Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



JOGRAIS - O NABO GIGANTE

Terça-feira, 11.02.14

(BASEADO NO LIVRO DE ANTÓNIO MOTA COM O MESMO TÍTULO)

 

TODOS -        Numa aldeia / à beira duma montanha / havia uma pequena casa / coberta de musgo.

SETE -            Junto da casa havia uma horta.

UM -               Na horta havia uma laranjeira.

UM-                Que dava laranjas muito doces.

UM -               Um limoeiro.

UM -               Que dava limões muito grandes.

UM -               Uma cerejeira.

UM -               Que dava cerejas brancas.

UM -               Três videiras.

UM -               Que davam enormes cachos de uvas saborosas.

UM -               Uma capoeira que tinha:

UM -               Galinhas e galos.

UM -               Perus.

UM -               Codornizes e patos.

TODOS -        Junto da casa havia uma horta.

SETE -            Na horta havia um tanque.

UM -               Por cima do tanque havia uma bica que deitava água fresca todo o ano.

TODOS -        Numa aldeia / à beira duma montanha / havia uma pequena casa / coberta de musgo.

SETE -            Na casa viviam duas pessoas.

UM -               Um velho.

UM -               Muito magro e baixinho.

UM -               E a sua mulher.

UM -               Alta / gorda e velhota.

SETE -            Na casa viviam duas pessoas.

UM -               O velho.

UM -               Sachava.

UM -               Regava.

UM -               Mondava

UM -               Colhia.

TODOS -        E comia o que a terra dava.

UM -               Também repartia

UM -               Com as galinhas e os galos.

UM -               Com os perus.

UM -               Com as codornizes e os patos.

SETE -            Que viviam na capoeira.

TODOS -        Numa aldeia / à beira duma montanha / havia uma pequena casa / coberta de musgo.

UM -               Num ano.

UM -               Quando os primeiros dias da Primavera trouxeram sol e calor.

SETE -            Os pássaros começaram a voar sobre a terra.

UM -               À procura de raízes finas.

UM -               De penas.

UM -               De trapinhos e ervas secas.

SETE -            Coisas leves que levaram no bico.

UM -               Para cima das árvores.

UM -               Para os buracos dos muros.

UM -               Para os telhados.

UM -               Para os beirais.

TODOS -        Para aí construírem os ninhos.

SETE -            Caminhas fofas.

SETE -            Onde haviam chocar os ovos.

SETE -            Para que outros passarinhos nascessem.

SETE -            Bem protegidos e agasalhados.

TODOS -        Os pássaros começaram a voar sobre a terra.

UM -               Um dia...

TODOS -        Na aldeia onde havia uma pequena casa / coberta de musgo,

UM -               Onde viviam duas pessoas,

UM -               O velho, muito velhinho,

UM -               Levantou-se muito cedo,

UM -               Tomou o pequeno-almoço,

SETE -            E foi trabalhar para a horta.

SETE -            Que ficava junto à casa / coberta de musgo.

UM -               Encheu uma carreta com estrume do galinheiro,

UM -               E levou-a para a horta,

SETE -            Que ficava junto à casa coberta de musgo.

UM -               Com um ancinho espalhou o estrume sobre a terra,

UM -               E cavou-a com a sua enxada,

SETE -            Muito velha,

SETE -            Muito pesada,

SETE –           Muito usada.

TODOS -        E o velho muito transpirado,

UM -               Pôs a terra muito lisinha,

IM -                Tirou do bolso um pacotinho com sementes de nabo

SETE -            E semeou-as no chão cultivado.

UM -               Delicadamente.

UM -               Com muitos vagares,

UM -               Com muito amor.

TODOS  -       Na horta que ficava junto à casa  / coberta de musgo.

UM -               Depois cobriu as sementes com terra,

UM -               Regou-as com água do tanque

UM -               E disse.

RAPAZES -   Façam favor de crescer, / está bem?!

UM -               Os dias passaram ... muito devagar,

UM -               Os passarinhos nasceram nos ninhos / e começaram a pedir comida aos pais / que voavam muito atarefados.

TODOS -        E na horta que ficava junto à casa / coberta de musgo.

UM -               O sol aquecia a terra,

UM -               Fazia desabrochar as folhas,

UM -               E as flores.

UM -               E as sementes dos nabos

UM -               Bem estrumadas

UM -               Bem regadas

UM -               Bem mondadas

SETE -            Transformaram-se em pequeníssimos rebentos verdes

MENINAS -   E mais tarde em grandes plantas.

