Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



OS OVOS DA PÁSCOA

Sábado, 19.04.14

Numa pequena aldeia, muito isolada, lá bem no alto de uma montanha, numa casa pequena e humilde, morava, sozinha, uma velhinha muito pobre. Tão pobre que apenas tinha de seu uma galinha e um coelho, que criava com muito carinho e que alimentava com ervas que apanhava nos campos, pois mais nada tinha para lhes dar. A galinha tinha o seu linheiro debaixo dos degraus de pedra da escada que dava para o pátio, em frente à cozinha. Era aí que punha os seus ovos. O coelho andava solto, ali por perto, numa pequena cerca que havia junto da casa. À noite, o coelho e a galinha vinham deitar-se junto da cama da velha, dormindo os três, ali, juntos. A galinha, sempre que punha um ovo, começava a cacarejar e a velhinha, assim que a ouvia, corria, apressada, a fim de recolher os ovos que eram o seu principal sustento.

A velhinha gostava muito da galinha e do coelho. A galinha tinha a crista vermelha, as patas amarelas e as penas coloridas de azul, vermelho e alaranjado. O coelho, por sua vez, tinha um ar de espertalhão, as suas orelhas eram grandes e o seu pelo branco e bem fofinho. Apesar de pobre, a velhinha vivia muito feliz com os seus dois amigos,

Certo dia, a velhinha ouviu a galinha a cacarejar tão alto e com tanta força, que correu, de imediato, para junto dela, muito admirada, pois não era costume ela cacarejar tão esganiçada. Até o coelho se admirou e ficou com as orelhas em pé.

A velhinha, muito apressada, desceu os degraus da escada, baixou-se e viu, no linheiro, um ovo muito grande e muito diferente dos habituais, pois a sua casca era toda colorida. O ovo era tão bonito e a velhinha não se cansou de admirá-lo. De seguida, pegou-lhe com muito cuidado e levou-o para a cozinha, ficando sem saber o que fazer com ele. Não o devia comer, porque ele era muito bonito, mas também não o podia deixar como enfeite, pois tinha fome e, além disso, o ovo podia cair e quebrar-se.

O coelho que estava ao seu lado, ao ver a indecisão da velhinha, disse-lhe:

- Porque não o dás de presente a uma criança da aldeia? Aproxima-se o dia de Páscoa e qualquer criança que o receba de oferta, decerto, vai ficar muito feliz.

A velha aceitou de bom grado a ideia do coelho, no entanto, ainda um pouco confusa, perguntou-lhe:

- Mas a que criança o devo dar? Existem várias crianças aqui, na aldeia. – Pensou, consigo a velhinha. Depois, pensando um pouco melhor, exclamou:

- Já sei o que vou fazer. Vou juntar muitos ovos da galinha e vou pintá-los para que fiquem iguais a este. Depois vou dá-los às crianças e todas ficarão felizes.

Saltitando de alegria, o coelho disse, muito entusiasmado:

 - Eu também te vou ajudar a pintar os ovos!

Assim dito, assim feito. Nos dias seguintes a galinha continuou a por ovos que a velhinha foi recolhendo e guardando numa cesta de vime, ao mesmo tempo que os ia pintando com a ajuda do coelho. Ficaram todos muito bonitos: vermelhos, verdes, azuis, amarelos, roxos, alguns listrados de várias cores, outros com bolinhas e, um ou outro, até com flores. No domingo de Páscoa, a velhinha colocou-os numa cesta e foi distribui-los por todas as crianças da aldeia.

Cuida-se que foi por isso que nasceu a ideia de oferecer ovos coloridos pela Páscoa.

 

Texto inspirado num conto lituano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 18:35





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930