Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



SAUDADE

Domingo, 15.03.15

(PEDRO DA SILVEIRA

 

Onde estará agora a que ficou no cais

Quando eu parti?

Tinha o olhar cheio de lágrimas

E com o lenço abanava,

 

            Os garajaus tinham chegado há pouco

            Com o seu coro de alegres pios.

            Na terra um ar todo de festa:

            Era o Verão anunciado.

 

Um fio de fumo fluía da chaminé do vapor,

A sereia apitou o último adeus

- e vim-me embora.

 

            Cada vez mais longe a terra fugia-me,

            Fugia-me… e a noite

            Era aquele lenço branco

            Escurecendo nos meus olhos.

 

……………………………………………………..

 

Onde estará agora

a que deixei no cais e o lenço dela

a despedir-se?

 

Lisboa, 19-III-44

 

Pedro Silveira Fui ao Mar Buscar Laranjas

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 15:17

A LENDA DA IMAGEM DE SANTO CRISTO (DA IGREJA DOS FRADES – RIBEIRA GRANDE)

Domingo, 15.03.15

Segundo uma antiga lenda, contada em S. Miguel, certo dia andavam uns homens a pescar no porto de Santa Iria, na freguesia da Ribeirinha, da Ribeira Grande. Com grande esforço aguentavam o barco com os remos lançando a linha, para pescar. Enquanto estavam nesta faina, um dos homens apercebeu-se de que ali perto flutuava uma grande caixa de madeira, já quase podre e era levada pelas ondas na direção de terra, onde decerto ia dar à costa. Levados pela curiosidade, amarraram a caixa e rebocaram-na para o porto, onde, depois de varar, a abriram. Qual não foi o seu espanto, quando viram lá de dentro uma linda imagem de Cristo. Passados os momentos de assombro, depois de muito discutirem sobre a proveniência e o fim a dar à imagem, resolveram dar conta às autoridades marítimas do seu achado. Estas, sem perda de tempo, ordenaram o transporte da caixa com a imagem, para Ponta Delgada.

Arranjaram um carro de bois, carregaram a imagem e lá se puseram a caminho. O carro guinchava, os bois gemiam, porque o porto de Santa Iria fica fundo entre altas arribas. Mas tudo correu normalmente até à Ribeira Grande. Aí, ao passarem pela igreja dos Frades, os dois bois começaram a mugir e estacaram. Não havia maneira de os fazer andar.

Os homens bem os chamava e incitavam a andar. Mas quanto mais insistiam com eles e lhes batiam, mais estáticos permaneciam, apesar das pancadas no lombo e das picadas do ferrão da aguilhada. Os bois não se mexiam, continuavam agarrados ao chão como se estivessem pregados ou uma barreira lhes tapasse a passagem. Perante tão estranho comportamento dos animais, as pessoas que se tinham juntado acharam que havia ali a mão de Deus e que era melhor deixar a imagem do Senhor Santo Cristo na igreja dos Frades, ou igreja dos Terceiros, em frente à qual os bois se tinham negado a continuar a viagem. Retiraram a imagem do carro, cuidadosamente, e levaram-na para a igreja. Depois tocaram os bois que desataram a andar e não mais se negaram a continuar viagem. Essa a razão pela qual a imagem ficou para sempre na igreja dos Frades.

 

NB – Baseada em elementos retirados da Internet

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:35





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Março 2015

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031