UM -               E numa tarde o velho descobriu que um nabo crescia mais do que os outros,

UM -               Ficou curioso,

UM -               Contou à mulher

UM -               E todos os dias corria para a horta para ver o nabo.

RAPAZES -   E o nabo estava cada vez maior.

TODOS -        Na horta que ficava junto à casa / coberta de musgo.

UM -               E o nabo ia crescendo...

SETE -            Crescendo...

RAPAZES -   Crescendo...

TODOS -        O nabo era gigante.

UM -               O nabo tinha a altura do velho

UM -               O nabo continuava a crescer

SETE -            Hora a hora,

SETE -            Dia a dia.

TODOS -        Na horta que ficava junto à casa / coberta de musgo.          

UM -               E o nabo já incomodava

UM -               As alfaces

UM -               As abóboras

UM -               As couves

UM -               E o velho muito velho

TODOS -        Que morava na casa coberta de musgo,

UM -               Decidiu ir arrancar o nabo.

UM -               E foi para a horta

TODOS -        Que ficava junto à casa coberta de musgo.

UM -               Agarrou-se ao nabo

UM -               E puxou uma vez,

UM -               Duas vezes...

UM -               Três vezes,

UM -               Com muita força.

TODOS -        Mas o nabo não se mexeu.

UM -               E o velho chamou a mulher para o ajudar.

UM -               A velhota veio e puxou o velhinho,

UM -                O velhinho puxou o nabo

TODOS -        Mas o nabo não se mexeu.

UM -               E a velhota chamou uma menina que vivia lá perto.

UM -               A menina veio e puxou a velhota

UM -               A velhota puxou o velhinho,

UM -                O velhinho puxou o nabo.

SETE -            Fartaram-se de puxar.

TODOS -        Mas o nabo não se mexeu.

UM -               E a menina foi chamar o irmão que andava a brincar,

UM -               O rapaz veio e puxou a menina.

UM -               A menina  puxou a velhota

UM -               A velhota puxou o velhinho,

UM -               O velhinho puxou o nabo.

SETE -            Fartaram-se de puxar.

TODOS -        Mas o nabo não se mexeu.

UM -               E o rapaz resolveu chamar o seu cão / que era grande, meigo e muito forte.

UM -                E o cão veio ajudar a puxar o nabo.

UM -               O cão puxou o rapaz.

UM -               O rapaz  puxou a menina.

UM -               A menina  puxou a velhota

UM -               A velhota puxou o velhinho,

UM -               O velhinho puxou o nabo.

SETE -            Fartaram-se de puxar.

TODOS -        Mas o nabo não se mexeu.

UM -               O cão ladrou a um gato

UM -               E o gato veio a correr para ajudar a tirar o nabo.

UM -               E o gato puxou o cão.

UM-                O cão puxou o rapaz.

UM -               O rapaz puxou a menina.

UM -               A menina  puxou a velhota

UM -               A velhota puxou o velhinho,

UM -               O velhinho puxou o nabo.

SETE -            Fartaram-se de puxar.

TODOS -        Mas o nabo não se mexeu.

UM -               O cão ladrou a um gato

UM -               E o gato pôs-se a miar

UM  -              E apareceu um rato muito pequenino.

UM -               O rato puxou o gato

UM -               O gato puxou o rato.

UM -               O cão puxou o rapaz.

UM -               O rapaz puxou a menina.

UM -               A menina  puxou a velhota

UM -               A velhota puxou o velhinho,

UM -               O velhinho puxou o nabo.

SETE -            Puseram-se a puxar...

SETE -            A puxar...

MENINAS -   E de repente...

TODOS -        O nabo saiu da  terra / na horta que ficava junto à  casa / coberta de musgo.

UM -               E o gato caiu sobre o rato,

UM -               E o cão sobre o gato,

UM -               E o rapaz sobre o cão.

UM -               A menina sobre o rapaz,

UM -               A velhota sobre a menina,

UM -               O velhinho sobre a velhota

TODOS -        E o nabo ao lado de todos.

UM -               A velhota era boa cozinheira,

UM -               Cortou o nabo em pedacinhos,

UM -               E fez um cozinhado

UM -               Muito apetitoso,

UM -               Muito saboroso,

TODOS -        Na casa coberta de musgo.

UM -               E o rato,

UM -               O gato,

UM -               O cão,

UM -               O rapaz

UM -               A menina

UM -               A velhota,

UM -               E o velhinho

TODOS -        Comeram um fabuloso cozinhado / feito com o nabo / apanhado na horta / da casa coberta de musgo / na aldeia à beira da montanha.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 09:38





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728