Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A BAIXA-RASA

Sexta-feira, 25.04.14

Nos mares da Fajã Grande, plantadas na parte mais ocidental da enorme baía, circundada pelo extenso Rolo que se inicia no Pesqueiro de Terra e termina, já na Ponta, no Ilhéu do Cão, existem duas interessantíssimas formações rochosas, uma e outra muito bem visíveis de terra, formando uma espécie de par: ele, o Monchique, ela a Baixa-Rasa.

O Monchique, muito maior e mais alto, mais mítico e emblemático, tem sido muito divulgado em revistas e fotos, objecto de estudos e relatos e, além disso, hoje mais do que nunca, ufana-se de ser o ponto mais ocidental da Europa. A Baixa-Rasa, ao contrário, muito pequenina, silenciosa e humilde, perdida entre temporais e ciclones, a surgir apenas com a maré vasa, tem sido a eterna esquecida. Injustamente, diga-se em abono de verdade. E se não fosse o brilho e o fulgor do Monchique ou melhor, se este não existisse, a Baixa-Rasa possuiria, de certo, a excelência de todos os predicados que a este se atribuem e teria os requisitos necessários para ser considerada um outro ex-libris da Fajã Grande.

Segundo os estudiosos dos baixios e escolhos das ilhas açorianas, a Baixa-Rasa consubstancia uma espécie de afloramento rochoso marítimo, encafuado na direcção da Ribeira do Cão, localizado a duas ou três milhas marítimas de terra. Apresenta-se, aparentemente, com uma composição geológica bastante variada, cujos materiais de origem que a constituem tem origem vulcânica, sendo, muito provavelmente, originados em escoadas lávicas, principalmente, compostas por basaltos. Estas escoadas, que apresentam um elevado índice de facturação, com os planos dessa fracturação orientados principalmente na vertical, redopiam, permanentemente, numa constante agitação, formando uma espuma esbranquiçada que se agiganta sobretudo em dias de mar bravo e durante ventos e tempestades, sendo perfeitamente visível de terra. Em horas de maré vasa é possível ver o rochedo, como uma manha escura.

Desconhecesse-se a profundidade desta formação ronda e o acesso à mesma esta formação geológica só pode ser feito de barco. A fauna e a flora dominante desta formação geológica também não tem sido estudada, mas será muito semelhante a muitas outras da costa ocidental da ilha, nomeadamente da do seu parceiro o Monchique. Sabe-se, por relato de pescadores que por ali há muito peixe, sendo um privilegiado pesqueiro de vejas e bicudas. Mas por ali abundam muitas outras espécies piscatórias como barracuda, boga, bodião, peixe-rei, castanheta, lírio, mero, peixe-porco, polvo, ratão, para além de lapas, caranguejos, ouriços e uma enorme variedade de algas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 16:13





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930