Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O MITO DO RIO SADO

Sábado, 11.01.14

Há milhares e milhares de anos, povos de características semelhantes ou iguais aos conhecidos como pre-Abbevilenses, terão sido os ocupantes e povoadores de toda a zona litoral alentejana. De condição primitiva e rude, estes homens teriam que procurar por si próprios os seus meios de subsistência, desenvolvendo, para isso, técnicas primitivas e rudimentares, em ordem a tentar ultrapassar ou até sobrepor-se às temíveis dificuldades que, na luta pela sobrevivência,  as forças da natureza lhes opunha. E uma das grandes forças foi, incontestavelmente, a das águas.

Ao longo dos tempos, muitos povos que ocuparam e viveram no Alentejo interrogaram-se e  ainda hoje, talvez, alguns se interroguem, sobre a razão pela qual o rio Sado,  Calipus segundo os romanos e Xâter segundo os árabes, nascendo na serra do Caldeirão, passando ao lado de Ourique, correndo para o mar, na direcção de noroeste, ao chegar a Alvalade, muda o seu curso, isto, é, corre para norte, fenómeno inédito na orografia portuguesa, acabando por ir desaguar  em Setúbal e não em Santiago do Cacém, como seria mais natural.

A explicação fácil e simplista de que hoje somos detentores, centrada na morfologia do solo e personificada na serra do Cercal, não era plausível nos tempos dos pre-Abbevilenses, simplesmente porque, por um lado, desconheciam a lógica e, por outro,  a morfologia do solo lusitano, de épocas tão remotas, era substancialmente diferente da actual.

E o homem pre-abbevilense, que viveu na região onde hoje se situa  Alvalade, assim como os seus congéneres, quer de outros  tempos, quer de outros espaços, pura e simplesmente ultrapassou   os limites da sua incompreensão,  recorrendo ao sobrenatural, atribuindo a origem de tão aparentemente irregular e inexplicável fenómeno, como a de tantos outros, a  poderes, vontades e forças superiores, estranhas e sobrenaturais.

Surgiu assim uma explicação teogónica e mitológica, um mito, perdido na história e até, talvez, no paralelismo de tantos outros,

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 22:10





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Janeiro 2014

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031