lá grande coisa. Para além de ser um mês em que os campos estão quase desertos e muito pouco produzem é um mês escuro, desolado e muito triste. Não há flores nem frutos, a não ser as castanhas, e as folhas das árvores tornam-se amareladas e caem. Novembro é também o mês durante o qual na igreja da nossa freguesia se celebram as novenas das almas, durante as quais se reza e se recordam todos os mortos desta freguesia desde do cimo da Assomada até ao fim da Via d’Água. Todos os dias o nosso pároco invoca os defuntos de todas as casas, uma por uma…

O mês de novembro é pois um mês de luto e de tristeza. Quando eu era criança até me assustava ao ver, à noite, na nossa igreja muito escura, aquele cadafalso coberto com um pano negro, debruado a amarelo. O pároco durante as cerimónias também se vestia com paramentos pretos, assim como o povo vestia roupas escuras, sobretudo os mais velhos. Tudo na igreja estava envolto num ambiente fúnebre e sinistro, que causava susto às crianças e contribuía para a tristeza que se estampava nos rostos dos adultos. Além disso todos os dias, à noite, a fim de chamar o povo para as novenas e orações, os sinos da igreja dobravam a finados, como se tivesse morrido alguém. Diziam os nossos avós que era o enterro do velho Laranjinho.

Durante as novenas, umas vezes em português outras lá nos arrevesados latins, o pároco só falava do inferno e das penas que lá havíamos de sofrer se morrêssemos em pecado. Que susto e que tormento!

- “Libera animus omnium fidelium defunctorum de poenis inferni. – Proclamava nos latins. E acrescentava - Requiescant in pacem! Ao que o respondia o povo:

- Amen!

Outras vezes terminando o sermão, o pároco dizia em português:

- Livrai as nossas almas das fauces do leão, não as engula o abismo e não caiam nas profundezas tenebrosas do inferno”.

Na Fajã Grande sempre houve uma devoção muito grande às almas do Purgatório. Para além de se recordarem com sufrágios e orações especiais durante este mês que lhes era dedicado, todas as casas, no dia da matança do porco, guardavam a língua e traziam-na para a igreja, a fim de ser arrematada. Com o dinheiro de todas as línguas o mordomo das almas mandava celebrar missas por todos os defuntos da freguesia. No dia um era feita uma derrama pela freguesia, na qual se juntavam sacos e sacos de milho, cujo dinheiro da venda tinha o mesmo fim.

Por tudo isto é que este mês de novembro era um mês especial dedicado particularmente aos fiéis defuntos. Mas muito, muito triste!

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

A BATALHA DE OURIQUE

Terça-feira, 29.11.16

Pedro deambulava, solitário, a custo e timidamente, por um caminho ermo, ladeado por árvores gigantescas e sombrias. Aqui e além, alguns transeuntes, mudos, de olhar esbugalhado e ansioso, embrulhados em farrapos acinzentados, amparando-se a grossos bordões, caminhavam vagarosamente. À medida que prosseguia, o caminho ia-se tornando mais apertado e esconso. Finalmente uma cancela, na qual Pedro se pendurou, espreitando para o interior. À sua frente uma enorme campina, despovoada sob um céu pardacento e acinzentado. Lá ao longe bardos de hortênsias floridas, azuis, rosadas e brancas, como que a protegê-la de invasores e separá-la de outras pequenas propriedades. No centro um gigantesco pináculo de basalto negro simulando uma gigantesca catedral. Ao redor uma infinidade de pequenos calhaus, dispostos quase simetricamente ao redor do pináculo faziam lembrar pequenas casas, simulando uma pequena cidade medieval. As próprias ruas e vilelas estavam perfeitamente desenhadas, pese embora se mostrassem muito estreitas, enviesadas e, obviamente, desertas. Um enorme silêncio pairava no ar.

Pedro entrou e subindo o pináculo sentou-se lá bem no alto, como se tivesse subido às torres sineiras da fictícia catedral. Nesse preciso momento, rompendo o silêncio das vielas, entrou uma barulhenta mesnada de besteiros que, exausta, terminara uma enorme e sangrenta batalha. Comandava a mesnada um valoroso cavaleiro que lutava ao lado de um príncipe, combatendo os infiéis sarracenos que teimavam em não o deixavam que o príncipe conseguisse alargar as fronteiras do seu pequeno reino, na tentativa de obter definitivamente a sua independência.

As hostes regressavam apressadamente à cidade. Vinham desfalcadas e a arfar de cansaço mas felizes. O príncipe, os fronteiros, os ricos-homens e senhores de pendão e caldeira, chefes de mesnadas, os cavaleiros, peões e peonagem chegavam exaustos mas plenos de regozijo e satisfação. Esmar, rei de Santarém, juntamente com outros quatro reis haviam sido derrotados, no dia 25 de Julho, dia do glorioso mártir São Tiago, sem apelo nem agravo, em Ourique, numa memorável batalha em que o inimigo incluía no seu ciclópico exército forças conjuntas das praças mouras de Sevilha, Badajoz, Évora e Beja, para além das de Santarém.

A viagem, de regresso à deserta cidade, foi longa e o destino dos guerreiros diferente. O príncipe havia como que sido obrigado a suspender a peleja e a curvar-se perante o monarca tirano, assinando, com ele, um tratado de paz, desistindo, assim, das pretensões de se tornar rei independente, prestando vassalagem ao inimigo.

De repente soaram três ribombares de canhões, seguidos de outros três. Pedro revolveu-se na cama e acordou estrebuchado. Era a mãe que o chamava para ir levar as vacas ao Outeiro Grande. Só depois havia de seguir para a escola. Talvez a senhora professora o chamasse para prestar contas do que, na lição de História, explicara na véspera – A Batalha de Ourique.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

A SOMBRA DAS ORQUÍDEAS

Segunda-feira, 28.11.16

Uniu-os um ocasional e imprevisível destino. Ele viera passar férias a Lisboa, a casa duma irmã que tinha residência na Travessa de Ceuta. Ela morava ali perto, na Rua do Arco do Cego.

Foi uma manhã inolvidável, na piscina dos Amigos de Vénus. O pai dela, Agapito Reboredo, era sócio do grémio e um dos membros mais destacados da direção. Ela tinha entrada gratuita e, lá dentro, gozava privilégios e regalias das quais, por nada deste mundo abdicava. No epicentro das suas opções estavam os banhos na piscina e os bailes em dias de festa. Ele, ilhéu nativo, sedento de mar e de praia, também desejoso de banhos que a enormíssima e industrializada Lisboa lhe negava, optou pela piscina mais próxima, a dos Amigos de Vénus. Uma amiga dela que o conhecia e sabia-o açoriano informou-a. A sua estirpe, também açórica, foi motivo de aproximação. Coincidência das coincidências! A ilha era a mesma e ele até conhecia, embora vagamente, alguns familiares dela. A amizade solidificou-se. Além disso, ela soube-o deslocado, sozinho, desocupado, quase perdido na enorme urbe ulissiponense. Necessitava de alguém que o acompanhasse, que lhe ajudasse a tornar mais atrativos e aliciantes os dias que havia de passar na capital. Ela estava ali para isso. Contasse com ela.

Nadaram e mergulharam ao lado um do outro, dependuram-se no mural da piscina, com displicência e à vontade, em amena cavaqueira. Tudo nele a empolgava e ele sentia por ela uma desusada e estranha atração.

Chamava-se Marilda e era de uma beleza rara e invulgar. Olhos ligeiramente rasgados, negros, espetados num rosto acetinado, branco e macio, banhado por convulsões atraentes e dulcificantes. A boca um mito de sublimidade a abrir-se com deslumbrante suavidade, a aspersar um sorriso doce, macio e atraente. O corpo esbelto, elegante, altivo, fascinante e sedutor.

No dia seguinte voltaram às instalações do grémio. Desta feita, juntos. Por condescendência do pai ele nem precisava pagar a entrada. Era o que faltava! Voltaram à água, aos mergulhos, à conversa no mural da piscina, onde os seus corpos seminus e gelados, emocionalmente, se tocaram. Ele sentiu um enorme arrepio. Pela primeira vez sentia o aveludado, sedoso e sublime de um corpo de mulher. Nova investida por parte dela que, assim dava mostras de que o queria, de que tinha uma enorme vontade de amarfanhar para si, de o envolver, de o amar. Ele excitou-se ainda mais quando ela, talvez por acaso, talvez propositadamente, lhe encostou a coxa direita aos genitais. Foi como se um enorme abalo removesse avassaladoramente as águas calmas e sossegadas da piscina. Um frémito melífluo, alienígena e arrebatador assolou-o perturbadoramente.

