Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



FESTAS DO ESPÍRITO SANTO

Sábado, 14.05.16

Nos Açores, em todas as ilhas, as festas em honra e louvor do Divino Espírito Santo dominam esta altura do ano, atingindo o seu epicentro no domingo de Pentecostes, estendendo-se, no entanto, não apenas nos dias que o antecedem, mas também nos primeiros dias da semana seguinte, repetindo-se ou prolongando-se, em muitas freguesias, até ao domingo da Trindade. Estas festas, para além da parte litúrgica, onde sobressaem as celebrações da eucaristia e a organização de procissões e cortejos, constam geralmente da distribuição e da partilha da carne e do pão, entre todos e, de modo muito especial, junto dos mais pobres.

Na ilha do Pico este sentido de partilha tem um significado ainda mais abrangente e a ela, muito provavelmente, estão ligados rituais e costumes ancestrais, geralmente relacionados com promessas feitas pelos nossos antepassados em momentos de enorme angústia e aflição, em virtude de crises sísmicas devastadoras ou outras catástrofes dramáticas, durante as quais o povo solicitava o auxílio divino para acalmar as correntes de lava ou os ventos ciclónicos que assolavam e arrasavam a ilha, destruindo habitações, povoados e culturas, por vezes, pondo em causa a sobrevivência das populações.

Na realidade, os festejos em honra e louvor do Divino Espírito Santo constituem, na ilha montanha, uma genuína e fortemente enraizada tradição, muito provavelmente trazida pelos primeiros povoadores mas implementada com um cunho religioso e cultural muito forte entre a actual população de toda a ilha, incluindo os mais jovens, mantendo-se, ainda hoje, com rituais e celebrações muito semelhantes às dos tempos antigos, com destaque para um inusitado e interessante cerimonial em que os "imperadores" levam, em procissão, a coroa, até à igreja, com a qual, após a celebração da Eucaristia, são “coroados”. Realce também para a "função", evento peculiar, genuíno e agregador, que consiste, fundamentalmente, na participação colectiva num almoço em que praticamente se integra toda a população da freguesia, para além de muitos convidados, sentando-se à mesma mesa, saboreando as típicas e tradicionais sopas do Senhor Espírito Santo.

Mas o que mais revela este sentido de partilha mútua e de comunhão recíproca das festas do Espírito Santo, no Pico, é o facto de em todas as freguesias e até em alguns lugares de uma mesma freguesia, se distribuir por todos os habitantes e também pelos forasteiros massa sovada, numas localidades sob a forma de pão, noutras de rosquilhas e noutras de vésperas. Esta distribuição obedece a um calendário rígido, histórico e imutável, permitindo assim que a mesma pessoa possa receber o pão doce, não só em dias diferentes mas até, no mesmo dia, em várias freguesias e localidades da ilha. São milhares e milhares as rosquilhas, os pães e as vésperas cozidos, por estes dias, com o primordial objectivo de, simplesmente, os oferecer em louvor do Divino Espírito Santo, facto, aparentemente, tão transcendente que quase imperceptível por quantos visitam, pela primeira vez, a ilha nestes dias.

É o seguinte o calendário de distribuição do pão, oferecido pelos irmãos e levado em cortejo até à igreja para ser benzido, em louvor do Divino Espírito Santo, sendo que, freguesias há que partilham as suas ofertas em mais de um dia:

Sábado véspera de Pentecostes – Silveira.

Domingo de Pentecostes – Bandeiras, Candelária, S. Mateus, Companhia de Baixo (São João), Ribeira do Meio (Lajes), Santa Bárbara (Ribeiras), Calheta do Nesquim, Ribeirinha, Piedade, São Roque, Santo António e Santa Luzia.

Segunda-feira – Valverde (Madalena). Monte (Candelária), Santa Cruz (Ribeiras), Calheta do Nesquim, Ribeirinha, Piedade, Santo Amaro, Prainha do Norte e Cais do Pico (S. Roque).

Terça-feira – Madalena, São Caetano, (Companhia de Cima (São João) e Santa Cruz (Ribeiras).

Esta distribuição tem lugar junto aos "impérios", pequenas e singelas construções tendo no vértice do telhado a pomba branca do Espírito Santo e no frontispício a coroa e a data da construção e que ao longo dos séculos, foram sendo construídas em todas as freguesias e localidades mais importantes da ilha, constituindo um elemento interessante da arquitectura popular açoriana. Actualmente, ao lado de muitos destes pequenos templos construíram-se amplos salões que permitem uma maior funcionalidade a estes tradicionais e únicos festejos.

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas