Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A VELHA FERREIRA

Terça-feira, 19.07.16

Os pobres são e serão sempre pobres e menos nobilizados do que os ricos ou até mesmo do que os remediados. Mas se sobre um pobre ainda cai o infortúnio da ingenuidade e do pouco entendimento, ou se à pobreza física se junta a pobreza de espírito, o impropério do desdém, do menosprezo, por vezes até do gozo e do apoucamento é inevitável. Mais imperioso numa comunidade pequena, onde todos se conhecem e se encontram a cada hora e a cada momento do dia.

Assim era na Fajã Grande em tempos idos relativamente ao tratamento dado aos mais idosos. Os ricos, que diga-se em abono de verdade não abundavam, eram tratados por senhores, as ricas por donas, os remediados e as respetivas esposas ou as suas viúvas recebiam o interessante título de tios ou tias, enquanto os pobres eram simplesmente alcunhados de o velho ou a velha.

Assim acontecia com uma pobre e idosa mulher que morava numa casa logo no início da Tronqueira, de apelido Ferreira. Como era muito pobre e um pouco desatinada de costumes e hábitos era tratada, apesar do respeito que a sua provecta idade devia impor, pela velha Ferreira ou simplesmente a Ferreira.

Viúva e mãe de dois filhos, a Ferreira vivia dos parcos recursos de uma ou outra pequena courela que possuía e que ela própria a muito custo trabalhava. Dos filhos, um era um rapaz que depois de ser apurado nas sortes, pois era muito saudável, forte e um pouco mais atinado, partiu para a tropa e abandonou definitivamente a freguesia. O outro filho era uma rapariga, a Jerónima, como a mãe, muito simples, ingénua e desatinada. Na escola não aprendia, traçando-se-lhe o destino de ter que ajudar a mãe na árdua e difícil vida do campo, adquirindo assim o seu mísero sustento. Mais tarde casou com um pobretanas de má catadura que, segundo constava não a tratava nada bem. No meio de alguma violência doméstica a pobre Jerónima talvez nunca atingiu a felicidade a que todo o ser humano tem direito.

Certo dia, depois de ela própria lhe ter tirado o leite, conduzia uma vaca esquelética e lazarenta para o pasto, acompanhada de um filho, ainda criança. Ao passar junto à Casa do Espírito Santo de Baixo, em cuja banqueta estavam sentados a conversar e a falquejar alguns homens, o garoto, sem que ninguém lhe perguntasse o que quer que fosse, voltando-se para os eles exclamou em alto e bom som:

- Meu pai meteu a cabeça de minha mãe na poça do palheiro das vacas.

A pobre e ingénua Jerónima prontamente respondeu, em tom ameaçador:

- Cala-te! Quando chegares a casa a tua é que vai para poça!

 

NB – Esta estória é real, apenas se alteraram, para não ferir suscetibilidades, os nomes das personagens intervenientes.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 02:27





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Julho 2016

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas