Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O CASADO ARREPENDIDO

Quinta-feira, 17.07.14

«Meu sogro, quero falar-lhe, mas é muito em particular,

Quero hoje sem demora, consigo desabafar.»

«Das seis horas em diante, nã tenho nada a fazer.

Assim com tanta urgência o que tem para me dizer?

Se é para pedir dinheiro, escusa de tempo perder.»

«Não é para pedir nada, o que eu quero contar;

Se nã leva muita pressa, eu já le posso falar.

Eu casei com a sua filha, mas não la posso aturar.»

«Para mim é novidade, o que m’estas a dizer.

Se não la pode aturar, antão que hei-de fazer.

Eu também com sua sogra, custa-me muito a viver.»

«Antão já vem de família, nã há nada que estranhar,

Mas eu nã estou resolvido com ela me incomodar.

Para não fazer uma asneira, é melhor me desquitar.»

«Venha cá, senhor finório, nã faças coisas no ar,

É que ele é muito nova, o que lhe falta é pensar,

Nunca fez certos trabalhos, é preciso a ensinar.»

«Com vinte’oito anos de idade não tem o pensar devido?

Mas sabe ela a toda a hora, maltratar o seu marido.

Entes quebrasse uma perna do que a ter arrecebido.»

«Sim senhor, diz muito bem, mas eu não fui o culpado,

Se casou com a minha filha, por ninguém foi obrigado.

E se ela casou com você, nunca foi do meu agrado.»

«Se eu sabia o que sei hoje, nunca casava com ela,

Que o serviço que ela faz, é deitada ou à janela.

Tem tudo o que é de mau, até toma a sua piela».

«Um home que assim fala nã é home cavalheiro.

Se nã qu’ria ser casado, porque nã pensou primeiro?

Mas você gostou dos dez contos que ela levou em dinheiro.»

«Tivesse eu tanto de santo como estou d’arrependido,

Nem com cem contos de dote, nunca a tinha arrecebido.

   ( …)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 22:50

REVOLTANTE

Quinta-feira, 17.07.14

A TAP, a companhia aérea nacional que apoia todos os portuguese e muitos estrangeiros, tem, muito bem escarrapachadas na sua página oficial, no site http://www.flytap.com/Portugal/pt/Homepage?GORMPTJUL1&gclid=COjVxtqIzL8CFQjItAod0GAARg, excelentes promoções para a Europa e Norte de África, com destaque para Milão 56 euros, Nice 67, Londres 73, Viena 102 e Marraquexe 279. No entanto, do Porto para o Pico, com viagens que poderiam ser de cinco a seis horas, incluindo as escalas necessárias, a demorarem muito mais e a obrigarem a pernoitar numa segunda ilha, o mais barato que se consegue são 342 euros (trezentos e quarenta e dois euros) por uma viagem de ida e volta.

Por sua vez a SATA, radicada nos Açores e transportadora aérea para todos os açorianos, espalhados pelas nove ilhas e na diáspora, embora um pouco mais módica, obriga a pagar, na mesma viagem Porto/Pico 315 euros. Como sou seu cliente assíduo, os seus prestigiosos serviços, têm a gentileza de me enviar emails, onde me disponibilizam e oferecem voos Açores/Madrid e Açores/Gran Canária, quer um quer outro, apenas por 199.euros, mas com as imagens bloqueadas e que só eu posso abrir: para proteger a sua privacidade, as imagens desta mensagem foram bloqueadas Mostrar imagens.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 15:36

PRIMÓRDIOS DO POVOAMENTO DAS FLORES

Quinta-feira, 17.07.14

Hoje sabe-se que o verdadeiro e efectivo povoamento da ilha das Flores só se terá dado por volta de 1500, pese embora, cerca de 50 anos após o seu achamento por Diogo de Teive e seu filho João de Teive, provavelmente no verão de 1452, o flamengo Guilherme da Silveira e seus companheiros, terem ocupado a ilha, segundo se crê, entre 1480-90. Esta ocupação, porém, não se tornou efectiva nem muito menos definitiva, porque Guilherme da Silveira  “não achou a terra a seu gosto”  , nem descobriu os metais que alegadamente procurava, por isso depois de ali estar algum tempo, abandonou a ilha, trocando-a por São Jorge. Assim considera-se que o primeiro e efectivo povoador da ilha foi João da Fonseca, dado que, uma vez que lhe foi confirmada a doação da ilha, por carta régia de 1 de Março de 1504, depois de a ter comprado, juntamente com o Corvo, a D. Maria de Vilhena, viúva de Fernão Teles, para ali partiu, ocupando-a de facto e iniciando o seu povoamento. Assim, pode concluir-se que entre a descoberta da ilha e o seu povoamento efectivo medeiam mais de 50 anos.

Tudo indica que, à semelhança do já haviam feito Guilherme da Silveira e os colonos que com ele trouxera, durante a sua efémera presença nas Flores, também os homens e as mulheres levados para as Flores por João da Fonseca se tenham dispersado, por vários núcleos, ao longo da costa da ilha, com cada família ou grupos afins a ocupar uma parte aqui outra além, parte que lhes coubera na distribuição inicial de terras. A própria toponímia da ilha parece sustentar a tese de uma ocupação dispersa da ilha, pois são várias as fajãs, os ilhéus e até alguns lugares com nomes de primitivos povoadores, como Lopo Vaz, Pedro Vieira, Valadões, os ilhéus de Álvaro Rodrigues, de Maria Vaz ou os lugares de Mateus Pires que perpetuam o nome de alguns dos primeiros colonos ou dos filhos desses.

Mas o povoamento foi lento e moroso, uma vez que, em finais de Quinhentos, ainda só existiam três paróquias na ilha, sendo a primeira criada a das Lajes, depois Santa Cruz e, a terceira, Ponta Delgada. É verdade que estavam muito afastadas umas das outras, mas já existiam alguns colonos noutros lugares da ilha, como nos Cedros, nas Fajãs, no Lajedo e nas outras fajãs, acima referidas, o que mostra que, a par dos principais e mais antigos povoados, pequenos núcleos haviam, desde cedo, cobrindo gradualmente toda a ilha, dando assim origem às futuras paróquias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 10:04

LUTA CONTRA A MORTE

Quinta-feira, 17.07.14

Eu vi fugir a morte e ausentar-se

A angústia de ficar, um dia, inerte...

Obstruído sonhar!... Mas que desperte,

Que continue em mim, a perpetuar-se.

 

Vi angústia da morte evaporar-se,

Envolvendo-se em sombra que se verte,

Se dispersa, evapora e até se perde,

Num oceano de espuma, a balouçar-se.

 

Eternamente ser... Na solidão

Do cosmos. Que deserto!... Que tormento!...

Que a morte nunca seja a ilusão

 

De ser somente dor ou sofrimento

E eu eterno, imortal, rio ou vulcão,

Ou apenas um simples pensamento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 01:07





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter