Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



JOSÉ BENSAÚDE

Domingo, 23.02.14

José Bensaúde nasceu em Ponta Delgada, a 4 de Março de 1835, tendo falecido em1922, tendo pertencido à primeira geração de judeus naturais dos Açores.

Cuida.se que foi a falência comercial de pai que o impediu de seguir uma carreira totalmente dedicada às letras, como teria sonhado. Autor de algumas poesias e regular colaborador na imprensa local, José Bensaúde manteve, até ao fim da sua vida, um peculiar interesse pela cultura e literatura. De resto, ao longo dos anos, a sólida amizade com Antero de Quental, a obsessão com a reunião de informações sobre a produção e a transformação de tabaco e o cuidado posto na educação de seus filhos são reveladores do seu incessante interesse pelas letras e pelo desenvolvimento científico e tecnológico do seu tempo.

Com 23 anos de idade, em 1858, José Bensaúde foi convidado para organizar uma das mais importantes fortunas fundiárias da ilha de S. Miguel – a casa do Morgado Caetano de Andrade Albuquerque, enteado de António Borges da Câmara Medeiros. Até 1870, José Bensaúde desempenhou com competência e dedicação estas funções. A fama que granjeou como administrador tornou-o respeitado no universo dos negócios da ilha, sendo depois convidado pelo Visconde da Praia, irmão de António Borges, também grande proprietário fundiário da ilha, para organizar a contabilidade de sua casa. Organizou ainda as contabilidades agrícolas de Ernesto do Canto e de Jacinto Fernando Gil, visconde do Porto Formoso. Anos mais tarde, a título de amizade, administrou os bens de Maria Carlota da Câmara Borges, viúva de António Borges e administrou, também, as propriedades do Conde da Ribeira Grande - o maior senhor fundiário da ilha.

A fama de gestor competente e escrupuloso valeu-lhe a nomeação para desempenhar o cargo de secretário da Junta Administrativa das Obras do Porto Artificial de Ponta Delgada, onde permaneceu entre 1861 até 1872 – desde a data da fundação à da dissolução. A José Bensaúde cabia a gestão dos dinheiros e a encomenda dos materiais para a construção do porto.

José Bensaúde também se interessou pela cultura do chá, tendo construído uma pequena fábrica de secagem, preparação e manipulação das folhas de chá. Também a plantação de matas de criptomérias esteve entre os seus investimentos, pois a lenha era um inestimável combustível para o forno de cal, para a secagem do chá e para a preparação do tabaco. As matas também forneciam a indispensável madeira para construir as caixas para o transporte, outrora da laranja, e, agora, do ananás.

Paralelamente aos projectos agro-industriais, José Bensaúde ainda teve interesses na navegação. Tinha acções na Empresa Insulana de Navegação e na Empresa Nacional de Navegação. Também negociava aprestos marítimos, fornecia carvão aos vapores e era sub-director de uma companhia espanhola de seguros mútuos. José Bensaúde também possuía inúmeras acções. Detinha uma carteira de títulos de empresas micaelenses, no valor de quase cem contos de réis. À semelhança dos demais empresários de sucesso da ilha de S. Miguel, também adquiriu acções da Companhia de Seguros Açoreana, Banco Micaelense e Fábrica de Santa Clara. Trabalhador infatigável, José Bensaúde morreu milionário aos 87 anos. Deixou uma importante fortuna construída por si.

Como escritor destacou-se com as obras Genealogia Hebraica. Portugal e Gibraltar, séculos XVII a XX, A Vida de José Bensaúde, José Bensaúde: self made man e Os Judeus Sefarditas entre Portugal, Espanha e Marrocos.

 

Dados retirados do CCA – Cultura Açores

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 22:36





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728