Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A LENDA DA BAIXA DAS SETE MARIAS

Quarta-feira, 05.03.14

Antigamente, na ilha das Flores era costume serem as mulheres a ir às lapas, indo, geralmente, em grupo a fim de que em caso de perigo ou de alguma queda se pudessem proteger umas às outras. O conduto, naqueles tempos rareava e as lapas eram uma boa alternativa para ao jantar acompanhar o pão, as batatas ou os inhames. Se apanhavam muitas guisavam-nas como molho Afonso, ou com pão de milho esmiolado. Se apanhavam poucas faziam tortas de ovos, juntando-lhe salso e ramos de cebola picados

Na Fajã Grande, talvez para alertar as mulheres que iam às lapas para os perigos do mar, contava-se que, antigamente, num certo dia, sete raparigas das Lajes, todas de nome Maria, muito comum na ilha, combinaram ir às lapas para uma baixa que costumava ter muitas lapas e que ficava por fora do Mosteiro.

O mar estava manso e não havia muito perigo. Aguardaram que a maré descesse e começaram a apanhar lapas. Mas quando estava cheia, a maré cobria aquela baixa e, por isso, ela tinha muitos limos e sargaço escorregadio. De vez em quando, vinha uma vaguinha maior que, respingando na baixa a água domar salpicava as roupas das mulheres. Se não tivessem cuidado ficariam todas molhadas. Por isso, muito alegres e divertidas com aquele vai e vem do mar, iam correndo para cima e para baixo e saltando  em cima da baixa.

Mas, de repente, sem elas se aperceberem, veio uma vaga maior. Ao fugir uma das mulheres escorregou sobre os limos e caiu à água, mas não sabia nadar. Vendo-a aflita, as companheiras, que também não sabiam nadar, nervosas e assarapantadas começaram a atirar-se ao mar uns atrás das outras para a salvar. Mas o mar, de repente, tinha começado a puxar muito e a ficar mais “brado” e as sete Marias, umas atrás das outras foram desaparecendo, envoltas pelo remoinho de água, sem que se pudessem salvar, morrendo todas ali.

As famílias, os vizinhos choraram uma desgraça tão grande. Nunca tal semelhante havia acontecido nas Lajes. Dizem que durante muitos anos as mulheres nunca mais se atreveram a ir às lapas àquele lugar onde as sete morreram afogadas e, por isso, passaram a chamar-lhe aquela pedra malfadada a Baixa das Sete Marias, nome pelo qual, ainda hoje, o povo da ilha das Flores conhecem aquela baixa do Mosteiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 19:49

SAUDADE - CHAMARRITA DO PICO

Quarta-feira, 05.03.14

Quadras da Chamarrita do Pico, cantadas nas Folgas. Tema – Saudade:

 

A palavra saudade

A tristeza a inventou;

Quem não sentiu a saudade,

É certo que nunca amou.

 

A saudade é com certeza

O final de quem amou,

Pois apenas fica a cinza,

Quando o fogo se apagou.

 

A saudade é um luto,

Uma dor, uma paixão,

É um constante martírio

Que trago no coração.

 

A saudade é um mal,

Que nem suspirar permite;

É um tormento de ausência,

É uma dor sem limite.

 

A saudade é uma flor,

Todo o ano reverdece;

Pobre de quem tem amores,

Muitos tormentos, padece.

 

A saudade foi criada,

P´ra castigo dos mortais,

Quem traz saudades consigo,

Só dá suspiros e ais.

 

Cantigas da Chamarrita do Pico – U. S. da Madalena

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 19:46

ALFREDO MESQUITA

Quarta-feira, 05.03.14

O jornalista e escritor Alfredo de Mesquita. Pimentel nasceu em Angra do Heroísmo, em 1871, tendo falecido em Paris, em 1931. Ao concluir o liceu em Angra do Heroísmo, diplomou-se no Instituto Industrial e Comercial de Lisboa. Foi secretário da Escola Naval e da Biblioteca da Marinha, onde escreveu os primeiros livros. Como jornalista, foi redactor de vários periódicos lisboetas: Democracia Portuguesa, Revista Ilustrada, Portugal, Correio Nacional, Jornal do Comércio, Diário de Notícias e da revista Ocidente. Como escritor revelou o seu espírito humorístico e crítico bastante profundo. Escreveu biografias, ensaios literários, contos, teatro e literatura de viagens. A partir de 1911, iniciou a carreira diplomática como cônsul de segunda classe, em Durban, Orense, Melbourne, Constantinopla, Roma, Nova York e Hamburgo. Foi membro da maçonaria, na Loja Tolerância, em Lisboa. Era detentor de condecorações da Ordem de Cristo e da Legião de Honra. Carlos Enes

Obras principais: Júlio César Machado, Portugal Moribundo, Companheiros de bordo, Cartas da Hollanda, Memórias de um fura-vidas, A Améric e João Chagas

 

Dados retirados do CCA – Cultura Açores

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 19:45





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031