Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O DESCANSADOURO DA BANDEJA (FAJÃ GRANDE DAS FLORES)

Quarta-feira, 20.08.14

O descansadouro da Bandeja, na Fajã Grande, era um dos mais pequenos e menos frequentados da freguesia, uma vez que, situado no lugar com o mesmo nome, servia apenas de local de descanso aos homens que ali se deslocavam, a que se juntavam, simplesmente, os que vinham das Queimadas, assim como os que regressavam das suas lides e trabalhos no Outeiro, mas apenas na parte do Outeiro paredes-meias com a Bandeja e que eram muito poucos. É que o chamado Caminho da Bandeja terminava nas Queimadas e nele desembocavam, somente, duas canadas: uma, a que vinha dos lados do Outeiro e que se cruzava com aquele caminho mesmo no coração da Bandeja, a outra, situada bem lá no alto das Queimadas, prolongando-se estendendo-se na direcção da Rocha, ligando as Queimadas à Laje da Silveirinha. No entanto, quem viesse com molhos ou cestos às costas daquelas bandas nunca viria por esta canada e pela Bandeja, percurso mais distante e, sobretudo, de muito pior qualidade.

Essa a razão por que o descansadouro da Bandeja era muito pouco frequentado, a não ser nos meses de Abril e Maio, em que o gado estava amarrado à estaca, nas forrageiras. Nesta altura do ano, à tardinha, antes da ordenha da tarde e de se dar às rezes a última cordada, aquele descansadouro enchia-se de homens, muitos vindos da Fonte-Cima e até do Batel, outros com gado na Bandeja e arredores, para ali se sentarem, a fumar, a falquejar, a conservar e, sobretudo, a descansar.

Situado numa zona bastante alta, no largo da entrada para a Canada do Outeiro, o descansadouro da Bandeja gozava de uma vista privilegiada sobre o oceano, sobre as Águas, a Ribeira das Casas e, mais além, sobre a Ponta com a sua igrejinha dedicada à Senhora do Carmo, de cujos sinos o toque das trindades ali se ouvia, podendo ainda observar-se e beneficiar da sombra da Rocha que se estendia da Figueira até ao Risco da Ponta, recortada das suas belas cascatas como da Ribeira das Casas, da Ribeira do Vime e da Ribeira do Cão e muitas outras grotas, impondo-se solene e majestosa.

Este descansadouro ficava voltado para o noroeste, pelo que era protegido dos ventos do sul e de sueste por uma alta e grossa parede, junto à qual se fora construindo uma pequena banqueta, feita de pedras rústicas e soltas que crescia sempre que o número de utentes aumentava.

Um sonho, este mítico descansadouro da Bandeja!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 17:49





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Agosto 2014

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31