Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



NAU CATRINETA (II)

Segunda-feira, 06.07.15

 

Outra versão popular da Nau Catrineta:

 

Lá vem a Nau Catrineta,

Que traz muito que contar,

Há sete anos e um dia

Que andam de volta do mar!

Não tinham já que comer,

Nem tampouco que manjar.

Já mataram o seu galo

Que tinham para cantar.

Já mataram o seu cão

Que tinham para ladrar.

Já mataram o seu gato

Que tinham para miar

Não tinham mais que comer,

Nem tampouco que manjar.

Botaram sola de molho

Para no outro dia jantar.

Mas sola era muito rija

Que não a puderam rilhar.

Botaram sortes ao vento

Quem haviam de matar,

A primeira que caiu

Foi ao capitão general.

- Arriba, gageiro, arriba,

Arriba ao mastro real!

Olha se vês parais reais

Ou reinos de Portugal?

“Eu não vejo tuas praias,

Nem reinos de Portugal,

Vejo três espadas nuas

Todas para te matar.

- Arriba, Pedro, arriba,

Meu marinheiro leal;

Olha se vês minhas terras,

Ou reinos de Portugal.

O gageiro lá em riba

Em altas vozes gritara:

“Alvíssaras, senhor, alvíssaras

Meu Capitão general!

Que eu já vejo as tuas terras

E reinos de Portugal.

Se não nos faltar o vento

A terra iremos jantar.

Lá vejo muitas ribeiras,

Lavadeiras a lavar;

Vejo muito forno aceso,

Padeiras a padejar.

E vejo muitos açougues,

Carniceiros a matar.

Também vejo três meninas

Debaixo de um laranjal.

Uma lavrando ouro,

Outra a prata real;

A mais bonitinha delas

Em procura do dedal.

- Essas três são minhas filhas,

Todas três te eu hei-de dar.

Uma para te vestir,

Outra para te calçar,

A mais bonitinha delas

Para contigo casar.

“Não quero as tuas filhas,

Que Deus tas deixe gozar;

Que eu tenho mulher em França,

Filhinhos de sustentar:

Quero a Nau Catrineta

Para nela navegar.

- A Nau Catrineta, amigo,

Eu te não posso dar.

Assim que chegar a terra

Pois ela vai a queimar.

Dar-te-ei tanto dinheiro

Que o não saibas contar.

“Não quero os teus dinheiros

Pois te custam a ganhar;

Quero a Nau Catrineta

Para nela navegar,

Que assim como escapou desta

Doutra ainda há-de escapar

 

Romanceiro anotados por Teófilo Braga.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031