Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



JERÓNIMO SILVA

Quinta-feira, 09.02.17

O advogado Francisco Jerónimo da Silva nasceu na freguesia da Sé, cidade de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, a 30 de Setembro de 1806 e faleceu em Lisboa, a 2 de Novembro de 1871. Realizou em Angra os estudos indispensáveis para se matricular na Universidade de Coimbra, em 1825 e concluiu a formatura em Cânones e Leis em 1831. As suas convicções políticas condicionaram-lhe a sua atividade profissional ao longo dos anos. Nascido no seio de uma família legitimista, manteve essas convicções. Em 1828 ainda estudante, rebentou em Angra uma revolução que proclamou os direitos de D. Maria II, gerando-se um período de grande agitação política, durante o qual deixou de receber a mesada. Por intervenção de D. Miguel, foi-lhe paga pela Intendência o abono que costumava receber, bem como a todos os que estiveram nessas condições. Este fato tornou-o ainda um maior defensor do miguelismo. Iniciou a vida profissional como professor de história, em Braga, tendo sido nomeado juiz de fora, em Ponte de Lima, mas por poucos dias, uma vez que, por razões políticas, foi obrigado a refugiar-se na Galiza, devido à agitação política. Como não desejava aceitar qualquer tipo de emprego público do governo constitucional, decidiu abrir banca de advogado no Porto. Rapidamente a sua fama correu por toda a cidade, tornando-se famoso pelas suas capacidades de orador, pela sua frontalidade e profundidade dos seus conhecimentos. Sustentou várias causas polémicas com juízes que lhe aumentaram a notoriedade. Paralelamente manteve sempre uma atividade política muito ativa, com destaque para o período de combate ao governo de Costa Cabral. No periódico Coalisão, escreveu vários artigos que lhe valeram a prisão por vinte dias. Em 1851, no regresso de uma viagem à Terceira, resolveu ficar em Lisboa, para descansar e estudar Paleografia. Deste modo, acabou por se estabelecer na capital, alcançando a fama de eminente causídico que já granjeara no Porto. Continuou a recusar lugares ligados ao funcionalismo público, como também o lugar de deputado que várias vezes tentaram impor-lhe. Para além dos primorosos trabalhos forenses que foram impressos em folhetos, Jerónimo da Silva, foi também um estudioso literário. Lia nas línguas originais obras da literatura latina, francesa, inglesa, italiana, grega e alemã. Por todo o seu trabalho foi considerado um dos mais notáveis advogados portugueses da primeira metade do século XIX. Doou à Câmara Municipal de Angra a sua valiosa biblioteca, com cerca de quatro mil volumes e os seus restos mortais foram trasladados para o cemitério do Livramento, em Angra

 

Dados retirados do CCA – Cultura Açores

 

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas