Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



OS RICOS E OS POBRES

Domingo, 13.04.14

(TEXTO RETIRADO DO ANTOGO LIVRO DA 4ª CLASSE – DÉCADA DE 50)

Ia seguindo descalço, de cabaz na mão, um menino por um caminho além.

Encontrou uma menina, bem vestida, mais ao menos da sua idade, que lhe perguntou:

- Aonde vais tu?

- Vou levar o jantar ao meu pai que trabalha num moinho.

- Oh!... Então o teu pai é pobre, trabalha? – Observou a menina, desdenhosamente.

- Trabalha sim! E o teu? – Volveu-lhe o menino com destreza.

- O meu é rico, não precisa de trabalhar. Que triste sorte seria a dos pobres se todos os ricos morressem! – Disse a menina com ares de desprezo.

- Oh!... E julgas tu que seria mais alegre a dos ricos se todos os pobres morressem. – Replicou o menino, muito cheio de si mesmo. E continuou:

- Os ricos podem comer bons jantares, mas não os abem cozinhar; podem viver em belas casas, mas não as sabem construir. Eu não sei quem precisa mais: se são os pobres dos ricos se os ricos dos pobres… Precisamos uns dos outros. E olha: é mais lindo ver um pobre vergado sobre o cabo de uma enxada a ganhar o pão que come do que ver um rico de costas direitas, a comer o que os outros produzem.

Não é o trabalho que avilta, o que avilta é a ociosidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 22:52

DISTANTE

Domingo, 13.04.14

MENU 34 – “DISTANTE”

 

ENTRADA

 

Pãozinhos de soja recheados com carne de porco assada e fatias do mesmo barradas com creme de queijo fresco e doce de pimento.

Rodelinhas de batata assada.

 

PRATO

 

Salmão cozido, gratinado em azeite e alho, coberto com mel e acamado sob um misto de grelos de nabiça e fios de cenoura gratinados em azeite e alho.

Arroz simples coberto com um molho de creme de queijo fresco e doce de pimento.

 

SOBREMESA

 

 Buffet de mil folhas, suspiros e gelatina de ananás.

 

 

******

 

Preparação da Entrada: - Abrir um ou dois dos cantos dos pães de soja, retirar o miolo e recheá-los com sobras de carne de porco assada e ladear com rodelinhas de batata, também assadas. Cortar fatias muito finas do interior do pão e barrá-las com o queijo e o doce de compota.

 

Preparação do Prato – Cozer o salmão e os legumes em água temperada com 1 colher de sobremesa de azeite e ervas aromáticas. Gratinar um e outro num pouco de azeite e alho e empratar. Cobrir com melo, rodear com colheres de arroz e enfeitar com o creme

 

 

Preparação da Sobremesa – Aquisição em pastelaria e a gelatina por processo tradicional.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 15:26

OS RELATOS DE FUTEBOL

Domingo, 13.04.14

Nas férias da Páscoa, no Seminário Menor de Ponta Delgada, nos anos cinquenta, o futebol era rei, uma vez que, naquela altura, se realizava o campeonato açoriano, em que participavam os clubes, representantes de cada uma das três associações açorianas – Ponta Delgada, Angra e Horta - de que haviam sido respectivamente os campeões distritais. Um ano em Ponta Delgada, noutro em Angra e outro na Horta. A Associação de Futebol de Ponta Delgada era geralmente representada pela União Micaelense ou pelo Santa Clara, a de Angra pelo Lusitânia ou pelo Angrense e a do Faial pelo Angústias Atlético ou pelo Fayal Sport. Em São Miguel, no entanto existiam outros clubes, a cujos jogos assistíamos regularmente: o Micaelense, o Marítimo, a União Sportiva e o Operário da Lagoa. Eu não percebia nada de futebol, não sabia os nomes da maioria dos clubes, nem muito menos as cores das suas camisolas ou identificação dos jogadores. Mas como o Manuel Faria era um profundo conhecedor da modalidade, eu, mesmo que não quisesse, aprendia tudo com ele e, se quando saí das Flores não sabia o nome de um único jogador de futebol do Benfica, agora já identificava a cor das camisolas dos principais clubes e até já decorara a célebre linha avançada do glorioso, de que o Manuel Faria tinha um orgulho enorme: José Augusto, Santana, Águas, Coluna e Cavém. Como na Fajã Grande existia um clube, o Atlético, que vestia camisola azul e calção branco, o Manuel Faria motivou-me a simpatizar com os clubes com a mesma cor da camisola do clube da minha freguesia., pelo que, m São Miguel eu era do Micaelense, enquanto, a nível nacional, o clube da minha preferência era o Belenenses. Assim e como o Micaelense, cujas iniciais do nome eram precisamente iguais às do nome dele – M. F. C., - nunca era campeão de São Miguel e consequentemente, nunca iria disputar o campeonato açoriano, eu estaria sempre a apoiar as equipas do Faial.

Era no quarto do padre José Franco que nos juntávamos para ouvir os relatos. Como era altura de férias da Páscoa, os alunos de São Miguel tinham-se ausentado para as suas freguesias e os das ilhas cabiam lá todos, embora alguns, como eu, pouco interessados na modalidade, ficassem à porta ou a brincar no corredor. Geralmente era a Terceira ou São Miguel que ganhava, ficando o representante da Horta em último lugar o que muito molestava e entristecia o Manuel Faria.

Ainda antes do fim do ano o Manuel Faria havia de ter um outro desgosto. É que nesse ano o Porto foi o campeão, enquanto o Benfica ficava em segundo lugar, provocando-lhe, no entanto, dias depois, uma pequena alegria, ao ganhar a Taça, vencendo o Porto na final por 1-0. O Belenenses, nesse ano, ficou em 3º lugar, por conseguinte à frente do Sporting.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 12:18

DESFILE DE MEMÓRIAS

Domingo, 13.04.14

O desalinho

(de fios e tomadas)

Trouxe o doce feitiço das memórias!

Um desfile sublime,

De vivências de outrora,

Que, desfeitas no tempo,

Se refizeram,

Reavivaram

E nos encharcaram,

Num perpétuo e suave encanto,

Numa amizade,

Mais profunda e sentida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 09:33

A PROMESSA

Domingo, 13.04.14

O povo, cada vez mais assustado, mais aflito e mais oprimido com aquela estranha e aterradora catástrofe, não arredava pé de junto da ermida edificada em memória da sua padroeira, Santa Luzia. A manhã continuava a crescer em claridade, em medos, em gritos e em alvoroços loucos, imagináveis. O fogo continuava a deslizar, imparável e demolidor, pelas encostas da montanha, na direcção do mar, com uma velocidade vertiginosa, com uma veemência indomável e com uma persistência implacável, soterrando vinhedos, destruindo campos, desfazendo caminhos e atalhos, ameaçando os pequenos casebres, transformando a extensa encosta entre Santa Luzia e as Bandeiras, num autêntico mar de lava sulfúrica, vermelha e incandescente. Já havia casebres soterrados, os mais pobres, os mais pequenos, os mais distantes, os construídos no sopé da montanha, do lado que dava para as Bandeiras, mas que se sabia já haviam sido abandonados. O povo aos gritos, aos sobressaltos, aos berros corria tresmalhado, louco, num alvoroço incontrolável, tentando fazer tudo sem fazer coisa nenhuma. Procuravam-se refúgios, mas não os havia.

José Pereira de Azevedo, tentando evitar os gritos de raiva e de dor da mulher e o choro inocente mas prolongado e intenso do filho, ainda mal acordado e sem perceber o que se passava, tentou aproximar-se do centro da freguesia, do pequeno largo contíguo à igrejinha, onde permanecia a maioria do povo, uns dentro da ermida outros fora, mas todos invocando, incessantemente, a protecção de Deus, através da intercessão da sua padroeira, a Gloriosa Virgem e Mártir Santa Luzia.

Mas também ali, como em toda a parte reinavam a aflição, o desespero, a angústia e um medo medonho e gigantesco. De perto e de longe chegavam murmúrios e lamentações. É que aquele fogo misterioso, saído do interior da terra, de instante para instante, avançava mais ameaçador, mais temeroso, mais indomável. Já destruíra muitos campos, atingira muitos currais matando ovelhas e cabras, aniquilando prados, ardendo florestas, vinhedos, aproximando-se, cada vez e mais, das casas, sobretudo das que ficavam mais distantes do centro do povoado. O ar tornava-se quente e sufocante e o cheiro a enxofre e a queimado aumentava assustadoramente. O fogo, correndo cada vez mais na direcção do mar, por onde passava, parecia converter e transformar tudo em pedra de lava ardente.

Quando José Pereira de Azevedo, acompanhado da mulher e do filho, chegou ao largo fronteiriço à ermida de Santa Luzia o dia já começava a clarear e, do lado de São Jorge, soprava um vento forte e seco que atiçava ainda mais a lava incandescente que, assustadoramente, parecia ameaçar toda a ilha. Aqueles abalos, aquela espécie de trovões secos e assustadores que se haviam sentido naquela noite e nas anteriores, no entanto, haviam parado ou pelo menos já não se ouviam com tanta intensidade. Agora era o fogo e apenas o fogo que assustava e destruía tudo por onde passava.

Aglomeradas junto aos umbrais da pequena ermida homens, mulheres e crianças rezavam, oravam, pediam perdão e suplicavam a protecção divina. O vigário Francisco Dias já havia terminado a missa. Do átrio de entrada da pequena ermida, juntamente com Frei José das Cinco Chagas, dirigia aos fiéis palavras de paz e tranquilidade, incitando-os ao arrependimento, pedindo-lhes que suplicassem o perdão divino, garantindo-lhes que Deus era pai de misericórdia e que havia de ter compaixão de todos os seus filhos. Que todos se arrependessem dos seus pecados porque a misericórdia e o perdão de Deus eram infinitos.

Passaram-se algumas horas que pareceram anos. O povo a chorar, a gritar, a rezar, a suplicar perdão e auxílio e o fogo a jorrar do centro da terra como se fosse sangue vil e destruidor, que, implacavelmente, caía como castigo sobre aquele povo bom, simples, humilde e temente a Deus.

Seriam umas dez horas, quando abalos maiores e mais assustadores voltaram a fazer-se sentir ao mesmo tempo que a torrente de lava se tornava maior, mais ameaçadora, mais intensa, mais destruidora e mais mortífera. O povo já não tendo forças para continuar a implorar, a pedir e a suplicar, ajoelhou massivamente como se fosse levado por uma força estranha, misteriosa e sobrenatural. Muitos prostravam-se por terra. Cuidava-se que era o fim de todos e de tudo! Um homem, apenas um homem, no entanto, se mantinha em pé, firme e solene, porque crente e confiante em Deus, apesar de velho e alquebrado pelo tempo, pelos anos e pela pobreza – Frei José das Cinco Chagas. Ao ver o povo prostrado, silencioso e perplexo, entrou no templo e, dirigindo-se a um dos altares, retirou dele a coroa do Divino Espírito Santo, que ali estava, permanentemente, rodeada de círios e de flores, exposta à veneração dos fiéis, trazendo-a, solenemente, até ao exterior do templo, enquanto com a sua voz trémula e rouca, entoava o “Véni Creator Spiritus”.

Terminado o hino, erguendo bem alto, nos seus braços trémulos, a coroa de prata, símbolo do Paráclito, e abençoando com ela o povo ali presente, exclamou em tom de grande convicção:

 - Meus irmãos: Tenhamos fé no Espírito Santo Divino e confiança no Seu amor por nós. Hoje, dia 2 de Fevereiro de 1718, nós todos, habitantes desta freguesia de Santa Luzia, do Pico, aqui reunidos, em momento de tão grande aflição e agonia, apesar de sujeitos a este enorme e temível castigo, confiamos na bondade e no amor de Deus, por isso mesmo, prometemos solenemente ao Divino Espírito Santo que se ele fizer cessar estes temíveis tremores e afastar de nós este fogo aniquilador e não nos destruir, se o Divino Espírito Santo nos salvar desta tormenta, todos, mas mesmo todos nós e os nossos filhos e os filhos de nossos filhos e todos os que hão-de habitar esta terra sacrificada de Santa Luzia, nos anos vindouros, prometemos solenemente todos os anos, enquanto o mundo for mundo, no dia da festa de Pentecostes, com o trigo das nossas terras, amassar e cozer pão, muito pão e distribuí-lo por todos os pobres e por quantos dele necessitarem para saciar a sua fome. Assim o havemos de fazer sempre em louvor do Divino Espírito Santo, como fizeram os nossos pais e os nossos avós desde que aportaram a esta ilha do Pico e a todas as outras ilhas dos Açores.

Foi então que se ouviu, subindo ao céu, um grito uníssono, espontâneo, sincero e crente:

- Assim o prometemos e assim o faremos, pelos séculos dos séculos. Amén!

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 08:20





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930