Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



E SE O HOMEM FOSSE CARECA

Quinta-feira, 27.03.14

Pelas notícias que circularam hoje, em diversos meios de comunicação social, soube-se que os homens, na Coreia do Norte, serão obrigados, a partir de agora, a adoptar um penteado exactamente igual ao do seu líder e chefe supremo da nação norte-coreana, o senhor Kim Jong-un ou Kim Jung Woon, que, convenhamos, até tem um corte de cabelo nada desajeitado e, além disso, muito bem estampado num cabelo, aparentemente, muito forte, robusto e vigoroso. Deixou, pois de haver escolha no que a cortes de cabelo diz respeito, e há que adoptar, em toda o reino da Coreia do Norte, um penteado único, num corte de cabelo modelo, o que redunda num enorme benefício para o povo, porque assim terminam, definitivamente, as indecisões de se ir ao barbeiro e ter que escolher um modelo de corte entre o de Cristiano Ronaldo ou Niro Dicaprio.

Acrescente-se que o governo de Jong-un decretou, também, que os homens devem cortar o cabelo de 15 em 15 dias, a fim de que não deixem de se parecer com o seu líder. Outra grande vantagem, mas neste caso, apenas para os barbeiros que assim vêem o seu negócio a florescer.

Sorte tem, no entanto, os norte-coreanos em geral. Imaginemos o que aconteceria se, por azar, o homem fosse careca… A propósito de careca, a nova lei parece ser omissa nestes casos, sabendo-se apenas que o recurso a perucas também é proibido na Coreia do Norte.

Não se lembre o nosso governo de uma lei semelhante, que obrigaria todos os portugueses a usarem um corte de cabelo igual ao Paulo Portas…

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 19:49

ABRAÇO INICIAL

Quinta-feira, 27.03.14

Doce é o anúncio,

Voluptuosa a espera,

Sublime o encontro,

Contagiante o convívio…

 

Mas o melhor de tudo

É a alegria

Do abraço inicial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 16:37

RENASCIDA DA LAVA

Quinta-feira, 27.03.14

O povoamento do local onde hoje se situa a freguesia de Santa Luzia do Pico, remonta, muito provavelmente, aos primórdios da chegada dos primeiros povoadores à ilha montanha, neste caso oriundos do Faial e enviados por Joss Dutra que “estando à sua janela, vendo esta ilha do Pico, mandou um barco de gente para a povoar”. Fê-lo, no entanto, Joss Dutra, algum tempo depois de Fernando Álvares Evangelho, já ter entrado na ilha, pelo sul, saltando “em terra onde se diz o penedo negro, e com ele um cão que trazia”.

No entanto só quase dois séculos depois, em 1617, esta localidade foi elevada à categoria de freguesia, sob a invocação de Santa Luzia, tendo, durante os anos anteriores pertencido e estado dependente da vizinha freguesia de Santo António. Durante esses anos, nos finais do século XVI e a expensas de um dos seus habitantes, Vicente Pereira Furtado, foi construída uma ermida dedicada a Santa Luzia. Tratava-se de um templo pequeno, pobre e coberto de colmo que, apesar de tudo, serviu de igreja paroquial durante vários anos, situando-se, junto ao altar-mor, o túmulo do seu fundador.

Foi desta modesta ermida, destruída em 1718, a quando da crise sísmica e eruptiva que destruiu praticamente tudo o que era construção humana e cobriu a terra com uma espessa camada de lava, escoada em grande largura e por uma extensão de nove quilómetros, até ao mar, que nasceu a actual igreja paroquial de Santa Luzia. Porém a construção deste templo, já com a categoria de igreja foi lenta e por fases, dadas as dificuldades económicas existentes. Em 1800 voltou a ser reedificado, obtendo então, ao que parece, a fisionomia actual, embora sem as torres. Só em 1844 é que se procede à construção de uma das duas torres assimétricas que possui e só em 1876 é que foi pintado o retábulo do altar-mor e construída a outra torre.

Na ermida primitiva celebrou-se durante muitos anos, no início do povoamento, o culto pagão de oferenda dos olhos de animais, acompanhado por uma prece causada pelo medo de perder a visão. Possivelmente e porque a maioria das oferendas seriam olhos de galos, essa celebração ficou conhecida por Festa dos Galos. Mais tarde este culto terá sido “baptizado” pela igreja, dedicando o templo a Santa Luzia, padroeira dos oftalmologistas e dos que têm falta de visão.

