Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A ROCHA DA PONTA

Segunda-feira, 30.09.13

A rocha da Ponta era um alcantil escarpado, abrupto e a pique. A única e sinuosa via que possuía outrora era uma vereda, um aclive íngreme e sobranceiro ao mar. Sítios havia, em que pedregulho, objecto ou pessoa que caísse, ia direitinho parar às águas do Atlântico, a não ser que antes se desfizesse ou esborrachasse nas fragas e penhascos que nela proliferavam.

Descia-a uma vez, de noite, quando regressava de Ponta Delgada com meu pai. Ao chegar ao Risco vislumbrava-se um maravilhoso espectáculo, uma vista deslumbrante, iluminada por um luar encantador que opondo-se à escuridão que me envolvera toda a noite. O espectáculo que observava era deslumbrante e maravilhoso! O luar, projectando-se no mar, transformava-o num espelho prateado e cristalino. Lá longe já se vislumbrava o casario da Fajã e a tímida luzinha do farol da Ponta do Baixio. O Pico da Vigia, sobranceiro ao povoado, projectava, no mar, uma penumbra clarificante que se difluía, com lenidade no oceano. O silêncio da noite apenas era cortado pelo ritmado bater das ondas junto à costa. No Rolo, circundante à grande Baía, onde se vislumbravam os montículos arrumados do sargaço simulando aldeamentos escuros, perdiam-se ondas infinitas de prata e de espuma.

Um espectáculo deslumbrante!

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 10:27





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Setembro 2013

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930