No regresso convidou-o para entrar em sua casa. Que não tivesse pejo! Os pais não estavam mas havia, sempre, por ali irmãos mais novos a entrar e a sair. Aliás, sabia que os pais, à tardinha, ao regressarem do trabalho, teriam muito gosto em conhecê-lo. Tinham manifestado esse desejo, na véspera, quando lhes falara dele.

Anuiu. Foi uma tarde de encanto e de sonho! Mostrou-lhe os recantos da casa que, a partir de agora, havia de considerar como sua. Levou-o para o seu quarto e permitiu que se deitasse na sua cama. Passearam pelo jardim contíguo às traseiras do velho casarão, em desusado contubérnio. Tudo os unia, tudo os fascinava. Tudo nele a atraía, tudo nela ele desejava. Chegaram os pais, Foi tão deslumbrante o fascínio que o convidaram para jantar. Logo no primeiro dia! Chegou a casa, tardíssimo, com as inerentes preocupações de quem o aguardava, cuidando que se havia perdido nos meandros da gigantesca e labiríntica capital.

Voltaram à piscina no dia seguinte e em todos os outros dias. Cada vez mais unidos, mais deslumbrados e, aparentemente, mais apaixonados. Foram uns dias singulares, aqueles. Num agosto seco e nebuloso mas atrativo e sorridente. As manhãs na piscina com as águas muito quietas e, por vezes, aloiradas por uma nesga de sol que lhe entrava de sudoeste, a agitarem-se, apenas mas permanentemente, com as envolvências descomunais e transviadas que exalavam dos seus corpos, com os murmúrios silenciosos mas muito vivos e persistentes dos seus desejos recíprocos. Ao lado, a lufa-lufa da cidade, com as pessoas a zumbirem, os carros a agastarem-se e o sol a correr, como um louco, que deseja afogar-se no Tejo. Ao longe, as cadeiras do poder a estuporarem os assentos a partirem os varões laterais, enraivecidas com o azul deslumbrante e bonançoso de cada madrugada. Desesperavam os mafarricos da ordem inócua, os pregadores da inocência camuflada, os predadores das aventuras de inocentes paixões. Senhores da inveja redutora! Donos do ódio rastejante! Como serpentes esperavam, à socapa, a inocência despretensiosa da presa sobre a qual haviam de cravar as suas garras e lançar o seu veneno malévolo, horripilante, desolador e mortífero.

Era domingo. Ele ia subir ao pódio a fim de desenfrear a acutilância da sua indomável singularidade. Consagrar-se-ia com arquétipo da excelência. Temia e tremia. Foi ela quem o ajudou. O sucesso bateu-lhe à porta, transpôs os umbrais da superioridade, rondou a esfera da excelência e consagrou-se exageradamente, com a agravante de acicatar ainda mais a inveja reinante e rondante.

Ele agradeceu-lhe. Sem ela não subiria aquele píncaro. Para além de bonita, bela, sublime ela era douta, sensata, competente. Uma senhora!

Foi numa tarde em que regressaram mais cedo da piscina. O sol ainda não se esquivara mas o dia anunciava um morrer morno, tristonho e embaciado. Estavam sós. Ela deu-lhe a mão e conduziu ao jardim que ficava nas traseiras da mansão. Sentaram-se muito juntos numa campânula ornada com a sombra de orquídeas gigantes. Corria uma aragem, serena, fresca e deslumbrante. Ela agarrou-se muito a ele e aos poucos foi deslizando, até sentar-se no seu colo. Os corpos colados, arquejantes, silenciosos. Sem que lhe desse tempo, sobre ele despejava algo de inédito e insólito! Cobria-o com uma dádiva, generosa e doce. Uma entrega total! Um silêncio sublime! A redoma de cristal perfumada a alecrim, onde desde há muito o haviam enjaulado, partia-se, repentinamente. O chão revolvia-se em convulsões persistentes e enigmáticas. As árvores, ao redor, balouçavam com frémitos indizíveis e a luxúria de um ou outro pássaro mais arrogante cerceava o perfume dos muros adormecidas e cobertos de limos verdes. Era a hora do silêncio eterno, etéreo e etérico.  

Ela, por fim, desfazendo aquele sopro de silêncio indomável, olhou-o enternecida e risonha. Amavam-se. Amavam-se desastradamente. Encandeando os olhos um no outro, regressaram ao silêncio. Uma, duas, muitas vezes. Até ao resto da tarde, até que o sol, já frouxo e amolecido, fenecesse por completo.

Regressou a casa, louco. Uma abóboda escura, indecisa, tremenda, amortalhada de orquídeas em flor, cobria-o. O rosto afogueara-se de uma áurea, indisfarçável e denunciadora. Marilda, agora com os seus lábios sedosos, ávidos de entrega e senhores de tão doce sublimidade, não lhe saía do pensamento. Cegava-o por completo. Desejava ardentemente chegar ao dia seguinte. Não havia de esperar pelo recanto das orquídeas. A partir de agora era a piscina, o quintal, o quarto dela, o jardim da cidade que ficava mais próximo, para onde programavam passeios em fim de tarde. Agora que lhe tocara o corpo, que lhe saboreara os lábios, que se envolvera com o seu perfume, que lhe sentira o arfar dos seios e até lhe afagara o cetim dos fémures, ela parecia-lhe cada vez mais próxima e, sobretudo, mais bela, mais atraente, mais pura, mais digna, mais sedutora. O rosto macio e acetinado esbanjava doçura. O corpo, belo e sedoso ombreava uma pureza divinal. Era verdadeiramente bela. E ousava supor que para ela, ele próprio também não lhe era indiferente, embora nunca o confessasse, antes o ocultasse com desvarios audazes e falaciosos.

Os pais não desconfiavam, ou se desconfiavam não se importavam rigorosamente nada. Num passeio a Sintra, simulou indisposição. Impunha-se regressar a casa, imediatamente. Ele havia de a acompanhar… Nem um nem outro dos progenitores se opôs e regressaram, os dois, sozinhos, como se fossem um do outro. Numa noite de sonho!

Começaram os passeios mais frequentes ao jardim da cidade que ficava perto da Arco do Cego. Era um lindo jardim com uma descomunal riqueza botânica, onde passavam as tardes, num doce enlevo, aureolado pela frescura das sombras dos arvoredos, pelo emaranhado dos seus ramos, o verde das suas folhas, o silêncio dos seus troncos ou encafuados nos labirintos das suas raízes gigantes. Por vezes regressavam ao silêncio, numa troca recíproca de beijos e carinhos. A paixão recíproca, una e indivisível avançava avassaladoramente. Ambos sabiam, mas nenhum o confessava. Sem nunca falarem, sabiam ambos que se amavam.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05

AMANHÃ É DOMINGO

Domingo, 27.11.16

 

Amanha é Domingo

Toca o sino

O sino é de ouro

Mata-se o touro

O touro é bravo

Ataca o fidalgo

O fidalgo é valente

Defende a gente

A gente é fraquinha

Mata a galinha

Para a nossa barriguinha.

