Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



UM PRÉMIO

Sexta-feira, 11.04.14

No Seminário Menor de Ponta Delgada, durante as horas de estudo, sobretudo às quintas e domingos de manhã, dias em que não havia aulas, era costume, que um ou outro dos prefeitos, reunisse os alunos à volta da sua secretária a fim de lhes ler alguns livros de biografias, histórias e aventuras, sobretudo de missionários, relatando-se a sua vida em África. Num desses livros contava-se a história da luta, do esforço e dos trabalhos de um missionário para formar uma comunidade cristã entre os nativos. Ao fim de algum tempo, tendo já aderido ao cristianismo um grande número de fiéis, conseguiu, juntamente com eles, construir uma pequena igreja, edificada com material semelhante ao das tabancas dos nativos. Quando a obra já estava pronta, vieram os inimigos da fé e, incendiando-a, destruíram-na a por completo.

Terminada a leitura, o prefeito ordenou que todos e cada um de nós, devia fazer um desenho sobre o livro que ouvíramos ler e que o melhor trabalho seria premiado. Como era desajeitado em Desenho, pouco me entusiasmei com a tarefa proposta e a ela aderi sem grande esforço e com pouca motivação. No entanto lá peguei na folha, no lápis, nos guaches, nos godés e nos pincéis e comecei o desenho. Às tantas aquilo, como já esperava, começou tudo a correr-me mal e ainda por cima derramei uma parte da mistura de tintas de um godé sobre a folha. Aborrecido e sem vontade de recomeçar tudo de novo, optei por atirar as sobras das tintas, com alguma rebeldia, para cima da folha, resultando da mistura uma espécie de fogueira. Depois escrevi por baixo, como título: “O Incêndio da Capelinha”.

Os desenhos, anónimos, foram expostos ao longo da parede do corredor que servia de sala de recreio e, posteriormente, avaliados pelo professor de Desenho, o senhor padre Baptista. Para espanto meu e estupefacção de todos, o meu desenho ficou classificado em primeiro lugar e eu fui o vencedor do prémio – um livro sobre a vida de Pierre Currie e sua mulher Madame Currie. Quem não me perdoou foi o Eugénio Melo que, habituado a desenhar barcos com o seu pai, em Santo Amaro do Pico, era, incontestavelmente, o melhor aluno de Desenho e, consequentemente, o verdadeiro candidato a vencer o galardão.

A notícia foi muito divulgada e chegou às Flores e à Fajã Grande, através do jornal “Euntes”, tendo o senhor padre Pimentel, pároco da freguesia, me enviado um postal de felicitações. Claro que, com tudo isto, fiquei todo vaidoso, mas verdade é que o prémio em nada contribuiu para aperfeiçoar o meu desempenho na disciplina de Desenho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por picodavigia2 às 17:47





mais sobre mim

foto do autor


pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Abril 2014

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930