Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A QUARESMA ANTIGAMENTE

Segunda-feira, 17.03.14

Na década de cinquenta e anteriores, na Fajã Grande, como de certo em muitos outros lugares das Flores e dos Açores, a população vivia a Quaresma, ou seja, o período de tempo entre Quarta-feira de Cinzas e o Domingo de Páscoa, com bastante intensidade, sentido de sacrifício e penitência. A palavra Quaresma vem do Latim quadragésima, e significa espaço de quarenta dias. Como noutros casos, entre os cristãos, o número 40 é carregado de grande simbolismo. Entre outros significados, pode entender-se como um período de preparação por causa de um grande acontecimento, ou de descanso depois de uma grande actividade, usando-se, frequentemente a expressão “está de quarentena”. No Antigo Testamento, o dilúvio durou 40 dias e 40 noites e 40 anos foi, também, o tempo que passou o Povo de Israel no deserto, preparando-se para entrar na Terra Prometida. Os habitantes de Nínive fizeram 40 dias de penitência antes de receber o perdão de Deus, 40 dias esteve Moisés e Elias na montanha e Jesus passou 40 dias no deserto.

Cuida-se que a instituição litúrgica da Quaresma tal como chegou ao século XX, foi organizada em Roma, na segunda metade do século IV. Era o grande período em que toda a Igreja fazia penitência e se purificava a fim de preparar a Páscoa.

O que na Fajã Grande mais caracterizava estes quarenta dias, era ser um tempo de jejum e penitência. As orientações da igreja, na altura, eram claras e o povo, no geral, cumpria-as a rigor. O jejum consistia na privação total ou parcial de ingestão de alimentos. Havia uns que comiam pouco e apenas em três vezes ao dia, pese embora, em muitos casos isto acontecesse todo o ano, dada a pobreza geral em que a população vivia. Por sua vez a abstinência consistia em não comer carne em todas as sextas-feiras da Quaresma. O jejum e a abstinência eram impostos, principalmente, como forma de sacrifício - a quem já fazia tantos sacrifícios - mas também como uma maneira de se educar, de ir percebendo que, o ser humano o que mais necessitava era de penitência a fim de conseguir as benesses de Deus, nomeadamente o perdão dos pecados e um lugar no Paraíso. Quem não cumprisse pecava, pelo que devia confessar estes pecados. Oficialmente, o jejum devia ser guardado apenas pelos cristãos baptizados, com a idade entre 18 e 60 anos, e em dois dias da Quaresma: na Quarta-feira de Cinzas e na Sexta-feira Santa. Por sua vez a abstinência devia ser guardada nestes dias e em todas as sextas-feiras da Quaresma.

O pároco, nesta altura, vendia as “bulas” e “indultos”, segundo as quais, mediante o pagamento de certa importância por pessoa, ficavam estas desobrigadas, isto é, poderiam comer carne na Quaresma e em todas as sextas-feiras do ano excepto nas da Quaresma. Quem não pudesse pagar esta “penitência” só tinha que cumprir, da outra forma, os preceitos de  bom cristão: Não comer carne na Quaresma e em todas as sextas-feiras do ano.

Na igreja havia vários indicadores de que a Quaresma era um tempo de penitência. Para além de se usar a cor litúrgica do roxo, não se colocavam flores nos altares e, nas duas semanas antes da Páscoa, os santos eram tapados com panos pretos, o que tornava a Quaresma um tempo feio, triste, escuro e difícil de compreender. A realização da Festa do Senhor dos Passos, na Fajã Grande, no segundo domingo da Quaresma, tornava tudo mais triste, mais negro e mais medroso. Era a imagem do Senhor, sentado na pedra e coroado de Espinhos. Na Quaresma ainda era obrigatória a confissão e a convite do pároco vinham outros sacerdotes, para ajudar a fazer alguns dias de pregação e oração e ajudar no confesso.

A cor litúrgica deste tempo é o roxo que simboliza a penitência e a contrição. Usava-se no tempo da Quaresma e do Advento, para lembrar a tristeza e a dor, sendo que na altura nos funerais era utilizado o preto.

As celebrações da Semana Santa começavam no Domingo da Paixão, quinze dias antes da Páscoa, dia a partir do qual os santos eram tapados. Seguia-se o Domingo de Ramos, com a respectiva procissão, representando a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém. Os ramos, eram benzidos na Casa do Espírito Santo de Cima, seguindo-se uma procissão até à igreja. Simbolizam-se com eles, geralmente de alecrim, a paixão e morte do Senhor.

Era também durante a Quaresma, às terças e sextas-feiras, geralmente após se fazer a Via-Sacra, ao romper da noite, que um grupo de homens subia o Outeiro e, ajoelhados, junto à cruz, quer chovesse, quer ventasse, ajoelhava, entoando cânticos e impropérios diversos e prolongados. As suas vozes, ecoando nas encostas dos montes, ressoavam e repercutiam-se sobre os velhos telhados dos casebres. Simultaneamente, em todos os lares, famílias inteiras ajoelhavam também e, em convicta e comunitária oração, uniam-se às preces dos cantores, suplicando perdão para os delituosos e pecadores e beneficência para os infelizes e sofredores.

A Quaresma, na Fajã Grande, terminava com a celebração da Páscoa, nomeadamente com a missa, durante a qual, ininterruptamente, se cantava o “aleluia” e era preparada com duas semanas e meia de uma espécie de pré-Quaresma, durante as quais os domingos eram denominados por septuagésima, sexagésima e quinquagésima.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031