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05

A SEGUNDA CASA DO CIMO DA ASSOMADA, DO LADO DO OUTEIRO

Sábado, 26.11.16

Na segunda casa da Rua da Assomada, do braço esquerdo do ípsilon que, lá bem no cimo, junto ao Vale da Vaca, a rua formava, ramificando-se em duas vielas, no caminho que dava para as terras de cultivo, de mato, para as relvas, para o Covão e Outeiro Grande, para a Quada, para os Lavadouros e terminava no Curralinho, já muito próxima da Ladeira do Covão e como que abrigada pela encosta da Pedra d’Água pertencia à Marquinhas José Fragueiro. A casa situava-se na curva ao lado do Palheiro do Tomé e como que estava enfiada numa espécie de buraco muito abaixo do nível do caminho. A dona era uma senhora muito bondosa mas doente e que vivia pobremente e sozinha. Para além de não ter terras, nem dinheiro, tinha uma doença incurável, o que se agravava por não ter recursos com que se tratasse: uma das pernas estava, tão inchada, tão inchada que quase ultrapassava em grossura o diâmetro da sua própria cintura. A sua casa era muito pobre, não tinha dinheiro para o petróleo, nem para os fósforos, nem para a farinha, nem para o café, nem para nada, por isso alumiava-se com a luz do lume e alimentava-se com o que cultivava numa pequena courela e do que as pessoas lhe ofereciam. Como eu passava muitas vezes por ali quando ia levar as vacas ao Outeiro Grande, via-a frequentemente ou sentada sozinha nos degraus da casa ou a juntar garranchos no caminho, derrubados pelo vento ou deixados cair pelos molhos dos transeuntes e com os quais iria acender o lume. Por vezes parava um pouquinho, pois ela conversava muito comigo e olhava-me com tanta doçura e carinho que parecia uma mãe. A casa era muito velha e rústica, feita de pedra e situada numa espécie de buraco ou fundão, de tal modo desnivelado do caminho que apenas o telhado ficava paralelo a este. A casa, frente à qual existia um pequeno mas bem cuidado jardim, comunicava e dava acesso ao caminho através de uma íngreme e tosca escada de pedra, que terminava, na parte superior, num pequeno portal, sem portão ou cancela. A casa era pequenina e o seu interior, pobre e escuro, limitava-se a uma cozinha com piso térreo e a uma outra divisão assoalhada que servia, simultaneamente, de sala e quarto de dormir. Vivia pois, a senhora Mariquinhas José em péssimas, limitadas e lastimáveis condições a que se aliava uma enorme pobreza e um exagerado desconforto. Vivia sozinha e não tinha parentes na Fajã que se conhecessem. Constava, apenas, que tinha uns primos no Mosteiro, os quais, no entanto, nunca a procuravam.

Mas… pior do que tudo isto, a Marquinhas José era muito doente. Para além de outras maleitas menores, tinha uma doença terrível na perna esquerda. Esta estava de tal modo inchada que bem se podia igualar, em espessura, à cintura da sua dona, dificultando-lhe, de sobremaneira, o andar, já de si lento e vagaroso. No entanto e apesar de todas estas limitações e contrariedades, fazia, ela própria, toda a sua vida quotidiana: cozinhava os parcos alimentos de que dispunha, acarretava baldes de água a uma fonte bem distante, arrumava e lavava a casa e a roupa e até transportava, à cabeça e sob uma rodilha, pequenos molhos de garranchos de lenha, que ia apanhar a uma belga que tinha para os lados da Cabaceira. Também era ela que trabalhava uma escassa courela que possuía atrás da casa e que lhe ia dando meia dúzia de maçarocas de milho, uns pés de couve e algumas batatas. Algumas pessoas da freguesia ajudavam-na, dando-lhe, de vez em quando, um pouco daquilo que também possuíam e cultivavam nos seus campos.

Mas apesar de pobre, desventurada, sofredora e estigmatizada pela solidão a Marquinhas José do Cimo da Assomada, parecia ser uma pessoa feliz e conformada com o seu infortúnio, pois tinha sempre um agradável sorriso no seu rosto, uma contagiante ternura no seu olhar e uma sincera afabilidade nas suas palavras.

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

SACUNTALA DE MIRANDA

Sexta-feira, 25.11.16

Sacuntala de Miranda nasceu em Ponta Delgada, em 1934, sendo filha de Lúcio de Miranda, goês, professor de matemática do liceu de Ponta Delgada e de uma senhora micaelense. Ainda criança Sacuntala acompanhou os pais à Índia, onde tencionavam fixar-se, mas acabaram por regressar e fixar-se em São Miguel. Em Ponta Delgada, Sacuntala completou o ensino liceal, após o qual se matriculou na Faculdade de Letras de Lisboa, onde se licenciou em Ciências Históricas Filosóficas. Ainda estudante iniciou uma militância nos meios políticos da oposição ao fascismo e ao colonialismo e trabalhou como redactora na revista Eva. Foi regente de estudos no Colégio Moderno e deu aulas na Sala de Estudo André de Resende. Acabou presa pela PIDE mas participou activamente na agitada campanha de Humberto Delgado, em 1958.

Em 1960 partiu com a família para um longo exílio na Inglaterra, onde foi destacada resistente à ditadura portuguesa, com participação política e cultural junto dos emigrantes. Esteve também na Argélia. Trabalhou nos mais variados empregos e também na Biblioteca da Universidade de Londres. Foi assistente de investigação no Departamento de Sociologia da Universidade de Essex. Licenciou-se em Sociologia em Londres e foi assistente do Departamento de Investigação do Sindicato dos Transportes.

Depois do 25 de Abril, regressou a Portugal e trabalhou na Secretaria de Estado da Emigração, durante os governos provisórios, considerando-se saneada com a queda do 5.º governo, de Vasco Gonçalves. Passou a trabalhar no Centro de Investigação Pedagógica do Instituto Gulbenkian de Ciência e foi consultora da Open University inglesa sobre os sistemas educativos dos países periféricos.

No início da década de oitenta retomou a carreira universitária, como assistente na Universidade Nova de Lisboa e, mais tarde, professora do Departamento de História, onde, sob a orientação do Professor A. H. Oliveira Marques, fez o doutoramento com uma investigação acerca das relações económicas entre Portugal e a Inglaterra (1891-1939), tema que já havia iniciado em Londres sob a orientação do Professor E. J. Hobsbawn.

Tem-se afirmado como escritora memoralista, com uma autobiografia intitulada Memórias de um peão nos combates pela liberdade, onde faz revelações e análises da resistência antifascista em Lisboa e na Inglaterra da maior importância para a compreensão deste conturbado período.

É uma notável historiadora de temas de história económica e de história política e da emigração, sendo a sua historiografia marcada pelas opções ideológicas da esquerda do marxismo. Entre as suas obras destacam-se as duas teses, a de licenciatura, sobre a revolução de Setembro de 1836, pioneira nos estudos da política portuguesa do século XIX, e a de doutoramento, sobre a dependência económica portuguesa entre 1890 e 1939.

Tem ainda contribuído para o estudo da história açoriana, nomeadamente com participação em colóquios na ilha de S. Miguel, de onde se destaca um ensaio referente ao «ciclo da laranja» entre 1780-1880, que é a mais completa visão de conjunto sobre este tema central da economia e sociedade micaelense nos séculos XVIII e XIX e estudos sobre a emigração e movimentos de revoltas populares. J. G. Reis Leite

Obras principais: Portugal. O círculo vicioso da dependência, Quando os sinos tocavam a rebate. Lisboa, A emigração portuguesa e o Atlântico 1870-1930, A Revolução de Setembro de 1836 – geografia eleitoral, O ciclo da laranja e os “gentleman farmers” da ilha de S. Miguel, 1780-1880 e Memórias de um peão nos combates pela liberdade.

Dados retirados do CCA – Cultura Açores

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

A GROTA DOS PAUS BRANCOS

Quinta-feira, 24.11.16

A Grota dos Paus Brancos, como a maioria das grotas e ribeiras da Fajã Grande, situava-se na rocha. Neste caso recebeu o nome não apenas da rocha por onde deslizava e escorria, mas também do lugar onde as suas águas caíam perdendo-se na Ribeira dos Paus Brancos, ainda afluente da Ribeira das Casas e muito distante dela. A grota escoava-se pela rocha dia e noite, com enorme afluência de água, através de inúmeros veios, regatos e grotões, entre o verde dos arvoredos, dos fetos e da cana roca, a serpentear por entre rochedos, caindo, finalmente, em chão raso, onde formava uma espécie de rego que ia alimentando uma ou outra lagoa ali existente, indo finalmente aumentar o curso da ribeira que ladeava a rocha desde os Lavadouros até à rocha das Águas.

