Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



RURALIDADE ABSOLUTA

Domingo, 26.10.14

Hoje é domingo. No meu caminhar diário, por vezes cerceado ou até bloqueado por imperativos avoengos, decido abster-me do percurso urbano, habitual, mais tranquilo e envolvente, tomando como alternativa o rural, mais abrupto e sinuoso, mas mais delirantemente puro. Cinjo-me a este pedaço de Douro que me é disponibilizado usufruir e atravesso um monte fronteiro e que me conduz à Bouça. Outrora monte ermo e solitário, povoado de denso arvoredo onde imperava o pinheiro e o eucalipto, hoje é um espaço rasgado por ruas e vielas, parcialmente alcatroadas e ladeadas de pequenas vivendas, encastoadas em férteis quintais ou courelas a abarrotar de legumes e hortaliças, protegidas por densas latadas, agora, já aureoladas com as cores do outono.

Chego à Bouça, onde o perfume da ruralidade se torna mais intenso. Emerjo entre velhos casebres, de portas abertas a exalarem o fumo dos lares, velhos alpendres de mesas postas, caminhos rendilhados de silêncio, aqui e além ornados com uma ou outra cadeira à espera de um velhinho que vai passar ali a tarde, talvez sem sentir coisa nenhuma, a não os rumores do abandono. Mais além são os esqueletos de casas, outrora belas e recheadas de pessoas e de fartura, hoje reduzidas à sua forma pétrea, com telhados caídos, cheias de tédio e de abandono. Ao lado castanheiros a desfazerem-se dos ouriços com que atapetam o chão, vinhas de caules despedidos a abdicarem das folhas já amareladas mas a oferecem uma ou outra ripinha que ficou esquecida da safra, milheirais ressequidos e, aparentemente, abandonados, silvados despidos de amoras, macieiras perdidas entre o folhedo alfeiro.

Volto a uma viela onde predominam antigas casas reconstruídas, uma outra nova, prédios alegres e coloridos, entrelaçados entre cerrados de pencas à espera da grande noite… Tudo é silêncio e a madrugada parece prolongar-se estática, indiferente à força e ao vigor do astro-rei. Apenas uma mulher a estender roupa, um velho a refrescar-se no sossego da manhã, um cão a ladrar inutilmente e um ciclista a quebrar a rotina semanal. Dois homens passeiam como se fossem namorados.

Finalmente o monte que separa Vila Cova de Mouriz. Um torrão de verdura na sua vertente leste, com o Sol a açapar-lhe em plenitude. O que mais me encanta é o ribeiro que o atravessa. Fascina-me o murmúrio da água a esbarrar-se contra os pedregulhos, a elegância dos choupos a delimitar-lhe as margens, as fugas de rega aparentemente mortas, a força verde das ervas ao redor e o espantoso silêncio do arvoredo lá no alto. Este caminho, inseguro, irregular, abrupto e intragável a automóveis e quejandos, onde um homem mija destemido e sem complexos, bem podia ser transformado numa avenida onde o casario seriam os muros arqueados sobre o silêncio e os prédios as árvores elevadas por entre os raios do Sol. Chego, apreensivo à casa dos fantasmas. Inquieto-me porque embora não acreditando, ao redor há um silêncio impressionante e assustador. Além disso a casa é um monstro desfeito e amortecido. Estórias antigas e fantasmagóricas se desenharam ali. Talvez disputas de herdeiros… Mas verdade é que dela nada usufruíram e as ruínas permanecem ali, mudas como se fossem os restos de um navio naufragado. Ao redor só há silêncio, abandono, tédio, destruição e deserto. Mais além, já na descida da encosta, outras seguem-lhe exemplo, no abandono das suas paredes, na destruição das suas formas de que apenas permanecem os esqueletos. Uma terá sido deslumbrantemente bela, casa solarenga, ornada de varandas, beirais e pináculos, com os restos de uma capelinha, ao lado. Ao redor campos forrados de fartura. Ao longe o resto deste pedaço de Douro, onde há de tudo: montes, serras, árvores, florestas, vinhedos, caminhos, casas, prédios, fábricas e até uma autoestrada.

Neste oásis de ruralidade pura e absoluta, apenas falta o mar! 

                                                                                                  

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 16:45

PACÍFICO

Domingo, 26.10.14

MENU 56 – “PACÍFICO”

 

ENTRADA

Cream Crakers cobertas com creme de pimentos dulcificados em geleia, com queijo creme fresco e perfumados com hortelã. Retalhos de queijo simples.

 

PRATO

Posta de Salmão grelhada com puré de batata e salada de pimentos e alface.

 

SOBREMESA

Rodelas de ananás e pêssego, com gelatina de morango e suspiros.

 

******

 

Preparação da Entrada: Cozer os pimentos em geleia Depois de cozidos juntar o creme de queijo fresco e triturar. Recobrir as bolachas e servir intercaladas com farripas de queijo de barra.

Preparação do Prato – Grelhar o peixe depois de temperado com alho, pimenta e orégãos. Fazer o puré de acordo com as instruções. Empratar juntando a salada de  cebola, pimentos, pepino e cenoura picados ou raspados.

Preparação das Sobremesas – Confecção tradicional.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 15:10

HOJE È DOMINGO

Domingo, 26.10.14

Hoje é Domingo

Toca o sino,

O sino é de oiro,

E o touro é bravo.

 

Hoje é domingo

Toca no sino

Deixá-lo tocar

E o galo cantar

 

O galo é francês

Pica na rês

A rês é mansa

Vai pr'a França

 

Se ela voltar

Volta a picar

Pica na burra,

Que é casmurra

 

Pica no jarro

Que é de barro

Pica no sino

O sino é de oiro

 

Pica no toiro

O toiro é valente

Mete três homens

Na cova de um dente.

 

Popular

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 11:59





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Outubro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031