Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A CARTEIRA

Segunda-feira, 24.02.14

Daniela Furtado é licenciada em engenharia química pela Universidade do Porto. Actualmente exerce o ofício de carteiro, sendo a primeira e única mulher a exercer tal actividade na cidade onde reside.

Após terminar o curso universitário, com uma média bastante alta, foi lhe proposto fazer um estágio profissional num laboratório de análises de água e alimentos. Após o estágio e face à qualidade do trabalho realizado e à dinâmica que introduziu no sector em que se integrou e ainda, tendo em conta o seu perfil de trabalhadora qualificada e competente, foi convidada a integrar os quadros da empresa, onde trabalhou, com qualidade e afinco, durante cerca de dois anos. A empresa, no entanto, faliu e encerrou, vendo-se, Daniela, de imediato, no desemprego. Nessa altura, porém, já havia casado e era mãe de um filho, com dois anos. A piorar a situação, uns meses depois, foi abalroada por um inevitável drama conjugal. O marido, a trabalhar na empresa do próprio pai, enveredara por caminhos estranhos e duvidosos, atafulhando-se em meandros escuros, ilegais e pouco abonatórios da honra e da dignidade de marido e pai de família. Perdera-se em devaneios malévolos, em embustes e corrupção, o pulha. Despesas atrás de despesas, desfalques, roubos, falcatruas e a empresa do pai a desmoronar-se, aos poucos, acabando por ruir por completo, que nem um castelo de cartas. Quando o progenitor se apercebeu da fraude, já era tarde, muito tarde. E como o crápula se agigantara em insensatez e em inconsciência e se tornara incapaz, sequer, de submergir da alhada em que se metera, de se ressarcir em costumes e de se envolver em docilidade ou de se adereçar de arrependimento, o divórcio foi a única alternativa.

Há dias encontrei-a, na minha rua, desenvolta e graciosa, ágil e esbelta, a distribuir o correio. Aproximei-me, apreensivo e admirado, pois chegava-me à memória os tempos de criança, franzina e débil, em que fora minha aluna. Sorridente e, aparentemente, feliz, esclareceu que sem trabalho, fosse ele qual fosse, é que não havia de viver. A empresa não a indemnizara por não ter tempo de serviço que o justificasse e não tinha recebido subsídio de desemprego, nem recebia outro subsídio qualquer. Trabalhava no que quer que fosse, pois tinha que sustentar o seu menino, cuja fotografia trazia colada ao peito. Começara por empregada de balcão, passara pela caixa de um supermercado, mas, infelizmente, tudo ocasional e esporádico. Agora surgira-lhe aquela oportunidade que agarrara a todo o custo, embora também fosse efémera, uma vez que estava, apenas, em substituição de um carteiro que estava doente. Nas horas vagas ainda distribuía publicidade de um supermercado.

- Adoro este trabalho – confessou. - Circula-se ao ar livre, vagueia-se pelas ruas, vê-se gente. As cartas e as encomendas vêm neste carrinho. Até parece que viajo num mundo de sonhos, num barco de fantasia.

- E não tens receio de que alguém se meta contigo, te provoque, te ofenda ou te faça mal?

- De forma nenhuma! Os meus colegas aceitaram-me muito bem e tratam-me com respeito e carinho. É verdade que não existem mais mulheres carteiras mas eles estão habituados a lidar, no seu trabalho diário, com mulheres, porque os funcionários dos correios, na maioria, são do sexo feminino. Quanto aos moradores das casas onde faço as entregas, ai deles! Mas, geralmente, nem os vejo. Apenas um cão ou outro me faz frente, mas nenhum me mete medo

Elogiei-a. Retorquiu-me:

- Sabe uma coisa, professor? Lembro-me, muitas vezes, de um conselho que o professor nos dava nas aulas.

- Qual? – Indaguei. – Acho que vos dava tantos!..

- Pois dava. Mas lembra-se de nos dizer que, quando na nossa vida sentíssemos problemas graves, para os resolver devíamos seguir o princípio de uns filósofos gregos, cujo nome já não me lembro, mas o princípio era o seguinte: “Cerra os dentes e aguenta”? Na vida, para vencermos, há que lutar com força e tenacidade, há que ser forte!

- Eram os estóicos, os discípulos de Zenão de Citium. Esses filósofos, realmente ensinavam que o fim último da existência humana, consistia na prática da virtude e do bem e entendiam que a melhor atitude diante dos problemas, sobretudo dos mais complicados e de difícil solução era, para os poder ultrapassar, a de não nos deixarmos abater, nem muito menos vencer pelas dificuldades, nem pela dor ou pelo sofrimento. Devemos reagir com força, coragem e, se necessário, até com sofrimento, a fim de os solucionar. Os estóicos eram homens com garra e de “genica”.

- É isso que eu tenho feito, professor. Procuro, sempre, não me deixar abater. Enfrento os problemas e procuro soluções para os resolver. Tenho a certeza de que quando terminar este contrato, hei-de arranjar outro trabalho. Mas, na verdade, o meu sonho era trabalhar na minha área… E isso vai acontecer, pode acreditar.

E lá seguiu, puxando o carrinho com agilidade, segurança e entusiasmo, introduzindo uma cartinha aqui, outra ali, nunca hesitando, apesar de haver um ou outro cão que lhe ladrava, tentando, infrutiferamente, obstruir-lhe o caminho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:01





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728