A freguesia de Santa Luzia do Pico estende-se desde o interior da ilha até à orla marítima e é composta por várias localidades, como o Canto do Mistério, os Mistérios de Santa Luzia, os Fetais, o Lajido do Meio, o Meio Mundo, a Miragaia, a Ponta da Baixa, a Ponta Negra, a Rua de Cima, o Lajido, os Arcos e o Cabrito, localizados estes últimos, junto ao mar. É nestes lugares mais próximos do mar que existem várias ermidas como é o caso da Ermida de Nossa Senhora da Pureza, cuja construção recua ao século XVII, a Ermida da Rainha do Mundo edificada no mesmo século e a Ermida de São Mateus da Costa, construída no século seguinte.

 Além destas construções, a marca humana na paisagem da freguesia é ainda possível ver-se no Império do Divino Espírito Santo e em muitos outros edifícios que se evidenciam, pela sua grandiosidade arquitectónica.

Em Santa Luzia localiza-se uma das Zonas da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, neste caso a Zona Norte, onde ao longo de muitos séculos se produziu um dos mais famosos vinhos Verdelhos dos Açores, que era exportado para a Europa continental, chegando a ser servido à mesa dos czares da Rússia. Este vinho tem o segredo da sua qualidade nas lavas negras, onde a pedra de cor preta era fortemente aquecida pelo calor do Sol, dando assim origem a um vinho licoroso, elevando-lhe o teor alcoólico.

A história desta freguesia é profundamente marcada por duas erupções vulcânicas, uma ocorrida no século XVI e uma outra nos princípios do século XVII, mais precisamente em 1718. Esta última erupção teve grande violência, tendo procedido à expulsão de grandes quantidades de lava, cujos rios, em alguns casos, chegaram a percorrer distâncias de nove quilómetros até atingirem o mar, entre o Porto do Cachorro e o Lajido, matando pessoas e animais, destruindo casas e campos, desfazendo tudo o que até aí havia sido construído e edificado pelo homem. Dos que sobreviveram uns decidiram reconstruir de novo e sobre a própria lava, aquilo que o infortúnio lhes havia retirado, outros, talvez porque totalmente aniquilados nos seus bens e nos seus haveres, decidiram partir. Um deles chamava-se José Pereira de Azevedo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 16:07

O DESCANSADOURO DO PICO AGUDO/PAUS BRANCOS

Quinta-feira, 27.03.14

Na primeira metade do século passado, o descansadouro do Pico Agudo/Paus Brancos era um dos maiores da Fajã Grande, embora fosse dos menos utilizados, sobretudo, devido à distância do povoado e por servir pouco mais do que meia dúzia de lugares. Situava-se no caminho que ligava a Fontinha aos Lavadouros, mas já bastante longe do povoado, muito além do seu congénere da Escada Mar, já quase na Alagoinha, precisamente, encastoado entre os dois lugares que lhe davam o nome e no início das canadas que davam para um e outro daqueles lugares. Do lado da Rocha, ou seja à esquerda de quem subia na direcção dos Lavadouros, ficava o lugar dos Paus Brancos que se prolongava pela própria Rocha. Quem circulava naquele caminho, poderia ver, do outro lado, uma pequena elevação de terreno, em forma de pico, bastante delgado e que dava nome ao lugar.

O Descansadouro estendia-se numa grande área rectangular, paralela à estrada e, geralmente, nunca se enchia de homens, pese embora servisse bastantes lugares: Curralinho, Portalinho, Alagoinha, Lavadouros, Mateus Pires, Horta das Abóboras, Rocha da Alagoinha, Paus Brancos e Pico Agudo. Para além de dar descanso aos homens que acarretavam molhos ou outras cargas trazidos dos campos que possuíam nestes lugares, este descansadouro também dava abrigo a animais sobretudo aos que puxavam corsões, pois sendo aquelas terras muito distantes das casas, regra geral recorria-se a estes meios de transporte, uma vez que assim, numa única viagem, acarretava-se o que às costas seria feito em dez, vinte ou mais. Era sobretudo feitos, cana roca e lenha que se acarretava dali, em corsões. Uma vez que na Alogoinha e nos Lavadouros havia boas pastagens, também descansavam ali muitos habitantes da freguesia, nas idas e vindas em que iam levar ou buscar o gado aquelas paragens.

O Descansadouro do Pico Agudo/Paus Brancos era tinha, geralmente, um aspecto sombrio, acinzentado, que o tornava enigmático e quase mítico. Ali, encastoado entre um pico e a rocha, transformava-se num espécie de vale, onde corriam, incessantemente, murmúrios de sonhos perdidos, sonhos assustadoramente desfeitos e lamentos, inconformadamente, cerceados pelo destino.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 14:01





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031