Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



MAE

Quarta-feira, 05.08.15

Mãe eras mais do que uma mulher.

Eras duas, três mulheres...

Eras todas as mulheres do mundo.

Mãe lavravas, sachavas, plantavas...

E ainda te sobrava tempo para nos amares.

Mãe, nos beliscavas, ralhavas e acariciavas.

Mas era tudo amor. Amor puro de mãe pura.

Na madrugada, acendias o lume com lenha verde,

Choravas com o azedume dos incensos mas clareavas toda a casa.

Mãe sopravas, sopravas, respiravas fumo e a água fervia.

O silêncio informava que pai há muito se levantara.

O ar puro confidenciava que o café de favas e chicória já estava pronto.

Café de mistura. Feito por mãos puras e ternas.

E exalava um perfume tão doce.

Enchia a casa e chegava às nossas camas.

Depois chamavas por nós: um para ir buscar as vacas,

Outro acarretar água da fonte. Outro tirar o esterco do palheiro…

Depois, sentávamo-nos à mesa e partilhavas pão, queijo e café.  

 

Mãe, já não trabalhas, não plantas, não fazes café de mistura.

Faz hoje sessenta e três anos que partiste

Mas continuas amando-nos.

Os que estão e que já partiram para junto de ti

Tenho saudades de seus beliscões.

Das tuas recriminações... De suas carícias...

Daquelas manhãs de silêncio...

Onde o ar era puro e o café de mistura.


NB – Adaptação do poema “Mamãe” de Marco António do Nascimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 20:46





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Agosto 2015

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031