Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A RUA DA ASSOMADA

Domingo, 17.11.13

Encastoada entre duas colinas, a do Pico e a do Outeiro, a rua da Assomada beneficiava duma aconchegada e agradável protecção dos ventos quando sopravam do norte e do sudoeste. As noites e os dias de forte temporal que fustigavam a Fajã, nos meses do Inverno, com os terríveis ventos nórdicos que sopravam acutilantes e frigidíssimos do cimo da rocha da Ponta, na realidade pouco se faziam sentir na maioria das casas da Assomada. Era pois uma rua de casas abrigadas dos temporais, rodeada de campos, belgas e courelas férteis e verdejantes. Nela moravam, no início da década de cinquenta,  cento e vinte e seis pessoas cujas moradias se estendiam ao longo duma faixa quase rectilínea, sem ladeiras ou declives notórios, apenas entrecortada por uma ou outra canada, ou dotada de um pequeno largo. Possuía a Assomada trinta e três casas habitadas, não havendo, na altura, nenhuma casa de habitação desabitada, excepto a casa de José Pureza, a seguir ao palheiro do Maurício, que se destinava apenas à dormida de alguns dos seus familiares. Havia também na Assomada, logo no início e a fazer esquina com a Praça, uma loja de Comércio, pertencente à firma Martins e Rebelo, gerida pelo Senhor Roberto e, ao lado, a Máquina de Cima, destinada também a receber e desnatar o leite de quem o vendia ao Martins e Rebelo. Além destas construções, a rua ainda tinha oito casas velhas, sem condições de habitabilidade e doze palheiros, num total de cinquenta e cinco edifícios, o que realmente fazia da Assomada a maior rua da Fajã, quer em extensão, quer em número de edifícios, querem população. Haviaainda ao longo da rua dois chafarizes, um deles, o mais antigo, em frente à casa das Senhoras Mendonças, mãe e tias do poeta e escritor Pedro da Silveira e um outro quase no Cimo, logo a seguir à casa do Chico de José Luís. Havia ainda e logo abaixo da primeira fonte, um poço do gado beber água, o qual também possuía uma torneira de água corrente.

A Assomada começava à Praça e seguia para Sul, paralela ao Outeiro, desenhando logo no início das primeiras casas uma pequena curva, formada pela antiga casa de mestre Jorge, o qual tinha, numa das lojas, uma pequena oficina de sapateiro. Esta casa foi demolida a quando da construção da nova estrada, dado que forçava a uma curva muito apertada e estreita, sendo construída uma nova moradia, um pouco mais atrás, num terreno que ali tinha. Assim como esta casa muitos pátios foram destruídos e substituídos por novos, outros foram truncados e reconstruídos com outros muros enquanto outros, como o da casa de meus pais, pura e simplesmente desapareceram, tudo isto em função do alargamento da rua e do desenvolvimento da freguesia. O piso, na altura também era totalmente diferente, sendo do tipo calçada romana, onde existia no meio a chamada “pedra mestra” à volta da qual eram colocadas e apertadas outras mais pequenos. Este piso, com a construção da estrada, também foi totalmente destruído e substituído pelos chamados “paralelos”, ou sejam pedras rectangulares em forma de paralelepípedos, partidas e aparadas no Calhau Miúdo e que eram dispostas em cima duma camada de areia, colocadas em espinha, alinhadas com fios, muito bem apertadas e ligadas e posteriormente batidas com uma maça de madeira, enchendo-se, finalmente, com areia os espaços excedentes entre elas. As casas da Assomada eram quase todas de dois pisos com o inferior para loja de gado, arrumos e retrete. Dispunham-se ao longo da rua, excepto as das três canadas existentes e havia poucos espaços sem casas, a não ser lá mais para o cimo da rua, onde esta se bifurcava, no Caminho da Missa e no dos Lavadouros. Recebendo o seu nome precisamente por ser a primeira rua que se via ou a que se “assomava”
ao vir da Fajãzinha, das Lajes e de Santa Cruz, a Assomada, devido à sua situação geográfica e ao seu aconchego entre as colinas do Pico e do Outeiro, provavelmente terá sido a primeira rua da Fajã a ser povoada e era incontestavelmente a mais importante de todas as ruas periféricas que desembocavam na central e aristocrática Rua Direita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 09:55





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2013

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930