Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



JOÃO DE MATOS BETTENCOURT

Domingo, 20.10.13

João de Matos Bettencourt nasceu na freguesia do Norte Grande, ilha de S. Jorge, em 19 de Outubro de 1889, tendo falecido em Santa Cruz da Graciosa, em 1915. Contista e poeta, foi também autor de artigos em que, segundo Pedro da Silveira “ora pende para um pessi­mismo total, individual ou quanto ao destino da humanidade, ora vislumbra um mundo novo futuro, no qual, abolidas diferen­ças económicas e sociais, a felicidade se tornasse possível a todos”. Dele diz, todavia, o mesmo Pedro da Silveira, que é autor de “excelentes versos e trechos poéticos”, embora sejam raras as “composições completas perfeitas ou à beira de perfeitas encontráveis na sua bibliografia lírica”. Tendo legado uma obra literária reduzida e reveladora de influências várias, nem por isso Rui Galvão de Carvalho deixa de considerar como de “real valor pela sua autenticidade e expressão emotiva”. Por sua vez, Rebelo de Bettencourt aponta-o como o primeiro poeta dos Açores a sentir “a necessi­dade de se criar uma literatura açoriana, uma literatura ao nosso modo de ser”.

Fundou e dirigiu, no ano da sua morte, a revista de arte Atlântida, “com o pro­pósito de reunir à sua volta todos os escritores açorianos e de revelar o que nos Açores havia de mais nosso”. Suicidou-se em Santa Cruz da Graciosa, onde exercia a profissão de telegrafista. As suas obras são: A Festa do Santinho: Poemeto para o Povo, De Profundis, A Minha Terra e Alma aos Pedaços(contos).

 

Dados retirados do CCA – Cultura Açores

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 22:30





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031