Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ROTA DO ROMÂNICO – VALE DO SOUSA

Domingo, 03.11.13

A Rota do Românico do Vale do Sousa é uma rota turístico-cultural, composta por 21 monumentos de estilo românico na região do Vale do Sousa. Esta rota surgiu a partir da necessidade, entendida pelos poderes políticos locais, de aproveitar o potencial de qualificação cultural e turística e desenvolver de forma sustentável a região. Assim e por iniciativa conjunta dos municípios do Vale do Sousa, foi criada esta rota, graças ao Plano de Desenvolvimento Integrado do Vale do Sousa, em colaboração com o Instituto Português do Património Arquitectónico e a Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais. Inicialmente, constituíam a Rota do Românico 19 monumentos identificados na região. Algum tempo depois, juntam-se mais dois e contratualizam-se os direitos e deveres de todas as entidades envolvidas, bem como o conjunto base de acções necessárias para a dinamização desta interessante iniciativa cultural e turística. Além disso, a criação desta rota turística teve um outro interesse, por quanto os monumentos a ela pertencentes foram alvo de várias obras de restauro e de conservação, entre 2003 e 2007.

Em Março de 2010, deu-se um novo alargamento da Rota do Românico, passando a abranger, agora, todos os municípios da sub-região do Tâmega, passando, os seus membros, de seis para doze. Aos concelhos pertencentes à Associação de Municípios do Vale do Sousa - Paredes, Penafiel, Lousada, Felgueiras, Castelo de Paiva e Paços de Ferreira - juntaram-se os concelhos de Amarante, Baião, Celorico de Basto, Marco de Canaveses, da Associação de Municípios do Baixo Tâmega, e ainda Cinfães e Resende.

No contexto do românico português, a arquitectura românica do Tâmega e Sousa apresenta características muito peculiares e muito regionalizadas.

No que à escultura diz respeito, esta mostra uma personalidade muito própria optando, quase sistematicamente, por elementos vegetalistas. A sua singularidade reside nos temas e nas técnicas. Nos capitéis e nos longos frisos a escultura é muito bem desenhada e plana, utilizando a técnica do bisel, muito utilizada nas Épocas Visigótica e Moçárabe. Correspondendo, quase sempre, a reformas românicas de igrejas anteriores, as novas construções utilizaram modelos patentes nas antigas igrejas pré-românicas, então reformadas, e inspiraram-se nos reportórios decorativos da Sé Velha de Coimbra, da Sé do Porto e da Sé de Braga/São Pedro de Rates, formando uma nova sintaxe, muito própria e muito regionalizada.

Nas igrejas do Tâmega e Sousa poucas vezes pontua a figura humana. Já os temas animalistas surgem sustentando os tímpanos dos portais, tendo claramente a função de defender as entradas do templo.

A arquitectura desta região adopta, geralmente, cabeceiras de perfil rectangular, embora haja exemplos mais eruditos que utilizam absides semicirculares, e fachadas onde se encaixam portais bastante profundos. Na maioria dos casos não existem, nestes portais, programas figurativos, mas o cuidado posto no seu arranjo e a profusão da escultura que ostentam mostram a vontade de os nobilitar e defender.

A Igreja do Mosteiro do Salvador de Paço de Sousa, em Penafiel, constitui um monumento nuclear no contexto da arquitectura românica da região. Terá sido em Paço de Sousa que se forjou uma corrente com base na tradição pré-românica influenciada, igualmente, por temas originários do românico de Coimbra e do Porto, dando origem ao que designou por românico nacionalizado. Este dialeto privilegia a decoração vegetalista aplicada em capitéis, frisos e impostas, usualmente plana, executada a bisel e de nítido desenho.

Outro dos aspectos mais significativos e peculiares da arquitectura românica do Tâmega e Sousa reside na aceitação dos modelos construtivos e das soluções decorativas, próprias da época românica, durante longo tempo.

A Rota do Românico recebeu, também, inúmeros prémios a nível nacional e internacional.

 Nesta rota destacam-se, entre outros, os seguintes monumentos: Ermida da Nossa Senhora do Vale, Paredes, Igreja de Santa Maria (Meinedo), Lousada, Igreja de Santa Maria de Airães, Felgueiras, Igreja de São Gens de Boelhe, Penafiel, Igreja de São Mamede de Vila Verde, Felgueiras, Igreja de São Miguel de Entre-os-Rios, Penafiel, Igreja de São Pedro de Cete, Paredes, Igreja de São Pedro de Ferreira, Paços de Ferreira, Igreja de São Vicente de Sousa, Felgueiras, Igreja do Salvador de Aveleda, Lousada, Igreja do Salvador de Cabeça Santa, Penafiel,  Igreja do Salvador de Unhão, Felgueiras, Igreja Matriz de Abragão, Penafiel, Marmoiral de Sobrado, Castelo de Paiva, Memorial da Ermida, Penafiel,  Mosteiro de Paço de Sousa, Penafiel, Mosteiro de Pombeiro, Felgueiras, Ponte de Espindo, Lousada, Ponte de Vilela, Lousada, Torre de Vilar, Lousada e Torre do Castelo de Aguiar de Sousa, Paredes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 23:38





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930