Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



TERNURA DE CALAFRIO

Quarta-feira, 23.10.13

AO MANUEL PEREIRA, TAMBÉM ELE ESCRITOR, POETA, APAIXONADO PELOS LIVROS; COM QUEM PARTILHEI O VERÃO DE 1965 E QUE, MUITOS ANOS DEPOIS, REENCONTREI NO MUCIFAL, DEDICO ESTE BELO POEMA DE JOSÉ GOMES FERREIRA

 

Devia morrer-se de outra maneira.

Transformarmo-nos em fumo, por exemplo.

Ou em nuvens.

Quando nos sentíssemos cansados, fartos do mesmo sol

a fingir de novo todas as manhãs, convocaríamos

os amigos mais íntimos com um cartão de convite

para o ritual do Grande Desfazer: "Fulano de tal comunica

a V. Exa. que vai transformar-se em nuvem hoje

às 9 horas. Traje de passeio".

E então, solenemente, com passos de reter tempo, fatos

escuros, olhos de lua de cerimónia, viríamos todos assistir

à despedida.

Apertos de mãos quentes. Ternura de calafrio.

"Adeus! Adeus!"

E, pouco a pouco, devagarinho, sem sofrimento,

numa lassidão de arrancar raízes...

(primeiro, os olhos... em seguida, os lábios... depois os cabelos... )

a carne, em vez de apodrecer, começaria a transfigurar-se

em fumo... tão leve... tão subtil... tão pólen...

como aquela nuvem além (vêem?) — nesta tarde de outono

ainda tocada por um vento de lábios azuis...

 

José Gomes Ferreira

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 15:01





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Outubro 2013

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031