Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



ERNESTO FERREIRA

Segunda-feira, 26.05.14

Manuel Ernesto Ferreira, nasceu em Vila Franca do Campo, S. Miguel, em 28 de Março de 1880 faleceu em Janeiro de 1943. Foram seus pais Mariano José Ferreira e Maria da Glória Ferreira. Estudou no Seminário de Angra do Heroísmo, onde se matriculou em e, 9 de Agosto de 1892, Completou o Curso de Teologia e foi ordenado presbítero em 1903. Foi cura na freguesia das Furnas, S. Miguel, sendo, depois, transferido para Vila Franca do Campo, em 1905. Posteriormente e até à sua morte, ocupou-se da capelania da Santa Casa da Misericórdia de Vila Franca do Campo.

A geologia, a botânica e a zoologia mereceram a sua atenção a par da etnografia, do folclore, da geografia humana, particularmente da ilha de S. Miguel, e da história dos Açores. Possuía uma inteligência profunda, excelentes e apuradas faculdades de observação e de crítica e um escrúpulo científico, As suas obras, a par de serem subsídios valiosos, que ninguém que pretenda estudar os Açores pode ignorar, constituem leitura aprazível mesmo para espíritos avessos à sabedoria.

Como jornalista regional dirigiu os semanários Actualidade e A Crença, de Vila Franca do Campo, e colaborou no Autonómico, no Correio dos Açores e no Diário dos Açores.

Foi professor do Instituto Vila-franquense; secretário da Sociedade Afonso Chaves, até à sua morte, e co-director da sua revista Açoreana, sendo ainda o representante, nos Açores, do Grupo Português de História das Ciências e membro da Academia das Ciências de Lisboa.

Obras principais: Elogio Histórico de Bento de Gois, El-Rei D. Carlos I - Elogio fúnebre proferido no dia 1 de Abril de 1908, na Matriz de São Miguel, nas solenes exéquias mandadas celebrar pelo Senado de Vila Franca do Campo, Esboço duma apreciação ou o Dr. Ferreira Deusdado, educador, filósofo e escritor, Bispos filhos dos Açores, Uma família histórica; O Conde de Botelho, Um educador micaelense: o padre João José d’Amaral, A alma do povo micaelense, La pesca dell’Albacora nelle Azzorre. Venezia, Ponta Garça e a sua Igreja Paroquial, Viagem nupcial das eirós dos Açores, Gigantes dos mares dos Açores, O Coronel Francisco Afonso Chaves; O naturalista, Gafarias nos Açore), Escombrídas dos Açores, O vilão das representações populares da Ilha de S. Miguel, O arquipélago dos Açôres na história das ciências, Ápodes dos Açores, Antiguidade da poesia popular açoreana, Seláceos dos Açores, Reminiscências do teatro vicentino nos Açores, No septimo centenário de Santo António de Lisboa, Estudos filosóficos nos Açores. Esboço histórico, Doutor Alfredo Bensaúde, o professor e o mineralogista, O arquipélago dos Açores, e a vaga sísmica do 1.o de Novembro de 1755, Monumentos do passado - A igreja e o convento da Caloira na ilha de Sam Miguel, As romarias quaresmais na Ilha de Sam Miguel; Sua origem e antiguidade, Ao Espelho da Tradição, Observações sobre alguns mamíferos dos Açores e Três patriarcas do romantismo nos Açores.

 

Dados retirados do CCA – Cultura Açores

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 19:18





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog