Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O SAL

Quinta-feira, 26.06.14

O sal teve, desde sempre, uma importância primordial na vida da população da Fajã Grande. Sem outros meios de conservar os alimentos, até à década de sessenta, altura em que chegou a luz à freguesia e, consequentemente, os primeiros frigoríficos, a única forma de conservar os alimentos, sobretudo a carne de porco e o peixe, era salgando-os. Apenas os bifes de lombo e a linguiça eram conservados debaixo de banha, mas mesmo neste caso, o sal era necessário.

Essa a razão por que na década de cinquenta era necessário comprar sal, bastante sal e ter sempre uma reserva do mesmo, em casa, À necessidade de conservar alguns produtos ao longo do ano, juntou-se o hábito de cozinhar os alimentos com algum sal e, nalguns casos, abusava-se deste, o que, obviamente, prejudicava a saúde. A população da Fajã Grande, na década de cinquenta e anteriores, era dependente do sal e, por vezes, abdicava-se de outros gastos mais importantes, para se poder comprar o sal.

Sabe-se que em tempos antigos em que na ilha das Flores rareavam os produtos importados se adquiria o sal aos navios que ali passavam para a pesca do bacalhau, que ali passavam para se abastecer de água, víveres e recolher marinheiros clandestinos. O sal funcionava então como moeda de troca, uma vez que a população, a troco de produtos frescos, nomeadamente carne, recebia sal e de dinheiro.

A falta de sal na freguesia, em tempos idos, era tanta, que naufragando nos laredos do baixio, um barco carregado de açúcar, a população, depois de o recolher, utilizou-o como se fosse sal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 10:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Junho 2014

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930