Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O MILAGRE

Sexta-feira, 18.04.14

Fez-se um silêncio enorme, enigmático, perplexo, inexplicável e quase incompreensível, que durou alguns minutos. Apenas se ouvia o roncar tremendo dos trovões a misturarem-se com o ciciar deslizante da lava efervescente e os latidos dos cães, também eles em enigmática aflição. O povo, interiorizando as palavras de Frei José das Cinco Chagas, como se quisesse fixá-las para sempre na memória de todos, gravá-las em letras incorruptíveis no coração de cada um, rezava, implorava, meditava e suplicava a protecção do Divino Espírito Santo, aguardando que as suas fervorosas e humildes preces chegassem junto ao trono do Altíssimo. Os momentos eram silenciosos, longos, doridos e amargos. O tempo, tingido de angústia e sofrimento, demorava e, como que se transformava-se numa eternidade

Muito a custo se passaram algumas dolorosas e angustiantes horas, após as quais, para espanto de todos, aqueles terríveis e fortíssimos tremores começaram a diminuir de intensidade e a ouvirem-se como se fossem apenas um eco. Ao mesmo tempo aquele rio de lava incandescente e destruidor, que descera ininterruptamente pelas encostas da montanha, como que parecia, agora, menos intenso e, aos poucos, o imensurável manto de lava que se havia derramado sobre toda aquela zona, entre Santa Luzia e Bandeiras, parecia ir adquirindo uma cor mais amarelada, mais escura e mais estranha.

Ao meio dia já nem o eco daqueles tenebrosos e aterradores trovões secos se ouvia, a torrente de lava parecia ter-se escoado por completo e o chão desde há muito que não tremia. Um Sol sereno, quente e acariciador desceu sobre a parte sul da ilha, envolvendo-a com um manto doirado. O vento começara a soprar mansamente de Oeste e o mar tornara-se tranquilo e mais azulado. Um misto de perplexidade e alegria como que começava a inundar os ânimos de quantos até então se encontravam exaustos e prostrados no pequeno átrio da ermida. Um a um, os habitantes de Santa Luzia, que até então haviam permanecido deitados, ajoelhados, prostrados, enrolados em cobertores e em sacos de serapilheira, iam-se levantando, na expectativa de que aquele, afinal, ainda não seria o último dos dias de suas vidas. O espectro do medo, do terror e da morte ia-se desanuviando, estranha e lentamente, como um amanhecer de verão que, aos poucos, se ia clarificando. O povo tímido mas expectante, começava a acreditar num milagre. O Senhor Espírito Santo viera em seu auxílio. Salvara-o.

Frei José das Cinco Chagas havia colocado a coroa do Divino Espírito Santo, sobre uma pequena mesa à entrada do templo. O velho ermitão permanecera toda a manhã, de joelhos, debruçado sobre a mesa e com a cabeça reclinada sobre os braços, em profunda e convicta oração.

De longe começavam a chegar ao largo fronteiriço à igreja homens e mulheres, vindos do Lajido, dos Arcos, do Meio Mundo, da Miragaia, do Cachorro e até das Bandeiras, que se juntavam à multidão, aglomerada no largo, em frente à ermida, contando e narrando factos extraordinários. No Cachorro, todo a zona envolvente à ermidinha da Senhora dos Milagres, construída há pouco mais de trinta anos, fora poupada pela lava. A enorme e caudalosa torrente destruidora, ao chegar junto da ermida, por intercessão de Nossa Senhora, Mãe de Deus, afastara-se dela, deixando-a intacta assim como todas as casas ao seu redor. Mais acima havia um boi a pastar num campo, que também poupado à fúria avassaladora da torrente. Ao redor tudo tinha sido destruído. Aquele boi estava a ser criado para ser oferecido ao Senhor Espírito Santo. Lá para os lados do Meio Mundo um outro campo cujo trigo havia de ter o mesmo destino, também não fora atingido pela lava incandescente. Estas e outras narrações passavam de boca em boca e iam chegando aos ouvidos de todos, ao mesmo tempo que os ia animando, revitalizando, enchendo de força e coragem e sobretudo e de um estranho sentimento de fé e confiança - algo de sobrenatural pairava sobre todos, uma força estranha e divina protegia-os. O Senhor Espirito Santo, em cuja força e poder haviam confiado, salvara-os.

E quando ao fim da tarde, o povo reunido começava a partir dali, na possível demanda dos seus lares, na quase certeza de que tudo passara, cada um dos que ali haviam permanecido o dia inteiro, ia sentindo dentro de si e acreditando convictamente que só um milagre, um grande milagre da força e do poder do Divino Espírito Santo os havia salvo. Por isso mesmo, todos sentiam dentro de si aquela força incrível - o vínculo que os unia na promessa que conjuntamente haviam feito e que todos haviam de cumprir e transmitir aos seus filhos e aos seus netos para que a cumprissem para sempre e jamais esquecessem aquela promessa que ajoelhados diante da coroa que Frei José erguera e com que os abençoara, haviam feito ao Divino Espírito Santo.

E transitando em grupos, pelas ruas, às escuras, com destino a lugar nenhum, entoavam cânticos de louvor ao Divino Espírito Santo:

“Ó Senhor Espírito Santo

Nós rogamos com clamores

Mandai que nesta terra

Não haja mais tremores.

 

Glória ao Pai, nosso criador,

E ao Filho que por nós s’imolou,

Glória ao Espírito Santo Divino

Que com a Sua força nos salvou.

 

Os pecados são a culpa

Da terra tanto tremer

Eu vos prometo, Senhor

Nunca mais vos ofender.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 19:39





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930