A Rocha dos Paus Brancos que dava o nome à grota, situava-se por baixo do alto do Rochão Grande, do Rochão Tamusgo e do Curral das Ovelhas, situados lá bem altos, no Mato. Na década de cinquenta ainda existia uma vereda de acesso ao mato pela Rocha dos Paus Brancos quase paralela à grota, mas muito pouco utilizada como forma de acesso ao Mato. Apenas servia como caminho para quem tinha propriedades naqueles andurriais. Do lado sul, ou seja da banda da Fajãzinha a, Rocha dos Paus Brancos ligava-se a Mateus Pires e à Rocha da Alagoinha. A sul prolongava-se até à Escada-Mar. Como a das suas congéneres, a água da Grota dos Paus Brancos escorria da rocha, era muito abundante e alimentava, exuberantemente, as pastagens e terrenos circundantes, transformando alguns em verdadeiros pântanos, fazendo com que a erva crescesse tanto que as assemelhava às lagoas das Covas, da Ribeira das Casas, da Figueira, das Águas, embora com o senão de ficarem bastante distantes do povoado. Assim como noutras grotas, nomeadamente na do Vime, lá para os lados da Ponta e na da Figueira, a Grota dos Paus Brancos também sulcava a rocha em escarpas por onde descia em pequenos veios de água, uns a enriquecerem o caudal da grota, um ou outro a escorrer, isoladamente, até ao sopé da rocha, perfurando chão, a perdendo-se nas suas entranhas, para mais a baixo, já em terreno plano, reaparecer, engrossando o caudal da grota, esta sim a alagar as pastagens e, sobretudo, a alimentar os inhames que por ali proliferavam, criando ao seu redor uma vegetação exuberante. Para além da quantidade, os inhames de água daquelas paragens, assim como os de outras lagoas da Fajã, nomeadamente os da Ribeira das Casas, eram de excelente qualidade.

A origem do topónimo Paus Brancos parece ser de fácil e simples explicação. Decerto que provinha do facto de naquele lugar e até na Rocha com o mesmo nome existirem inicialmente muitos paus-brancos que aos poucos terão desaparecido devido ao arroteamento e transformação de algumas terras de mato em pastagens e lagoas e, mais tarde, devido à plantação de criptomérias.

O pau-branco é uma árvore endémica açoriana, existente em quase todas as ilhas do arquipélago. Atinge os oito metros de altura, tem folhas lanceoladas a ovaladas, com flores brancas e frutos de tom azulado escuro, semelhantes aos da oliveira, árvore a cuja família pertence, mas curiosamente a oliveira não vegeta nos Açores. A sua madeira é muito apreciada e utilizada sobretudo no fabrico de móveis.

Cuida-se que no início do povoamento das ilhas o pau-branco que se desenvolve juntamento com o incenso e a faia, ambos ainda hoje muito abundantes nas ilhas, existiria em grande quantidade nas Açores. No entanto, com o início da colonização, as zonas mais soalheiras e de melhor terreno foram assoreadas dando origem a terrenos agrícolas para cultivo dos cereais ou a pastagens para a criação de gado, o que provocou um enorme desbaste da mancha florestal primitiva. As espécies menos resistentes, como o pau-branco foram as mais prejudicadas. Atualmente, dado o abandono de muitos campos agrícolas e pastagens, as espécies mais persistentes como a faia e, sobretudo, o incenso são as mais privilegiadas e protegidas pela natureza.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

CAGARROS SALVOS

Quarta-feira, 23.11.16

A campanha SOS Cagarro deste ano, que decorreu, nas ilhas dos Açores, de 15 de Outubro a 15 de Novembro, permitiu salvar, naquelas ilhas, cerca de 6.100 aves, valor só ultrapassado em 2013.

A campanha SOS Cagarro realiza-se desde 1995, visando a conservação destas aves marinhas, assim como a promoção da participação pública em eventos de sensibilização e educação ambiental.

Segundo Filipe Porteiro, foram anilhadas 1.321 aves e estiveram envolvidas 561 brigadas, que englobaram 148 parceiros e cerca de 3.100 pessoas, tendo sido salvos mais de 6.100 cagarros e registaram-se 196 cagarros mortos e 56 feridos. O responsável explicou que os cagarros que são resgatados de atropelamentos e ataques de gatos e cães ou outros perigos, são anilhados e libertados, garantindo-se assim que possam fazer a sua primeira migração para o hemisfério Sul.

O diretor regional dos Assuntos do Mar disse que pela primeira vez foram organizadas brigadas científicas em sete das nove ilhas dos Açores, que visaram a recolha de informação sobre esta ave, em colaboração com a Universidade dos Açores, os Parques Naturais de Ilha, organizações não governamentais e outras entidades.

“Com as brigadas científicas esperamos ter dado mais objetivos para compreender melhor a espécie e as interações com as atividades humanas, como a iluminação pública”, frisou Filipe Porteiro. Tentou-se dar à campanha SOS Cagarro 2016 uma dimensão de ecoturismo, uma vez que “várias entidades, como as casas rurais, podem oferecer este produto aos seus turistas”.

O responsável pela campanha ainda explicou que os cagarros, que são resgatados de atropelamentos e ataques de gatos e cães, ou outros perigos, são anilhados e libertados, garantindo-se, assim, que possam fazer a sua primeira migração para o hemisfério sul.

 

NB – Dados retirados do Forum Ilha das Flores

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

A CABRA E A PRINCESA

Terça-feira, 22.11.16

Conta-se que há muitos, muitos anos, havia um homem que vivia no lugar das Furnas e tinha uma cabra que se apresentava sempre com um olhar muito estranho, que até parecia que se entristecia e se alegrava como se fosse uma pessoa. Além disso a cabra tinha o hábito de se aproximar mansamente das pessoas, especialmente das crianças sobretudo das que haviam sido batizadas há pouco tempo.

- Mas ali havia coisa, - murmurava o povo.

Na verdade tanto se cochichou, tanto se mexericou, tanto se inventou e tanto se falou que, algum tempo depois, correu pelo povoado a notícia de que a cabra teria sido encontrada pelo dono, à beira mar, talvez abandonado por um navio de piratas, durante a noite e que tudo poderia ser obra do diabo. A partir de então todas as pessoas e muito especialmente as mães com filhos pequeninos ao verem a cabra fugiam aterrorizadas com os seus filhos debaixo de um braço e os cestos de batatas, da roupa ou de outra coisa qualquer que carregavam, no outro.

Mas o que ainda mais espantava o povo era o facto de que a demoníaca cabra levantava as mãos e se colocava nas pontas dos pés diante das crianças para as observar como se esperasse algo delas.

Certo dia, já não suportando mais tal assédio por parte da estranha cabra, as mães juntaram-se e em magote correram a queixar-se ao padre que paroquiava a freguesia, contando o que se passava e que tanta consumição lhes dava.

O padre tentou acalmá-las dizendo que aquilo nada tinha a ver com o demónio e que, muito provavelmente, acontecia porque a cabra, simplesmente queria brincar com as crianças ou, no mínimo, no caso das crianças recém-batizadas lamber os óleos sagrados com que as crianças eram ungidas no dia do seu batismo. Chegou mesmo o reverendo a afirmar, em tom de gracejo e escandalizando os seus paroquianos que provavelmente se trataria de uma princesa encantada que com os óleos sagrados quebraria o seu feitiço.

Mas afinal tinha razão o prebendado. Na verdade, certo dia a cabra encontrou uma criança, que saía da igreja ao colo da madrinha e acabadinha de ser batizada. O famigerado animal pôs-se, de imediato, nos bicos dos pés e, sem que alguém o impedisse, lambeu a criança na testa. E o estranho aconteceu pois a cabra, de imediato, se transformou numa bela princesa, mantendo, no entanto, os seus pés iguais aos de uma cabra.

Alguns dias depois, porém, numa noite escura como breu, ouviu-se, para os lados das Furnas o barulho da sirene de um navio que ali terá ancorado. A partir desse dia nunca mais ninguém pôs a vista em cima da princesa, cuidando o povo que teria sido levada naquele estranho navio.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

JERICOPO

Segunda-feira, 21.11.16

 

Copo, copo, jericopo

Jericopo, copo cá.

