Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O CORAÇÃO DA MINHA MÃE

Domingo, 16.03.14

(UM CONTO DE DIAS DE MELO EM DIA DE CARNAVA)

 

Depois vinham os mascarados.

 Mas, durante a seroada, enquanto as horas decorriam ao redor da pedra do lar, o que importava eram as filhoses.

Minha Mãe levava a manhã a amassá-las. A manhã ou a tarde? Não sei. Foi há tantos anos! E tanta coisa tem acontecido!... Tanta!...

Lembro-me de que, antes via minha Mãe na cozinha, à volta do grande alguidar de barro, de loiça de Vila Franca do Campo, assente no banco de pinho em frente á janela, o lenço na cabeça amarrada para trás, as mangas do vestido puxadas para cima… E tudo começava pela mistura dos ovos com o açúcar: ovos partidos na borda do alguidar, gemas e claras batidas no fundo, açúcar que tombava dos embrulhos chegados do botequim… Os olhos não se me desprendiam daquela papa langanhenta de ovos com açúcar e a água crescia-me na boca. Os mês olhos – e os olhos de meus irmãos; a água a crescer-me na boca – e na boca de meus irmãos. Às vezes, íamos a molhar o dedo, a levar o dedo aos lábios…

- Safa, canalha! Não sejam subejos – zangava-se minha Mãe. Ou fingia que se zangava?

Maiores, mais numerosos que os embrulhos de açúcar – os de farinha alva, que minha Mãe derramava no alguidar. Com água, que ia deitando até que bastasse. Com sal, que deixava cair até que desse gosto. E o fermento – claro, o fermento. E levava tempos a amassar, curvada, o avental de linho por diante do vestido de holanda, as mãos, os braços, a entrarem e a saírem, e tornando a entrar e tornando a sair, na massa muito amarela, pouco a pouco a se tornar mais ligada, mais compacta. Quando via que estava bem, arredondava-a com as palmas das mãos abertas e, de cabeça erguida e de expressão grave, traçava-lhe no alto, com a direita, a grande cruz, em nome do Padre, do Filho e do Espírito, que Deus te aumente e te acrescente!

Pegava então ao colo no alguidar com a massa. Pegava-lhe como quem pega num menino. Um menino que levava para o quarto de dormir e deixava, abafado com muitas roupas, longas horas na cama. Se nos surpreendia, sorrateiros, olho atrás, olho adiante, a meter o braço por debaixo daquele monte de roupa e a levar à boca gulosa o dedo pingando massa, lá tornava:

- Que canalha esta! Daqui para fora! Não vêem que fica feio ser subejos?

Aquela zanga de minha Mãe… Fincávamos os olhos no chão, sentíamos nas caras a cor da malagueta. Feio ser subejos… Mas quem podia resistir à tentação?

Á noite, o alguidar com a massa – o menino que ficara aquelas horas todas a dormir, a crescer – saía em triunfo da cama, da quentura das mantas e dos cobertores, voltava, em procissão de festa, minha Mãe à frente, com ele seguro no círculo dos braços, nós todos atrás, assim voltava à cozinha, para a amassaria encostada ao frontal, a massa para as filhoses, crescida, muito crescida, muito fofa…

Ardia em labaredas, o lume na pedra do lar. O lume das achas da lenha que acarretávamos, os rapazes e meu Pai aos ombros, as raparigas e minha Mãe à cabeça. As achas que serrávamos e fendíamos com nossas mãos a calejarem-se para a vida negra na cabeceira da serra e no cabo do machado. E as chamas dançavam debaixo da grelha, o grande caldeirão em cima com a graxa dentro, a chiar.

Lá fora, andava a chuva, o vento, o frio. Ali, ao redor do lume na pedra do lar, havia calor. Calor de fogo. Calor de paz – de amor. A massa, aos punhados nas mãos de minha Mãe, passava do alguidar para a tábua da amassaria, e cada punhado de massa, estendido, adelgaçado, transformava quase numa folha de papel muito fina e redonda (com uma garrafa a servir de rolo) – ia, dependurada pelo meio nos dedos longos de minha Mãe, a cair na bocarra do caldeirão, com graxa dentro, a chiar, a chiar… As mãos de minha Mãe, os dedos de minha Mãe, trabalhando, movendo-se na cozinha, com alegria – para alegria de todos nós.

E as filhoses, tiradas do caldeirão espetadas num garfo, começavam a amontoar-se na ampla travessa de loiça de cavalinhos, polvilhadas com açúcar pelos dedos de minha Mãe.

 - Comam! Comam!

Já minha Mãe nos não chamava de sobejos. Ria – seus olhos riam, seus lábios riam, sua alma ria – enquanto nos fartávamos…

Hoje, eu sei: o coração de minha Mãe nunca se zangava.

 E lá fora, a chuva, o vento, o frio. Meu Pai acabava de chegar – e acabava de se encher na nossa casa.

Havia mais calor, Mais calor do fogo na pedra do lar. Mais calor de paz – de amor…

 Depois, vinham os mascarados. Depois, no dia seguinte. Os mascarados inocentes. E também os outros: os mascarados que só tiram a máscara pelo Entrudo. Ou nem pelo Entrudo a tiram e apenas a mudam por escassos momentos.

Tudo acabou! Tudo! Menos os mascarados – os outros mascarados -, que esses nunca mais acabam.

Quantos porque a madrasta da vida os obriga a andarem sempre de máscara na cara!

 

DIAS DE MELO

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 18:00





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Março 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031