Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



LUISA EM VEZ DE EUNICE

Quarta-feira, 10.10.18

Quando, pela primeira vez, recebi o veredicto de que poderia ir sozinho ao arraial da Senhora da Saúde foi, para mim, um total deslumbramento. Eu era ainda muito pequenito, talvez ainda nem tivesse cinco anos. Por impertinência minha, depressa me prepararam, lavando-me, em água fria e com sabão azul das pontas dos pés ao cocaruto da cabeça. Fiquei a cheirar a lavado que era um consolo. Depois inspeccionaram-me a cabeça a pente fino. Mas nada! Nem piolhos, nem lêndeas. De seguida enfarpelei-me eu próprio: uma camisa de seda cor-de-rosa, calças curtas com suspensórios castanhos, ligados à frente e sobre o peito com uma espécie de tira de papelão oval, ornamentada com uma macacada qualquer, peúgas brancas e sapatos de pele de cabra. Um luxo! Bem penteadinho, trinta centavos no bolso, mãos a abanar e com um ar de grande senhor lá fui numa correria louca, numa alucinação inexaurível e com uma alegria viva, contagiante e indescritível.

Era sábado, véspera da festa e o arraial já há muito havia começado. A Praça estava pejada de gente e a Rua Direita toda engalanada. Presas nas varandas ou pregadas nos cantos das casas e estendidas em fio barbante uma enorme quantidade de bandeirinhas de todas as cores suspendiam-se em ziguezague, dando à rua um ar festivo e um colorido desusado. Dezenas e dezenas de pessoas, muitas delas vindas de outras freguesias da ilha, desciam-na e subiam-na para voltar a descê-la, em grupo, em pares ou isoladamente, num vaivém invulgar. O café da Chica estava repleto de homens e a loja do Senhor Rodrigues a abarrotar de gente. Muito a custo lá entrei e fui atendido com alguma dificuldade, até porque o investimento era minúsculo, pese embora significasse uma terça parte do meu pecúlio: um rebuçado com sabor a morango por dez centavos. Saí deliciando-me em doçura e cheguei ao adro da igreja onde se situava o verdadeiro epicentro do arraial.

O adro ainda estava mais ornamentado e povoado do que a Rua Direita. Do alto da cruz da igreja despendiam-se em arcos côncavos carreiros e carreiros de bandeirinhas que vinham prender-se nas varandas e cantos das moradias circundantes. Sobre um coreto de madeira a “Senhora da Saúde”, com os instrumentos ainda a brilhar de novos, deliciava os presentes com os seus acordes musicais. Num dos cantos do adro, um dos locais mais procurados pelos homens, o Albino orientava o jogo em que o principal protagonista era um boneco de madeira suspenso, na cintura, por um eixo e que rodopiava sobre um caixilho também de madeira, apoiado no chão com algumas pedras. O jogo consistia em atirar, de uma distância previamente delimitada, cinco bolas ao boneco, por um escudo. Quem acertasse no dito cujo e conseguisse que ele desse uma volta completa sobre si próprio receberia um prémio: um chocolate, uma laranjada, uma cerveja ou um pirolito, dos de bola. Ao lado o quiosque da quermesse com duas rifas. Uma constituída pela roleta e a outra por pequeninos quadrados de papel muito bem enrolados, uns em branco, outros com um número que correspondia a um prémio. Todos os números e os prémios respectivos constavam de uma lista que, à medida que cada prémio era entregue ao sortudo que o tirara, se ia descarregando. Investi mais dois terços do meu pecúlio: vinte centavos por um bilhete. Desenrolei-o e estarreci por completo: era branco, branco que nem a cal. Bem me apeteceu voltar atrás e ir comprar dois rebuçados, mas já era tarde. Fiquei triste e macambúzio de olhar fixo na roleta que representava a outra rifa ali existente. Era uma roda de madeira presa num pau e a rolar sobre um eixo. A roda tinha colado na frente um papel branco, rigorosamente dividido em dezasseis partes iguais, separadas no bordo por pregos e com oito nomes de homens alternados com outros tantos de mulheres, escritos à mão sobre o papel branco. Na parte superior do pau e encaixada entre os pregos havia uma palheta que ia travando o rodopiar da roleta, depois de movimentada manualmente, até a parar por completo, indicando assim o nome sorteado e que correspondia a um dos bilhetes que havia sido vendido.

Estava eu a observar esta pequena obra de engenharia arraialesca quando me surge pela frente o meu vizinho que era professor no Seminário de Angra e estava a passar férias na Fajã. Sem mais de meias, resolve comprar um bilhete com o nome de uma sua prima chamada Eunice e oferece-mo, dizendo:

 - Está atento ao nome que sair pois o prémio é para ti!

Todo contente e esperançado, fiquei ali bem quietinho até a roleta andar. De bilhete em riste, esperei algum tempo que me pareceu uma eternidade. Finalmente a roleta andou… Rolou… andou... rolou... avagarou e, finalmente, parou. E não é que saiu o nome de Luísa, mesmo ali bem ao lado e coladinho ao de Eunice que o meu vizinho me tinha oferecido e que eu guardava religiosamente

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031