Quem não disser três vezes:

Copo, copo, jericopo

Jericopo, copo cá,

Por este copo não beberá.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05

O TAPETE

Domingo, 20.11.16

O tapete, geralmente, é considerado apenas como um objeto utilizado para limpar os pés, impedindo assim de sujar a casa. Mas um tapete também, por vezes, é tido como objeto de ornamento, ou até de peça de museu, sendo neste caso considerado de grande valor, dada a sua qualidade ou antiguidade. Mas uma coisa é certa. Todos os tapetes têm uma certa fascinação e alguns até possuem uma rica e interessante história. Até um simples tapete feito de casca de milho, como faziam as nossas avós, tem os seus encantos e o seu valor histórico. Mas para além de tudo isto qualquer tapete ainda pode ter outra utilidade prática para além da limpeza dos pés, dos sapatos ou das botas a que vulgarmente se destina.

Nenhuma casa se pode ufanar de não ter tapetes. Nenhuma casa fica asseada e completa se não se rechear de tapetes. Quando se monta uma casa não se esquecem os tapetes. Esta é alias uma das atividades mais interessante de quem recheia uma casa e que nos pode dar um vislumbre, ainda que ao de leve, do que eram os palácios de Reis e Imperadores recheados de belos e riquíssimos tapetes.

Na verdade há muitos tapetes com história mas também há muitas estórias sobre tapetes.

Ela passava todos os dias em frente à sua porta. Ele amava-a. Um amor proibido, impedido. No entanto desejava muito vê-la, sobretudo quando ela transitava na rua, mas sem que os olhares mexeriqueiros e mesquinhos da vizinhança o notassem. Assim cada dia procurava uma artimanha diferente, um pretexto alternativo para a vaer de perto. Uma ida à fonte, um atravessar da rua a fim de ir buscar algo esquecido no automóvel, aparar o bardo do jardim, juntar as folhas caídas, limpar os pátios, etc. Ela passava, notava, acenava e sorria. Mas depressa se esgotaram os motivos que lhe permitiam que se postasse ali sem que fosse descoberta a sua verdadeira e sublime intenção: – vê-la passar.

E foi quando todos os pretextos que tinha para vir à rua no momento em que ela passava se esgotaram que ele recorreu ao tapete. Retirando-o da casa de banho veio colocá-lo sobre o muro, ao lado do caminho. Pegou numa vassourinha e começou a limpá-lo. Tanto limpou, tanto varreu e tanto raspou que o tapete quase se rompeu mas tão prolongada operação resultou em cheio, uma vez que permitiu que ele a visse passar, a sorrir e a acenar-lhe doce e levemente com a mão direita.

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

LENGA-LENGA

Sábado, 19.11.16

Era uma vez uma vaca

Chamada Vitória

Morreu a vaquinha

Acabou-se a história

E depois?

Depois…

Morreram as vacas

Ficaram os bois

 

Era uma vez

Um rei e um bispo

Acabou-se o conto

Não sei mais do que isto.

 

Era uma vez um cadeirão

Casou com uma cadeirinha

Nasceu um barquinho

Não quis estudar…

Foi para banco de cozinha

 

Era uma vez

Um rei e uma rainha

Acabou-se a história

Que era pequenina.

 

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:02

CASA COM VISTA PARA O RIO

Sexta-feira, 18.11.16

O Doutor Rafael Fernandes, um dos mais conceituados juízes dos tribunais de Lisboa, a pedido seu, foi colocado na comarca de São Romão, Reguengos de Alvaraz. Para além de possuir uma casa que herdara dos avós paternos, a uns bons trinta quilómetros da Vila de São Romão, cuidava o ilustre magistrado que ali, sozinho, numa pequena vila de um interior cada vez mais desertificado, poderia, com maior facilidade, carpir a enorme mágoa que o atingira nos últimos tempos e da qual antevia não mais se libertar.

Na verdade e desde o falecimento da esposa, inesperadamente vítima de um cancro que a atingira fulminantemente, que Rafael Fernandes fenecia como se fosse a mais frágil vergôntea de uma árvore da qual haviam retirado toda a seiva e cortado as raízes mais profundas. Amara muito a Joana, dedicara-lhe um carinho inexaurível e com ela vivera um deslumbrante e deleitoso idílio a que apenas a morte, abruta e irrevogável, pusera termo. Agora permanecia numa pasmaceira inédita, isolado de tudo e de todos, numa inextinguível e diária clausura a que apenas as horas a que era obrigado a passar no tribunal punham termo. O tribunal de São Romão e a casa de São Leonardo decerto nunca lhe haviam de mudar o destino e nunca o curariam da mágoa e da dor que o atormentavam mas talvez lhe dessem uma mais adequada e suportável oportunidade de prantear aos quatro ventos quanto sofrimento e tristeza lhe trespassavam a alma. Ali podia isolar-se, fechar-se, retirar-se, esconder-se do mundo, mais facilmente. Sabia que em Reguengos de Alvaraz ninguém o conhecia e ele próprio cuidava que nunca havia estar com disposição para conhecer quem quer que fosse.

Nos primeiros meses de vida judicial em São Romão, o novo magistrado aboletou-se numa pequena pensão, a única existente na vila. O ambiente, porém, era péssimo e a comida muito má. As horas que passava no velho quarto de que disfrutava pareciam-lhe anos. Os jornais eram raros, as revistas quase não existiam e os programas de televisão, para além dos telejornais, pouco lhe interessavam. Passava as horas que lhe sobravam e os fins-de-semana fechado no quarto, a ler. Mas os livros de que dispunha e que lhe interessavam depressa se haviam esgotado.

Finalmente, num sábado de sol e de bom tempo, farto de estar fechado no quarto, decidiu deslocar-se a São Leonardo, à casa que, por herança, ali possuía. Embora sendo uma residência de veraneio, construída pelos avós maternos, para além de possuir ótimas condições de habitabilidade desfruía de uma belíssima vista para o rio. Era uma magnífica vivenda, em muito bom estado de conservação, de dois andares, com quartos grandes e arejados, com uma enorme sala, a servir simultaneamente de cozinha, com um quarto e garagem no rés-do-chão. Mas o que de mais precioso tinha e que mais cativou o juiz de São Romão foi a admirável vista que dali se desfrutava. Isolada de outras habitações, com janelas e portadas voltadas a sul e com um belo alpendre no piso superior, alva de neve, a casa era uma verdadeira e admirável mansão. Ali, no remanso daquele cenário quase deserto mas de uma beleza rara, poderia dar aso à sua solidão, quiçá sublimando-a um pouco.

Um único problema, no entanto, obstaculizava que Rafael, de imediato, trocasse as acritudes e dissabores do quarto da Dona Pureza, em São Romão, pela casa de São Leonardo. Desabitada deste há muito, a mansão que os avós lhe haviam deixado precisava de uma profunda e eficaz barrela, a que se sentia incapaz de se aventurar. Além disso muitos móveis e cortinados necessitavam de ser substituídos e era necessário adquirir roupas de cama, algumas loiças e um ou outro utensílio de cozinha. Coisa de pouca monta, mas que exigia requinte e bom gosto. Regressou a São Romão a pensar em São Leonardo e de como havia de sair daquele imbróglio.

Alguns dias depois, apareceu-lhe no tribunal um homem que preencheu um documento onde constava ter residência precisamente em São Leonardo. Um pouco receoso, até porque nunca confundia os interesses pessoais com a atividade profissional, o doutor Rafael Fernandes pediu para lhe falar quando ele terminasse de tratar o assunto que ali o trouxera. O homem anuiu de bom grado. Que o senhor doutor dispusesse à vontade. Pretendia o meritíssimo juiz de São Romão saber se o senhor Gonçalves conhecia alguma mulher em São Leonardo que desse dias para fora, isto é, que fizesse limpeza em casas, que ele estava necessitado desse serviço e havia de pagar bem.

Bem sabia José Gonçalves que o senhor doutor juiz possuía uma casa em São Leonardo, no Caminho do Engenho, que havia pertencido aos seus avós, de quem vagamente se lembrava. Quanto a encontrar mulher que fizesse limpeza o senhor doutor não poderia ter batido a melhor porta. A sua esposa já trabalhara muitos anos como empregada doméstica na vila de Macieira e umas horas que fosse, agora que estava desempregada, seriam muito bem-vindas.

Acertou-se que no dia seguinte, após terminar o trabalho, o juiz de São Romão se deslocaria a São Leonardo, a fim de conhecer a dona Irene e de com ela acertar todos os detalhes.

