Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A CANETA DE MISTER ROBERT

Sábado, 13.02.16

No início da década de 50, vindo da Califórnia, chegou à Fajã Grande um homem já de idade avançada, com a intenção de não mais regressar aos Estados Unidos. Mister Robert, assim se chamava o velhote, fixou-se definitivamente, na Assomada, em casa de uns sobrinhos. Saíra das Flores ainda criança e nunca mais voltara à Fajã, desconhecendo por completo pessoas, usos e costumes. Mas, como era muito curioso e desconfiado, desde de logo manifestou uma enorme apetência para, como se dizia, “meter o nariz em tudo”.

Alguns dias após a sua chegada, ao passar em frente à igreja paroquial, decidiu entrar, com a denodada e exclusiva intenção de ver e conhecer o templo. Ao transpor a porta do guarda-vento, reparou, para espanto seu, que por cima da pia da água benta havia uma minúscula prateleira onde estavam colocados, muito bem arrumadinhos, uma série de pequenos objectos: pentes, ganchos de cabelo, terços, medalhinhas e até um canivete com o ferro enferrujado. Admirado com aquela panóplia e na tentativa de descortinar a razão por que estavam ali, dirigiu-se à Maria Eduarda, que, como habitualmente, permanecia horas a fio no templo, em oração. Ela, colocando, momentaneamente, os interesses de tão ilustre e invulgar visitante acima dos divinos e assumindo a sua qualidade de divulgadora mor dos usos, dos costumes e de tudo o mais que se passava na freguesia, interrompeu de imediato as suas rezas e veio muito prazenteira explicar, que aquilo eram objetos perdidos por alguém e que as pessoas ao encontrá-los, ali os colocavam para que o verdadeiro dono, ao entrar na igreja e ao meter a mão na pia da água benta, visse o objecto que perdera e assim o recuperasse.

Mister Robert achou aquilo “very interesting”. Era na realidade uma magnífica estratégia, nunca imaginada pelos americanos, para, com a colaboração de Deus, “devolver a César o que é de César”. Nem na Califórnia e possivelmente em nenhum outro estado americano se havia algum dia projetado ou posto em prática tão simples e inovadora forma de restituir a cada um o que, por direito próprio, lhe pertencia.

Encantado com aquela originalidade que engrandecia a admiração que começava a ter pela simplicidade e honestidade das gentes das ilhas, vai disto e, para testar o sistema, tira do bolso interior do seu casaco uma bela caneta de tinta permanente, novinha em folha, colocando-a na dita prateleira, no meio dos outros objetos.

Saiu do templo e continuou o seu périplo até ao Porto. Ao regressar a casa, algum tempo depois, voltou a entrar na igreja, e dirigiu-se para junto da pia, não para meter a mão na água lustral mas para reaver o que era seu.

Qual não foi o seu espanto ao verificar que lá ainda estavam arrumadinhos todos os outros objetos, mas a sua caneta tinha desaparecido.

Admiradíssimo e furibundo foi ter com a Maria Eduarda, recriminando-a por o ter enganado. Os objetos ali colocados não eram retirados pelos seus proprietários. Afinal ele, o dono ficara sem o que era seu, sem a sua caneta, nova e caríssima, que estimava tanto e que usava apenas para assinar os cheques.

A Maria Eduarda, apesar de beata, não era parva e explicou-lhe que afinal não era bem assim o que lhe tinha dito e esclareceu:

- Lá nunca colocamos o que é nosso, mas sim os objetos que encontramos, que os donos perderam e que não nos pertencem, pois, segundo a lei de Deus, “não devemos reter ou danificar os bens do próximo”. Colocar lá o que nos pertence é desafiar a justiça divina. Devemos lá colocar somente os objectos alheios, que pertencem aos outros… Ora Mister Robert colocou lá o que era seu… possivelmente Deus o terá castigado. – E concluiu com veemência: - Com a justiça divina não se brinca, Mister Robert, com a justiça divina não se brinca

Mister Robert saiu exasperado, desferindo impropérios sucessivos e prolongados, em americano, à pia da água benta, à Maria Eduarda, à honestidade das gentes das ilhas, à igreja, ao clero em geral e até à justiça divina.

.

 

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas