Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O VELHO E O MAR

Segunda-feira, 01.10.18

Era uma vez um velho e pobre pescador que passava os seus dias sentado sobre as rochas negras e escarpadas do baixio, olhando indefinidamente o mar. As rugas e gilvazes do seu rosto prefiguravam as ondas altivas e temerosas do oceano, os seus cabelos brancos selvaticamente desalinhados refletiam a crispação de ventos e procelas, mas os seus olhos, pérolas azuis que com o tempo haviam perdido o brilho, continuavam a desbravar neblinas e caligens e as suas mãos, detendo-se de forma inquietante em prolongada tremulação ainda apontavam portos e escolhos.

Perto dali o seu cardenho, refúgio decrépito nos dias chuvosos de Inverno e abrigo remediador das noites escuras e friorentas. Os filhos haviam partido para bem longe, na procura de melhor vida e a companheira que com ele partilhara perigos, consumições e penúrias falecera há muito. Estava só, mas a presença quotidiana do mar obliterava-lhe o sentimento inquietante com que a existência o estigmatizara – a dor. O mar era para ele um retorno contínuo e prolongado aos tempos áureos da faina marítima, em que diariamente partia com o barco cheio de esperanças e desejos e arribava com ele umas vezes carregado de peixe, outras da certeza do amanhã ser melhor e outras de coisa nenhuma. Apenas quando os temporais invernosos o impediam de arriar, se entretinha, em terra, a remendar redes e enchelevares.

Agora passava os seus dias ali, a olhar o horizonte, a ouvir o barulhar das ondas e o canto das gaivotas, a receber as carícias da brisa matinal e os calafrios do vento norte, enrugando-lhe cada vez mais o rosto enegrecido.

E um dia, um dia em que o velho e pobre pescador prolongara a sua estadia sobre as rochas até que a noite descesse por completo sobre o oceano e o luar prateasse a tranquilidade das águas, um dia em que os seus olhos já não vislumbravam horizontes ou marés e as suas mãos já não eram capazes de segurar o caniço, lançar a nassa ou manobrar o leme, o velho pescador viu uma onda enorme e doirada aproximar-se. Cavalgava-a um lindo menino de olhos azuis e cabelos também doirados. A onda, à medida que se aproximava das rochas, ia crescendo, crescendo, até que se transformou num gigantesco barco, que o menino governava com a destreza de um velho marinheiro. O barco fundeou e atracou às rochas com descomunal perícia. O menino aproximou-se a estibordo, estendeu as mãos para o pescador:

- Vem! Vem comigo! Salta para o meu barco que também é teu!

O pescador, sem hesitar, saltou para o barco com tanta agilidade como se tivesse vinte anos. Este afastou-se lentamente das rochas e partiu desbravando as ondas com a velocidade dos raios e a solidez das montanhas. Percorreram oceanos cruzando-se com navios de todos os países e nacionalidades, atracaram em portos abarrotados de paquetes e iates, visitaram cidades grandiosas, alojaram-se em hotéis de luxo e conviveram com homens de todas as raças e cores. E o coração do velho pescador encheu-se de alegria e felicidade.

Mas algum tempo depois, o barco regressou às rochas donde partira e o velho voltou a ouvir o barulhar das ondas, cada vez mais prateadas pelo luar daquela noite que parecia infinita.

E uma nova onda aproximou-se da rocha onde o velho se sentara novamente. Trazia outro menino, lindo como o primeiro, mas com os cabelos castanhos e os olhos pretos como as azeitonas. Como a outra, a nova onda começou a crescer, a crescer, até se metamorfosear num enorme avião, que se aproximou lentamente das rochas. Abriu-se uma porta e estendeu-se uma escada para sítio onde pobre pescador permanecia. No cimo da escada, o menino de cabelos castanhos e olhos pretos, acenou-lhe e chamou-o. O velho não hesitou e entrou com a mesma agilidade com que entrara no barco. Sob o comando do menino o avião descolou e partiu, voando sobre as nuvens, com a velocidade do vento e a tranquilidade das estrelas. E o velho pescador voltou a sentir-se jovem, muito jovem. Aterraram em aeroportos de inúmeros países e de vários continentes, visitaram cidades com castelos medievais e catedrais renascentistas, percorreram ruas repletas de arranha-céus e estradas ladeadas por árvores frondosas, sentaram-se em esplanadas coloridas e tropicais, nadaram em praias cálidas e de águas cristalinas, sob o calor tórrido do Sol equatorial. Mas, assim como o barco, também o avião regressou e o velho voltou a sentar-se sobre a rocha.

A noite já ia longa, mas o pobre pescador ainda viu aproximar-se uma terceira onda, maior do que as outras, que inesperadamente se transformou num enorme edifício. Era um prédio altíssimo, com telhado de marfim, varandas de ébano e janelas de cristal. Sobre a enorme porta de entrada, uma placa iluminada com tons de azul, violeta e vermelho anunciava - ARGONAUTA, Lar de Terceira Idade, para Pescadores. A porta abriu-se e surgiu uma menina com tranças de cetim e olhos de safira. Abriu os braços na direcção do pescador e convidou-o entrar. E o velho sentiu-se ainda mais jovem do que durante as viagens que acabara de fazer. A menina conduziu-o por corredores e salas onde muitos outros jovens, uns desconhecidos, outros seus antigos companheiros da faina marítima, dançavam ao som de doces melodias. Todos irradiavam felicidade, alegria e bem-estar, E o velho pescador sentiu-se como se estivesse na sua própria casa e aquelas pessoas fossem a sua família. Finalmente, a menina deu-lhe a mão e conduziu-o à última sala. Abriu a porta e o velho pode ver os outros dois meninos, que o haviam acompanhado nas viagens de barco e de avião. As três crianças formaram um circo em volta do velho pescador e em uníssono cantavam e dançavam:

- Viemos para te dizer que neste reino a idade não conta, porque não há guerras, não há ódio, nem há mentira. Não há novos nem velhos, nem ricos nem pobres, nem tristes ou desgraçados. Todos somos felizes porque todos possuímos a inocência da paz, a dignidade do amor e a doçura da verdade.

De repente os meninos desapareceram e uma estranha mas suave música se fez ouvir e o velho pescador voltando a sentar-se na rocha, encostou-se a uma pedra e, fechando os olhos, olhou indefinidamente o mar.

E só quando o crepúsculo se desvaneceu por completo e o Sol apareceu a iluminar um novo dia, a voz de uma outra criança de pés descalços e monco a escorrer-lhe pelo nariz e que não sabia comandar barcos, nem pilotar aviões, nem sequer cantar ao redor dum velhinho, apontando para as rochas onde o pescador permanecia sentado, anunciava pelas vielas da pequena aldeia piscatória:

- Morreu o ti Manel Eiró! O ti Manel Eiró morreu!

counter

contador de visitas on line online associações
contador de visitas

Autoria e outros dados (tags, etc)

tags:

publicado por picodavigia2 às 00:05





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

VISITANTES

free web counter

calendário

Outubro 2018

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

GEOCLOCK


contadores de visitas

GEOWEATHER


contador de visitas blog

GEOCOUNTER


contador de visitas

GEOUSER


contador de visitas

GEOCHAT


contador de visitas