- Não tem que enganar, senhor doutor. – Explicava o Gonçalves. – Ao chegar a São Leonardo, vira na primeira saída à direita, como se fosse para a sua casa. Anda uns metros e depois de passar um pequeno cruzamento, encontra, um pouco mais afastada do caminho, uma casa amarela. É a única casa amarela que existe na rua, por isso não há que enganar. Eu vou avisar a minha mulher a fim de que esteja por casa, por volta das sete horas.

- Combinado, - rematou o doutor Rafael Fernandes, agradecendo a simpatia e disponibilidade do senhor Gonçalves

 

O ford azul estacionou em frente ao portão de José Gonçalves. O juiz saiu e olhou a casa a certificar-se que possuía as características que lhe tinham sido referenciadas pelo proprietário. Um pouco a medo, andou mais uns passos, olhou ao redor e descobrindo, junto à porta da cozinha, um corsa metalizado, seguiu na sua direção, batendo levemente na porta que de imediato se abriu. Emergindo de entre a penumbra da cozinha, surgiu uma jovem de uma beleza rara e invulgar. Um rosto branco, salpicado de ternura, madeixas escurecidas sob a tez acetinada, os olhos de um castanho esverdeado a contagiarem quem os contemplasse e um sorriso, aberto, franco, terno e acolhedor. Rafael estremeceu. Aparentemente embaraçados, fixaram um no outro os olhares transparentes, aureolando-os num sorriso tímido mas recíproco. Permaneceram assim, durante alguns segundos, num balbuciar mudo e eloquente.

Por fim Rafael, tentando refazer-se do acanhamento inicial, adiantou:

- Desculpe menina, mas pelas indicações que tenho cuidei que fosse esta a casa do senhor José Gonçalves e da sua esposa, a dona Irene.

- Sim, sim. É esta – retorquiu a rapariga deixando transparecer uma leve excitação no rosto. – Vou chamar a minha mãe!

Pouco depois, subindo os degraus que davam para as traseiras da casa, surgiu uma mulher, baixa, forte, de meia-idade, cabelos já a esbranquiçarem:

- Boa tarde! Deve ser o senhor doutor, juiz de S. Romão. – Depois desculpando-se – Devia tê-lo esperado na sala. Que vergonha! Receber o senhor doutor à porta da cozinha. Lúcia vai abrir a porta da sala para receber o senhor doutor…

- Que não, que não pensasse em tal coisa. Estavam muito bem ali, que não ia demorar. Apenas o tempo necessário para combinar o que dela necessitava… - Desculpava-se Rafael, enquanto tentava fixar o nome: - Lúcia!

E ficou combinado que a dona Irene começaria as limpezas no dia seguinte. Demorasse o tempo que fosse necessário. Uma casa há tanto tempo abandonada e fechada tem muito que limpar…

Sem que fosse esperado, Rafael voltou a casa dos Gonçalves no dia seguinte. Vinha apenas lamentar-se por se ter esquecido de, na véspera, deixar algum dinheiro à dona Irene, a fim de que ela comprasse vassouras, panos, esfregões e detergentes… Lúcia não estava… Por certo que não contava com ele…

Foi a dona Irene que o recebeu:

- Não se devia ter incomodado. Não era preciso deixar nenhum dinheiro. Nem deveria ter feito uma viagem tão grande… Quando precisar alguma coisa ou necessitar de mandar um recado o senhor doutor pode fazê-lo pela minha filha, Lúcia, que trabalhava em São Romão…

- Trabalha em São Romão?! – Exclamou Rafael despedindo-se.

- Chama-se Lúcia e trabalha em São Romão… Interessante, muito interessante… - Murmurava o meritíssimo juiz no regresso à pensão da dona Pureza.

E no dia seguinte, estranhamente, decidiu voltar a São Leonardo e à casa dos Gonçalves. Lúcia tinha sido informada pela sua progenitora da visita que o juiz lhes fizera na véspera e, por isso, embora assolada por uma enorme dúvida, esperava-o ansiosamente.

 

Não sonhou em vão!... À tardinha, Rafael Fernandes regressou a São Leonardo e, novamente, bateu à porta dos Gonçalves, alegando desejar saber se a barrela iniciada pela dona Irene dois dias antes, já estaria pronta e se a casa do Caminho do Engenho já teria condições de habitabilidade. Estava farto da pensão onde vivia pelo que desejava ardentemente mudar-se para São Leonardo. Foi Lúcia que o recebeu e, disfarçando sem sucesso a sua excitação, ouvia-o silenciosa. No seu íntimo desejava que se fixasse em São Leonardo mais depressa possível. Na véspera incentivara a mãe a despachar-se com as limpezas… Mas foi a dona Irene que se apressou a intervir, esclarecendo:

- Limpinha, limpinha já está, senhor doutor… Mas as roupas de cama…as loiças… alguns móveis… não estão lá em muito boas condições.

- Amanhã é sábado! Era um ótimo dia para comprar, pelo menos o essencial. – Retorqui Rafael. - Mas não sei onde, não conheço nada em Reguengos de Alvaraz, a não ser o tribunal de São Romão, a pensão da Dona Pureza, a minha casa e, claro, a casa da família Gonçalves.

Riram. De seguida dona Irene esclareceu:

- Olhe, senhor doutor, em Macieira a Casa Viriato, mesmo no centro da vila, vende todo o tipo de roupas de cama e toalhas. E à entrada da vila há uma loja de móveis. Quanto às loiças, utensílios de cozinha e eletrodomésticos pode comprar tudo no Supermercado Terra Mar, também em Macieira. Infelizmente eu não o posso acompanhar amanhã. Mas a Lúcia tem muito bom gosto e, claro, conhece, tudo em Macieira, talvez ela não se importe de acompanhar e de ajudar o senhor doutor a comprar tudo o que necessita…

Lúcia enrubesceu o rosto. Rafael olhando-a com ternura, indagou:

- Não se importaria Lúcia de me ajudar nesta tarefa tão difícil? Ficar-lhe-ia muito grato…

Lúcia acenando afirmativamente esboçou um sorriso do tamanho do mundo, ao mesmo tempo que no seu íntimo sentia uma ânsia inexaurível misturada com uma felicidade sublime.

 

À hora combinada Rafael estacionou, mais uma vez, em frente ao portão do Gonçalves. Já o havia feito várias vezes e isso provocou um indelével mexerico na vizinhança.

- Queredo mulher! Nunca se viu tamanha pouca vergonha nesta freguesia! Há mais de oito dias que aquele homem vem a casa do Gonçalves. Não deve de ser coisa boa!...

- Olha e até já leva a tresloucada da rapariga a passear. E olha como ela vai toda apinocada! – Comentavam.

Alheio a mexericos o juiz conduzindo o ford azul olhava de soslaio Lúcia sentada a seu lado e que se havia apresentado exageradamente bela, exalando um perfume suave e doce. A viagem até Macieira, apesar de curta, foi longa e silente. Por vezes entreolhavam-se e sorriam levemente. Outras o silêncio era tal que quase se ouvia o arfar ansioso de seus corações.

Em Macieira escolheu-se a mobília mais adequada. Lúcia, numa tarde, acompanhara a mãe nas limpezas e conhecia muito bem os recantos da casa onde Rafael iria viver… Por isso prontificou-se a ajudar:

- Ali este um sofá que servirá muito bem na sala… Mais além uma poltrona… Esta cama para o quarto dos fundos… Seguiram-se as roupas de cama, alguns utensílios de cozinha e loiças… Tudo muito simples, moderno e funcional. Tudo o que o senhor doutor necessitava para recomeçar a sua vida em São Leonardo.

- Senhor doutor, não. Rafael, por favor. Aliás, se não te importas, Lúcia, podemos começar a tratarmo-nos por tu…

Lúcia enrubesceu novamente e um pouco a medo, mas num gesto de indelével simplicidade, fez um sinal afirmativo com a cabeça e, pela primeira vez, na presença dele, balbuciou:

- Rafael!

