Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



CINCO A ZERO

Terça-feira, 16.02.16

Foi numa tarde de maio da década de cinquenta. O Atlético Clube da Fajã Grande estava em grande forma e no auge da sua curta carreira futebolística. Domingo após domingo, muitas vezes até em dias de semana, à tardinha, um punhado de jogadores que constituíam o plantel não se coibia de treinar. O clube havia surgido no final da década de quarenta, resultante duma fusão entre os dois clubes existentes, inicialmente, na Fajã: o Sport e o Salgueiros. Nesses tempos os jogos realizavam-se no antigo campo do Estaleiro, para os lados do Porto, numa altura em que surgiu o melhor jogador de sempre da Fajã Grande, o Nestor.

O Atlético já realizara alguns jogos, no novo campo das Furnas e já se deslocara a Santa Cruz e às Lajes, mas com resultados pouco positivos. Apenas uma vitória frente ao União de Santa Cruz. De resto empates e derrotas

Nestes tempos jogavam no Atlético excelentes jogadores: Abílio (Guarda-redes), João do Gil, Lucindo Fagundes, Elviro, Edmundo Pereira, Teodósio, Albino, Álvaro de João Carlos, David do Raulino, Roberto do Cristóvão, Ângelo João Augusto, Mário do Raulino, Luís Cardoso, Manuel Cardoso (Matateu), Álvaro do Raulino, José Borges, António Nascimento, José Augusto, Ângelo Câmara, José de Lima, Albano, Manuel Blica, José António Marcela, João Luís, António Lourenço, José Augusto e Luís Matareco, entre outros. O treinador era o José Fagundes.

Nessa gloriosa tarde de maio, a vila das Lajes deslocava à Fajã uma nova equipa pertencente à Rádio Naval. Esta equipa surgiu pouco depois de ser instalada naquela vila uma estação de Rádio Naval, em agosto de 1951. Era uma equipa fortíssima constituída não só por jogadores naturais da ilha que, anteriormente, haviam jogado noutros clubes, mas também por marinheiros vindos do continente para trabalhar naquela estação, entre os quais o célebre Virgílio Fraga, um verdadeiro craque, com um currículo notável, pois antes de se deslocar paras Flores, jogara no Tirsense, na altura a militar na 2ª divisão nacional, zona norte e João Rodrigues que jogara no Fayal Sport Clube da Associação de Futebol da Horta. Outros nomes sonantes da Rádio Naval eram Tomás, Roque Sousa, António Raimundo, Mateus Azevedo, Mendes, Lenine, Teixeira, António Freitas, Santana, Manuel Martins e Manuel Moniz.

Mas o Atlético não se atemorizou. José Fagundes preparara bem a equipa para o embate. Equipando com camisola azul e calção branco, alinharam, na baliza Abílio, na defesa os jovens Edmundo Pereira, Lucindo Fagundes e o experiente Álvaro de João Carlos. Como médios o treinador lançou Albino e o veterano Teodósio, jogando com os interiores Ângelo Câmara e Albano. Nos extremos colocou o David do Raulino à esquerda e o Ângelo de João Augusto, à direita, com o Manuel Cardoso, apelidado de Matateu, a avançado centro. O campo encheu-se de gente, na generalidade apoiantes do Atlético, vindos da Fajã e da Ponta.

A partida iniciou-se com uma acentuada supremacia da equipa visitante. Mas o Abílio estava em grande forma e fez um bom punhado de defesas o que conferiu grande confiança às hostes fajagrandenses que o público apoiava calorosamente. O Atlético veio para a frente e ameaçou a baliza dos lajenses. Um penalty bem assinalado, concretizado pelo Manuel Cardoso (Matateu) deu ao Atlético um avanço no marcador. O público aplaudiu e os jogadores empolgaram-se ainda mais. Antes do intervalo o Atlético aumentou a vantagem. Um canto da esquerda, apontado pelo David do Raulino e Lucindo Fagundes a saltar em primeiro na área adversária, a cabecear e a fazer o segundo para a equipa da casa.

O Radio Naval regressou na segunda parte revoltado e disposto a virar o resultado fosse de que forma fosse, cometendo muitas faltas. Um livre apontado exemplarmente por Teodósio e o três a zero. Os ânimos começaram a aquecer, com muitas interrupções, agressões e faltas duríssimas. Dois jogadores forasteiros expulsos, conseguindo o Atlético manter a calma, marcando mais dois tentos, por Manuel Cardoso e Albano.

A equipa das Lajes, apesar de revoltada, abandonou o campo reconhecendo a superioridade do Atlético, cujos jogadores eram aplaudidos e levados em ombros, após a invasão de campo, no fim do jogo, por parte de muitos espetadores que assim celebravam, efusivamente, o maior dia de glória do Atlético Clube da Fajã Grande.

Os jogadores, ao cair da noite, foram recebidos por muitos adeptos na loja da Senhora Dias. Entre cervejas, laranjadas e pirolitos o treinador, José Fagundes, cantava efusivamente:

 

O Atlético trabalha como eu quero,

Agora já não falham cinco a zero.

 

Ó Maria Rita, não te faças tola,

Toma lá sete e cnico p’ra comprar uma cebola

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas