Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O DESASTRE DO CORVO

Quinta-feira, 15.08.13

Quase todos os anos, por altura da Festa da Senhora dos Milagres, partia das Flores uma lancha com pessoal da Fajã Grande para participar na mais importante e maior festa da ilha vizinha. Muitas famílias da mais ocidental freguesia açoriana tinham os seus amigos e “conhecidos” no Corvo, em casa de quem se hospedavam, sempre que ali se deslocavam para a festa, ou simplesmente para efectuar algum negócio ou por outro motivo qualquer. Pela Senhora da Saúde, acontecia o contrário. Eram os corvinos que então se deslocavam à Fajã, hospedando-se nas casas dos que lhes haviam dado guarida pela Senhora dos Milagres. Algumas pessoas da Fajã, até seguiam para Ponta Delgada a pé e daí, da freguesia das Flores mais próxima do Corvo, faziam viagem para aquela minúscula ilha.

Corria o ano de 1942. Muitos peregrinos da Fajã decidiram ir ao Corvo, à Festa da Senhora dos Milagres, uma tradição que se mantinha desde há muitos anos. Organizou-se a excursão, fretou-se o gasolina e, na tarde do dia treze de Agosto, partiu, do cais, com quarenta e cinco passageiros, quase todos da Fajã e da Ponta, com destino ao Corvo, o gasolina “Senhora das Vitórias” também conhecido pela “Francesa”. A partida atrasou-se e a embarcação chegou ao Corvo, já noite escura. Ao aproximar-se da ilha, o mestre viu uma luz em terra e, cuidando que era o pequeno farol que indicava o porto, rumou a terra. Infelizmente a luz não era a do farol, nem o porto era ali e “A Senhora das Vitórias” enfiou-se, precipitadamente e de rompante, sobre as baixas dos Laredos, abrindo um enorme rombo a meio, enchendo-se de água e provocando grande pânico entre os passageiros. A confusão foi geral, a precipitação tremenda e o terror gigantesco. Não havia luz alguma, por ali perto, cada qual procurava salvar-se e salvar os seus familiares que a muito custo encontravam ou nem chegavam a encontrar, acabando por perder a vida neste acidente dezasseis passageiros e ainda um dos proprietários da embarcação de nome António Jorge de André Freias, residente nas Lajes. Da Fajã Grande morreram: António Cardoso de Freitas, Maria Garcia Ramos, Elvira Vitória Ramos, Maria dos Anjos Freitas Henriques, Ercília Garcia Ramos, José Inácio Luís, Glória Barbeiro, João Furtado Sousa, Ana Fagundes e Violante Cândida. Da Ponta faleceram Lídia Freitas Dias, Aurora Inês Freitas, José António Filipe, Manuel Furtado Silveira e Teresa Serpa. Também perdeu a vida neste acidente José Caetano Gangão, natural e residente da Fajazinha.

Diziam as pessoas mais antigas que quando a notícia, no dia seguinte, chegou à Fajã, “parecia um dia de juízo”, pois todos os que tinham familiares embarcados na véspera, para o Corvo, cuidavam que eram eles os falecidos. A freguesia encheu-se de gritos e de prantos, de confusão, de terror, de angústia e desespero, à medida que os nomes dos mortos iam sendo conhecidos.

No entanto, no Corvo, as autoridades e os responsáveis pelos destinos da ilha, com os limitadíssimos recursos e meios de salvamento que dispunham, tentavam recolher os náufragos e prestar auxílio às vítimas. O local, porém, era longe do povoado e de difícil acesso. Os meios de transportes nulos e os náufragos, quer os mortos quer os vivos, foram transportados a ombros. Havia apenas um médico na ilha. Após muito esforço conseguiram levar os mortos para a Casa de Espírito Santo do Outeiro, onde foram estendidos no chão, sem lhe serem prestados os primeiros socorros, não sendo, provavelmente, assistidos da melhor forma.

O desastre do Corvo que assinala o dia mais trágico da história fajagrandense perdurou anos e anos na memória de todos e muito especialmente na dos familiares daqueles e daquelas que tão tragicamente perderam a vida, naquela fatídica noite de 13 para 14 de Agosto de 1942.

Contava-se que a única criança que viajava se salvou. Um dos passageiros, instintivamente, ter-lhe-á pegado, trazendo-a para terra sã e salva. Só que esse salvador terá voltado atrás na tentativa de salvar algum familiar, tendo, infelizmente, perdido a própria vida. A criança salvou-se, mas nunca soube quem foi o seu salvador.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 19:15

SANTUÁRIO DE GELO

Quinta-feira, 15.08.13

Alta madrugada! Um cavaleiro, estranho e enigmático, trajando de negro, com um capuz a tapar-lhe a cabeça e a esconder-lhe uma boa parte do rosto, aproximou-se dos muros circundantes de um vetusto mosteiro. Vinha de longe, percorrera praias de areia dourada mas também atravessara oceanos repletos de baixios e escolhos; calcorreara caminhos amaciados com sombras e aureolados com o esplendor das madrugadas mas também enveredara por atalhos sinuosos e tétricos; hospedara-se em cidades modernas, coloridas e cheias de luz mas também vagueara por desertos atulhados de tempestades e nevoeiros. Montava, com audácia e valentia, com garbo e aprumo, um cavalo branco, com selim de prata e arreios de marfim, correndo acelerado em elegante e destemido trote. Dentro do mosteiro havia um santuário e o cavaleiro cuidava que era ali, na sombra e no silêncio, em oração e penitência, em contemplação e clausura que havia de penetrar nos meandros apocalípticos duma sublime transformação. O mosteiro era um enorme edifício, um monumento de rara beleza e excelsa grandiosidade, um cenóbio edificado com excelência e magnanimidade. Rodeado de um alto e portentoso muro, o mosteiro apenas comunicava com o exterior por um robusto portão, a que se seguia um amplo terreiro, com uma escadaria granítica a conduzir à porta de entrada da majestosa e imponente fachada do santuário. Acreditava o cavaleiro que aquele era um santuário de sombras e de silêncios, onde havia de submeter-se ao acto sacramental, à adoração contínua, à iniciação contemplativa e à restauração apocalíptica, na esperança de se redimir e se refugiar da morte ritual. O cavaleiro de negro bateu a aldraba do portão, uma vez, duas vezes, três vezes. De dentro uma voz rouca e, aparentemente, esbranquiçada pediu-lhe a senha. Nem santo, nem senha. O cavaleiro apenas cuidava que dentro daquele lugar de adoração havia sombras e silêncios. Nova investida. Um cavaleiro de bronze, também ali refugiado em clausura, abriu-lhe o portão, indicou-lhe a travessia do átrio e conduziu-o na subida da escadaria granítica, até à porta do santuário, sem proferir palavra. E o cavaleiro trajando de negro, sempre com o capuz a cobrir-lhe a cabeça e a tapar-lhe uma boa parte do rosto, entrou no santuário, na esperança de encontrar silêncios e sombras. Mas no santuário havia apenas uma estátua, aureolada com um diadema de espuma aveludada, surgindo de entre os silêncios e as sombras que o cavaleiro cuidava ver. Tinha na mão direita um ceptro de cristal e na esquerda um livro aberto, onde se podia ler, a letras garrafais; “A percepção é cega e enganadora. O que se vê não é necessariamente o que existe.” Caminhando na direcção do cavaleiro, a estátua tocou-lhe, ao de leve, com o ceptro de cristal, cravando-lhe, na fronte um estigma esverdeado, desaparecendo, de seguida, no meio dos silêncios e das sombras, sem deixar rasto, ao mesmo tempo que o cavaleiro perdia a consciência. Quando a recuperou, percebeu que, afinal, estava num santuário, mas num santuário branco, guardado pelo cavaleiro de bronze e todo revestido de gelo. Afinal naquele enigmático santuário não havia nem sombras nem silêncios, nem ritos sacramentais, nem iniciação contemplativa, nem virtualidades apocalípticas. Só havia gelo. Tudo o que o formava, rodeava, envolvia, amparava, constituía e até iluminava era de gelo. “Se o santuário é de gelo, - pensou o cavaleiro - hei-de envolver-me em espuma, até me congelar. Hei-de assumir como meu, o destino do "Esquife de Gelo", domínio secreto do santuário, onde nenhum outro cavaleiro, mesmo que de ouro, de prata ou outra coisa qualquer, possa nele penetrar. E o cavaleiro de negro refugiou-se, por algum tempo, no santuário, na expectativa de aprender e de dominar as técnicas de domínio, de sobrevivência e de vida no gelo. Mas o seu golpe de congelamento foi de tal modo incurial e extravagante, que provocou uma inesperada rajada de cristais de gelo que, caindo em catadupa, sobre o próprio cavaleiro, o fulminaram mortalmente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 17:48





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Agosto 2013

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031