No último fim-de-semana de Abrl a casa do Caminho do Engenho estava recheada com tudo o que era minimamente necessário para ser habitada, pelo que no domingo o meritíssimo juiz de São Romão fixou-se definitivamente em São Leonardo. À noitinha recebeu a visita da família Gonçalves. Vinham dar as boas vindas ao senhor doutor trazer umas batatas, umas cebolas, meia dúzia de ovos e, sobretudo, oferecer os seus préstimos…

Ao despedirem-se José Gonçalves, em jeito de graçola, sugeriu:

- Como ambos trabalham em São Romão, podiam fazer uma vaquinha. Numa semana um levava o caro um, na semana seguinte o outro.

- Ótima ideia senhor Gonçalves, ótima ideia – Atalhou o juiz. – Se a Lúcia não se importar amanhã levo eu o meu. Depois veremos…

Lúcia, na verdade, não se importava nada.

- Será um prazer viajar na companhia do senhor doutor… do Rafael, quero dizer… - Emendou a medo.

A senhora Irene, sem que o marido notasse suspirou, disfarçando:

- Para além do mais… ela sempre poupa um dinheirinho…

 

No sábado seguinte, depois do almoço, por vontade explícita dos pais, Lúcia foi a casa de Rafael convidá-lo para vir jantar à sua casa. Não podia recusar.

Lúcia entrou. Recordava ainda a viagem no regresso de São Romão, no dia anterior. Rafael, sem que ela esperasse, estacionara o carro na berma da estrada. Alegara o esquecimento de uns papéis que lhe faziam muita falta. Talvez tivessem que regressar ao tribunal. Lúcia não se importava nada. Disfarçadamente procurou-os, debruçando-se sobre o tablier, do lado contrário ao seu. Na tentativa enganosa de o fazer, aproximou demasiadamente o seu rosto do de Lúcia e, embora a medo, beijaram-se pela primeira vez, pela segunda, pela terceira e por muitas outras.

 

A tarde foi de esclarecimentos, de desabafos, de enlevos, de juras mútuas, de projetos, de troca de afetos e de beijos. Amaram-se por entre nuvens de sublimidade em ritmos de excelência, ternura e encanto.

E quando à noitinha se sentaram à mesa em casa dos Gonçalves, sem que nada tivessem combinado entre si, exclamaram em uníssono:

- Antes de jantar temos uma coisa a comunicar-vos.

- Nada que me surpreenda – comentou dona Irene em voz baixa.

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

AS CASAS DA FAJÃ GRANDE NA DÉCADA DE CINQUENTA

Quinta-feira, 17.11.16

Na década de cinquenta do século passado, as casas da Fajã Grande, sobretudo as das famílias menos remediadas eram muito simples e pobres. Embora já todas fossem cobertas de telha, o que não acontecia no final do século XIX, muitas ainda eram de chão térreo, sobretudo as cozinhas. Limitavam-se a quatro paredes grossas e toscas, a um tamanho muito escasso e com altura apenas suficiente para conter uma porta por onde passasse um homem alto sem se curvar muito. Os tetos eram de telha canelada sobre uma armação de madeira, com a porta traseira da cozinha a ser a principal e a mais utilizada. Apesar de pequenas, a maioria delas albergava mais de uma dezena de pessoas, incluindo o pai, a mãe, mais de meia dúzias de filhos e geralmente uma ou duas avós ou uma tia velhinha e adoentada. As paredes exteriores de muitas delas nem eram caiadas e até o interior de algumas cozinhas também era de pedra. Eram divididas em dois ou três compartimentos por meio dum frontal de madeira, ou, nalguns casos, até por cortinados de pano. A cozinha era a parte maior, mais tosca, mais escura e também a maior da casa. Para além de cozinha servia de sala de jantar, sala para o serão e para as visitas, sala de banho, local de arrumos da lenha e das batatas e até servia para descascar e guardar o milho, sendo este dependurado nos tirantes do teto. O seu tamanho, no entanto reduzia-se bastante porquanto a maioria tinha dentro o forno e o lar. Cada casa, geralmente tinha duas portas sendo a porta de trás a mais utilizada no dia-a-dia e na faina diária. Muito escura, durante a noite, nos longos serões de inverno, a cozinha era tremulamente iluminada por uma candeia com um pavio de pano alimentado a enxúndia de galinha. A maioria não tinha chaminé, saindo o fumo por entre as telhas, sem no entanto muito dele, antes de sair, encher a cozinha, pintando-a de tisna. O compartimento central, chamado sala ou casa de fora, onde se recebiam as visitas importantes e o Senhor Espírito Santo, era também utilizado como dormitório dos filhos, geralmente dos rapazes, amontoados em uma ou duas enxergas, muitas vezes deitados ao travessar a fim de caberem todos. Finalmente o quarto, a divisão mais pequena, com duas camas, uma para o casal outra para as filhas e para a avó velhinha. Era também no quarto que se guardava a roupa domingueira e entre as camas era colocado o berço. Em frente à porta de trás da cozinha, quase todas as casa tinham um pátio, que geralmente servia para albergar os chiqueiros do porco e das galinhas.

O andar de baixo ou loja também estava divido. Uma parte era destinada a guardar o gado, enquanto a outra servia para arrumos e  de nitreira.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

PROBLEMAS

Quarta-feira, 16.11.16

(POEMA DE PEDRO DA SILVEIRA)

 

Dizem que chá de erva-cruz

é bom remédio para as bichas.

 

Mas para quem rima dor

sempre com puro e excelso amor.

 

- Que o Mariano d’Arruda

neste transe lhe acuda

e ponha lá estupor.

 

(Tamanho medo…

- Ai que fedor.

 

O sol para a chuva,

os canários fritos

e o sumo da uva.

 

Quando eu me for daqui

quem se lembrará de mim?

 

Pedro da Silveira, Quatro Dos Poemas de Chá de Margaça. 8 - VIII

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

A LEI DA FORÇA

Terça-feira, 15.11.16

Conta-se que antigamente vivia na Ponta, no lugar do Outeiro um homem que tinha muitos filhos. O homem era pobre e nada tinha de seu, pelo que, para sustentar os filhos tinha que arrendar terras a meias, estabelecendo contratos mediante os quais devia entregar aos donos das terras metade do que nelas produzia. Mas como a família era numerosa o homem gastava tudo o que produzia no sustento da mulher e dos filhos, pelo que deixou de entregar aos proprietários das terras o que lhes cabia por direito.

Como não pagava aos senhorios, estes foram à Vila, queixar-se ao Juiz que, chamando o homem à sua presença, decidiu tirar-lhe todas as terras e entregá-las aos verdadeiros donos.

O homem, descontente e desesperado com a decisão do Juiz, resolveu armar-se e armar os seus filhos com foicinhos, enxadas e varapaus e assim partiram todos para Santa Cruz na demanda do tribunal, fora do qual organizaram tamanha revolta e fizeram tão algazarra que o Juiz, temendo o pior, foi obrigado a alterar a sua decisão, conseguindo o homem de novo a posse das terras e os donos nada podendo fazer, pois o homem ameaçara que também se havia de armar juntamente com os seus filhos, uns valentes rapagões, frente às suas casas.

Mas consta também da estória que algum tempo depois todos os donos das terras, acompanhados de familiares e amigos se apresentaram em frente à casa do homem, armados da mesma maneira e fazendo ainda uma maior algazarra e uma mais grandiosa revolta do que a que ele fizera com os filhos junto ao tribunal. O homem teve medo, meteu a mão na consciência e, daí em diante, com a ajuda dos filhos, passou a cumprir com rigor todos os contratos de arrendamentos de terras que trabalhava mas não lhe pertenciam.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

GENTLMAN

Segunda-feira, 14.11.16

Assumiu-se, por mérito próprio, e impôs-se, por formação e temperamento, desde os tempos em que foi aluno do Seminário, talvez mesmo já enquanto petiz de pé descalço e calção, a trilhar as íngremes e pedregosas canadas e veredas da ilha que o viu nascer, na demanda de uvas e figos. Demarcou-se pela sua sobriedade, ponderação, sensatez, dignidade, tolerância, camaradagem e nobreza de carácter. Para além de colega ao longo de vários anos como alunos, tive a honra de privar e conviver, diariamente, com ele, nas férias de verão, durante alguns anos. Foi sempre um companheiro e amigo, simpático nos seus modos, alegre nas suas brincadeiras, ponderado nas suas conversas, digno nas suas atitudes, sincero na sua amizade e distinto no seu comportamento. Um verdadeiro “gentleman”!

