Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



CHARLIE E A FÁBRICA DOS DOCES

Domingo, 19.07.15

A Academia de Dança do Vale do Sousa apresentou ontem, 18 de Julho, no Auditório do Europarque, na Vila da Feira, um deslumbrante e mágico espetáculo de ballet, intitulado “Charlie e a Fábrica dos Doces”. Trata-se de uma excelente adaptação do filme “Charlie and the Chocolate Factory”, com letra de Ana Queirós e encenação de Ana Quelhas, em que participaram cerca de duzentos bailarinos e bailarinas pertencentes aquela escola de dança duriense, num maravilhoso e encantador espetáculo de som, cor, música, movimento e magia, fortemente aplaudido pelo numeroso público que, literalmente encheu o auditório. A música é da autoria de Artur Guimarães, Diogo Santos Silva e Rodolfo Cardoso. Por sua vez, a coreografia foi da responsabilidade de uma equipa constituída por Andrea Galpo, Ana Sofia Rodrigues, Bárbara Teixeira, Bianca Tavares, Catarina Pacheco, Cláudia Regado, Liana Oliveira, Joana Quelhas e Mafalda Deville.

Assim como no filme, o protagonista Charlie Bucket (Bernardo Costa) é um garoto pobre, que vive com a mãe, a Senhora Bucket (Margarida Garcês) numa pequena e pobre casa. Como a maioria das crianças Charlie adora chocolates, mas que a mãe, por ser muito pobre, não lhe pode oferecer, apesar de perto do seu casebre existir uma enorme e enigmática fábrica de maravilhosos e saborosíssimos doces, pertencente ao senhor Willy Wonka (Beatriz Maltez). A fábrica, no entanto, fechou, mas passados alguns anos reabriu e Willy Wonka lança uma estranha promoção: em cinco das inúmeras barras de chocolate que a fábrica produziu, colocou cinco convites dourados, que davam a quem os achasse o direito de passar um dia visitando a fábrica e naturalmente apreciando os variados doces que produz. Charlie tenta adquirir uma dessas barras, mas não tem nem dinheiro nem forma de encontrar nenhum dos convites. Além disso os chocolates com os convites estavam espalhados um por cada um dos cinco continentes do globo.

Mas há quem descubra os convites. O primeiro é encontrado por uma criança, Augustus Gloop (Tomás Ruão), o segundo por Veruca Salt, (Ádila Magalhães), o terceiro por Violet Beauregarde (Ana Margarida Menezes) e o quarto por Mike Teavee (José Pedro Costa).

O último convite foi achado por uma mulher da Rússia, mas descobriu-se que, afinal, era falso, precisamente no momento em que Charlie o encontra, conseguindo, assim, o tão almejado direito de visitar a fábrica, o que acontecerá na segunda parte do espetáculo.

Na Fábrica dos Doces, Charlie aprecia o fabrico de uma enorme e variada coleção de doces, representados em sublimes e mélicos bailados, todos eles executados pelos vários grupos de bailarinos e bailarinas das diversas classes que constituem a academia. Entre estes doces destacou-se, de modo muito especial e emotivo, o “Algodão Doce”, divinalmente apresentado pelas pequeninas bailarinas da classe Pré-Escola, em que está integrada a debutante bailarina Graziela Fagundes.

Como conclusão, Charlie Bucket mostra-nos que tudo é possível, levando-nos a conhecer um mundo de doces e guloseimas, sorrisos e perigos medos e conquistas… (Cf. Guião)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 11:18





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Julho 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031