Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O PAlÀCIO DE HERODES

Sábado, 21.12.13

{#emotions_dlg.fallingstar}Nos grandes e bonitos presépios que se faziam na Fajã Grande, nos anos cinquenta, por altura do Natal, o maior, mais belo e mais sumptuoso edifício que ali se colocava era o Palácio de Herodes, contrastando com a pobre e humilde casa de Barbearias, situada, por tradição, no lado oposto do presépio.

Porém, enquanto Barbearias era uma figura mítica e a sua lenda, ao que parece, era conhecida apenas na Fajã, Herodes era uma figura histórica, referida não apenas pelos evangelistas mas também por cronistas e historiadores, embora, na Fajã Grande, se contassem muitas estórias e lendas a seu respeito, embora, na Fajã Grande, se contassem muitas lendas e estórias acerca dele.

Herodes Antipas era filho de Herodes, o Grande e, após a morte do pai herdou a tetrarquia da Galileia, auto intitulando-se “rei” sem no entanto nunca ser reconhecido como tal, pelos romanos, dado que para estes. Vivendo maritalmente com Herodias, a mulher de seu irmão, fez a vida negra a João Baptista e mais tarde, na mira de matar o Menino Jesus, foi o responsável pela trágica e catastrófica “degola dos inocentes”. Quando Jesus nasceu era que governava a Galileia, uma das quatro divisões romanas da Palestina, a cujos governantes se atribuía a designação de “tetrarca”.

Sendo assim, esta personagem perversa e malina, o tal “cara de burro sem cabresto… que tinha das duas tranças mas não gostava de crianças”, segundo Torga, não podia faltar no presépio e com um maravilhoso palácio, onde abundavam a grandiosidade, a sumptuosidade, o luxo, a riqueza, a depravação e onde reinavam a concupiscência, a intriga, o ódio e a promiscuidade. Feito a partir de uma enorme caixa de papelão, com janelas e varandas recortadas e coladas, com telhado ornado de enfeites, com cortinados de veludo vermelhos por dentro da janela, era colocado distante da gruta, mas em lugar de destaque e por ali haviam de passar, obrigatoriamente, os três reis magos, na sua lenta caminhada, a tentarem obter, junto do facínora, informações sobre o local onde Jesus nascera.

O Evangelista São Marcos, descreve assim uma festa no sumptuoso palácio de Herodes: “Aconteceu então que Herodes, no dia de seu aniversário, deu um banquete a seus nobres, oficiais, e altos dignitários da Galiléia. Durante o banquete dançou a filha de Herodíades, a qual muito agradou a Herodes e seus convidados. Então o rei disse à donzela: Pede-me o que queres, e to darei. E prometeu em juramento: Dar-te-ei o que quiseres, ainda que seja a metade do meu reino. Ela foi perguntar à sua mãe: Que queres tu que eu peça? Esta respondeu: a cabeça de João Batista. A donzela foi ter com Herodes e lhe respondeu: quero que me entregues numa bandeja a cabeça de João Batista. O rei se entristeceu, mas não quis negar o pedido, visto que o havia jurado na presença de seus convidados. No mesmo instante, ordenou a um verdugo que trouxesse a cabeça de João. Este foi ao cárcere e cortou a cabeça do profeta. Logo, trazendo-a numa bandeja, entregou-a à donzela, e esta foi ofertá-la à sua mãe.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 18:11





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Dezembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031