Por tudo isso e mais ainda pela sua capacidade intelectual, pelo seu trabalho, pelos seus dotes musicais e, sobretudo, pelo esforço, dedicação e empenho que sempre colocou em tudo quanto fazia ou no que se comprometia, foi fácil distinguir-se pelo sucesso e assinalar o seu quotidiano pela dignidade e o seu percurso profissional pela excelência. Músico notável, escritor erudito, com livros publicados, foi aluno brilhante, professor exímio, bancário competente e político dedicado. Infelizmente, foi acometido de doença que, apesar de o impedir de prosseguir uma vida tão activa quanto a que tinha anteriormente, não o impediu de continuar a escrever, a ler e, sobretudo, a ser o homem nobre e o amigo dedicado que sempre foi.

Não quis faltar ao Encontro dos antigos alunos do SEA e tornar-se em mais um dos “Senhores” do mesmo, deslocando-se a Angra, graças ao apoio dedicação, empenho e ajuda da esposa. Embora não podendo estar presente e envolver-se em todas as actividades, participou em muitas, revelando sempre uma alegria contagiante, um carinho desmedido e uma enorme e transcendente confiança na vida. O epicentro da sua presença aconteceu quando, através de um amigo, partilhou com os participantes uma mensagem de memórias, um testemunho de vivências, um acervo de referências, um hino de lembranças. Por tudo isto e por quanto de contentamento, alegria e satisfação envolveu a sua presença em Angra constituiu-se como mais um verdadeiro e autêntico “Senhor” do Encontro.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05

O QUADRO VAZIO

Domingo, 13.11.16

Era uma vez um rei amante e colecionador de obras de arte, sobretudo de quadros antigos, valiosos e raros, especialmente dos que retratavam jovens, belas e radiosas princesas.

Certo dia o rei foi a uma feira de antiguidades e encontrou um belo quadro que retratava uma lindíssima princesa. O maravilhoso quadro reproduzia o rosto de uma menina, muito branco e transparente, salpicado de ternura, a aspergir simpatia e a irradiar uma alegria contagiante. A expressão do seu semblante era de tal maneira perfeita e sublime que atraía de forma intensa e profunda quem o contemplava. Parecia que comunicava fluentemente com quem o observava. Um verdadeiro rosto de deusa! Duas madeixas do cabelo castanho-escuro caiam-lhe delicada e elegantemente sob a tez acetinado. Os olhos de um castanho esverdeado contagiavam quem os contemplasse e um sorrir aberto, franco, terno e acolhedor efluía dos lábios finamente desenhados.

Encantado com tão maravilhosa obra de arte, o rei adquiriu de imediato o quadro, trazendo-o para uma grandiosa galeria de arte que existia no palácio real.

Mas qual não foi o espanto de sua majestade quando, passados alguns dias, entrando na galeria e observando o quadro, notou que ele estava simplesmente vazio, isto é, a bela princesa que o quadro representava ali já não estava. Cuidando que o erro poderia ser dos seus olhos, o rei mandou chamar os seus ministros a fim de também eles observarem o quadro e confirmarem se a princesa estava ali ou não e todos foram unânimes em confirmar que o quadro estava realmente vazio, pois não tinha lá, entre as molduras doiradas, princesa alguma.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

SÃO FRANCISCO (DIÁRIO DE T’ANTONHO)

Sábado, 12.11.16

Quando estive na Califórnia vivi algum tempo em São Francisco, trabalhando primeiro no Porto e depois na construção da linha férrea, juntamente com outros desta ilha e até da Fajã Grande, como o António Nunes e o Francisco Cerejo. Na altura São Francisco crescia a olhos vistos. Desde de1821, quando o México se tornou independente e passou a dominar aquela cidade, São Francisco começou a crescer e a desenvolver-se muito. É que o governo mexicano estimulou a criação de gado na Califórnia, atraindo assim não apenas muitos americanos como também muitos colonos, sobretudo os ingleses instalados no Canadá, que precisavam de couro para o fabrico de calçado. Mais tarde muitos ingleses instalaram-se na península de São Francisco, onde atualmente fica a maior parte da cidade. Decidiram então construir um grande porto onde trabalharam dezenas e dezenas de açorianos. Eu fui um deles.

Mas o pior foi quando rebentou a guerra entre o México e a América e que causou a anexação da parte superior da região mexicana da Califórnia. A 9 de Julho de 1846, as forças navais americanas capturaram a cidade e deram-lhe o nome de São Francisco.

Eu estive em São Francisco em 1860. Alguns anos antes tinha sido descoberto ouro na Serra Nevada, próximo do lugar em que, mais tarde, foi construída a cidade Sacramento. Isto provocou uma enorme gold rush para a Califórnia o que causou um grande crescimento populacional do estado e da cidade. Imigrantes de quase todo o mundo passaram a instalar-se em São Francisco, incluindo chiness. O porto da cidade recebeu milhares de embarcações vindas de todas as partes do país e do mundo e São Francisco tornou-se no principal centro de mineiros. Dizem que apenas num ano a população de São Francisco passou de menos de mil para 25 mil habitantes, tornando-se uma das cidades mais populosas dos Estados Unidos.

As pessoas que tiveram sucesso na busca ao ouro fizeram de São Francisco uma cidade rica. Foram construídas casas e palácios riquíssimos e luxuosos e o comércio desenvolveu-se muito. Mas tudo isto teve o seu aspecto mau. Começaram a haver muitos roubos, muitas mortes e muitos crimes de toda a espécie. São Francisco passou assim a ser uma cidade na qual era muito perigoso viver.

Em 1855, um barco trazendo imigrantes de um país onde havia uma epidemia de cólera causou uma grande epidemia da doença em São Francisco. Na altura tudo se complicou porque havia falta de água potável, os esgotos eram muito maus e, além disso, os hospitais eram poucos e não conseguiam albergar todos os doentes, pelo que morreu muita gente.

Só 1869 e que terminou a construção da linha férrea entre São Francisco e o Ist. Assim tornava-se muito mas fácil chegar dos Açores à Califórnia. Isto foi muito bom não só para os que emigravam como também pelos que depois de muitos anos separados da família regressavam à sua ilha, como eu. Muitos até voltaram à Califórnia mais uma vez e outros três como foi o caso do meu compadre, o pai do José Batelameiro.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

PROVÉRBIOS DE SÃO MARTINHO

Sexta-feira, 11.11.16

- A cada bacorinho vem o seu S. Martinho.

- Em dia de S. Martinho atesta e abatoca o teu vinho.

- Pelo São Martinho bebe o vinho, deixa a água para o moinho.

- No dia de S. Martinho, fura o teu pipinho.

- No dia de S. Martinho, come-se castanhas e bebe-se vinho.

- No dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho.

- No dia de S. Martinho, mata o porquinho, abre o pipinho, põe-te mal com o teu vizinho.

- No dia de S. Martinho, mata o teu porco, chega-te ao lume, assa castanhas e prova o teu vinho.

- No dia de S. Martinho, mata o teu porco e bebe o teu vinho.

- No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o teu vinho.

- Pelo S. Martinho castanhas assadas, pão e vinho.

- Pelo S. Martinho mata o teu porquinho e semeia o teu cebolinho.

- Por São Martinho, semeia fava e linho.

- Por São Martinho, nem favas nem vinho.

- Pelo S. Martinho prova o teu vinho; ao cabo de um ano já não te faz dano.

- São Martinho, bispo; São Martinho, papa; S. Martinho rapa.

- Se o Inverno não erra o caminho, tê-lo-ei pelo S. Martinho.

- Se queres pasmar o teu vizinho, lavra, sacha e esterca pelo S. Martinho.

- Verão de S. Martinho são três dias e mais um bocadinho.

- Vindima em Outubro que o S. Martinho to dirá.

- Castanhas boas e vinho fazem as delícias do S. Martinho.

 

Fonte - Internet

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05

AS TAREFAS DOS MESES

Quinta-feira, 10.11.16

 

 “Janeiro gear, fevereiro chover. março encanar, abril espigar, maio engrandecer. junho ceifar, julho debulhar, agosto engavelar. setembro vindimar, outubro revolver, novembro semear, dezembro nasce Deus para nos salvar.”

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Dezembro 2016

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas